ATRIBUTOS EDÁFICOS E RESISTÊNCIA A PENETRAÇÃO EM ÁREAS DE SISTEMAS AGROFLORESTAIS NO SUDOESTE AMAZÔNICO

Wanderson Henrique do Couto, Lucia Helena Cunha dos Anjos, Paulo Guilherme Salvador Wadt, Marcos Gervasio Pereira

Resumo


Os sistemas agroflorestais (SAFs) têm sido propostos para aliar a preservação das florestas a modelos agrícolas sustentáveis. O objetivo do estudo foi avaliar atributos edáficos e correlacioná-los com a resistência mecânica do solo à penetração (RMSP) de três classes de solo na Amazônia Ocidental, em áreas de SAFs do projeto Reflorestamento Econômico Consorciado e Adensado (RECA), em Rondônia. Foram selecionadas 14 áreas de SAF com 20 anos de implantação e composição, estrutura e espaçamento entre árvores semelhantes, além de duas áreas de referência, com cobertura de mata e pastagem. Além das avaliações de atributos dos solos, foram realizados testes para medir a RMSP e determinado o estoque de C no solo até um metro. Os perfis de solo foram classificados como Latossolos, Argissolos e Cambissolos, todos com argila de baixa atividade e reduzidos estoques de nutrientes, caráter distrófico e às vezes alumínico. Nas áreas de SAF, os valores de RMSP variaram de 0,96 a 4,59 MPa, sem restrições ao sistema radicular em superfície, porém, aumentando em profundidade. Em geral, os Latossolos mostraram menores valores de RMSP que os Cambissolos e Argissolos, e os valores mais altos ocorreram na área de referência com pastagem. Os estoques de C variaram de 45,19 a 126,04 Mg C ha-1, e metade das áreas de SAF apresentaram valores próximos ou até superiores aos da área de mata. A análise de componentes principais mostrou uma distinção entre os Cambissolos e as demais classes de solos. Os principais atributos que diferenciaram as áreas foram o teor de Al, pH e a granulometria.


Palavras-chave


formação Solimões; estoque de carbono; resistência do solo à penetração.

Texto completo:

PDF

Referências


ACRE. Governo do Estado do Acre. Programa Estadual de Zoneamento Ecológico-Econômico do Estado do Acre. Zoneamento Ecológico-Econômico do Acre Fase II: documento Síntese – Escala 1:250.000. Rio Branco: SEMA, 2006. 354p.

AMARAL, E. F. do. et al. Uso da terra e propriedades físicas e químicas de Argissolo Amarelo Distrófico na Amazônia Ocidental. R. Bras. Ci. Solo, 28:307-315, 2004.

AMARAL, E. F. do. et al. Levantamento de solos no sistema de capacidade de uso a nível de pequena propriedade rural: o caso do PED, município de Senador Guiomar, Acre. Rio Branco: Embrapa CPAFAC, 1998. 46p. (Embrapa CPAFAC. Documento, 31).

ARAÚJO, E. A. de. et al. Impacto da conversão floresta - pastagem nos estoques e na dinâmica do carbono e substâncias húmicas do solo no bioma Amazônico. Acta Amazônica, 41(1):103–114, 2011.

BEUTLER, A.N.; CENTURION, J.F. Compactação do solo no desenvolvimento radicular e na produtividade de soja. Pesq. agropec. bras., 39(6):581-588, 2004.

BORGES, A.L. KIEHL, JC.; SOUZA, L.S. Alteração de propriedades físicas e atividade microbiana de um Latossolo Amarelo Álico após cultivo com fruteiras perenes e mandioca. Rev. Bras. Ci. Solo, 23:1019-25, 1999.

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Departamento Nacional de Produção Mineral. Projeto RADAMBRASIL. Folha SC. 19 Rio Branco. 1976. Geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. Rio de Janeiro: 464 p. (Levantamento de Recursos Naturais, 12).

COLLARES, G. L. et al. Compactação de um Latossolo induzida pelo tráfego de máquinas e sua relação com o crescimento e produtividade de feijão e trigo. R. Bras. Ci. Solo, 32:933-942, 2008

D’ANDRÉA, A.F. et al. Estoque de carbono e nitrogênio e formas de nitrogênio mineral em um solo submetido a diferentes sistemas de manejo. Pesq. agropec. bras., 39(2):179-186, 2004.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 2a. Edição. Brasília: Embrapa Produção da Informação; Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2006 306p

EMBRAPA/CNPS. Manual de métodos de análise de solos. Rio de Janeiro, 1997. 212p.

FRANKE, I. L.; LUNZ, A. M. P.; AMARAL, E. F. Metodologia para planejamento, implantação e monitoramento de sistemas agroflorestais: um processo participativo. PA/132, CPAF-Acre, 1998. 3p.

LIMA, H. N. et al. Mineralogia e química de três solos de uma toposseqüência da bacia sedimentar do Alto Solimões, Amazônia ocidental. Rev. Bras. Ciênc. Solo, 30(1): 59-68, 2006

NASCIMENTO, J. B. et al. Análise da compactação do solo, em áreas sob manejo sustentável no entorno de Goiânia, GO. Rev. Bras. de Agroecologia, 2(2):376-379. 2007.

RANGEL, O. J. P.; SILVA, C. A. Estoques de carbono e nitrogênio e frações orgânicas de latossolo submetido a diferentes sistemas de uso e manejo. R. Bras. Ci. Solo, 31:1609-1623, 2007

RIBON, A.A. et al. Densidade e resistência à penetração de solos cultivados com seringueira sob diferentes manejos. Acta Scientiarum: Agronomy, 25(1):13-17. 2003.

SANTOS, R.D. dos. et al. dos. Manual de descrição e coleta de solo no campo. Viçosa, Sociedade Brasileira de Ciência de Solo, 2005. 100p.

SOIL SURVEY STAFF. Soil Survey Manual. USDA/SCS. Print. Office, 1993, 473p. (Handbook-18).

SOUZA, Z. M. et al. Dependência espacial da resistência do solo à penetração e do teor de água do solo sob cultivo contínuo de cana-de-açúcar. Ciência Rural, 36(1):128-134, 2006

STOLF, R. Teoria e teste experimental de formulas de transformação dos dados de penetrômetro de impacto em resistência do solo. R. Bras. Ci Solo, 15:229-235, 1991.

TAYLOR, H.M.; ROBERSON, G.M.; PARKER Jr., J.J. Soil strength-root penetration relations to medium to coarse-textured soil materials. Soil Science, 102(1):18-22, 1966.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509824210

Licença Creative Commons