USO ENERGÉTICO DE RESÍDUOS MADEIREIROS NA PRODUÇÃO DE CERÂMICAS NO ESTADO DE SÃO PAULO

Guilherme de Andrade Lopes, José Otávio Brito, Luiz Fernando de Moura

Resumo


O uso da biomassa florestal é uma importante alternativa de fonte energética renovável, econômica, técnica e ambientalmente viável, disputando espaço com outras fontes energéticas, mais caras ou não renováveis, tais como gás natural, óleo diesel e GLP. Dentro do setor industrial, maior consumidor de energia a partir de biomassa, destaca-se o segmento de cerâmicas vermelhas, tradicional consumidor de lenha para a produção de energia. Uma considerável parcela de empresas deste setor recentemente passou a utilizar, como alternativa de energia, cavacos produzidos a partir de resíduos madeireiros diversos. A opção por esse tipo de biomassa se deve a quatro principais razões: maior disponibilidade desse material para aquisição no mercado; envolver um importante aspecto ambiental, uma vez que se trata de um material de origem renovável; por proporcionar uma maior homogeneidade durante a combustão, quando comparado com a lenha; e possibilita a automação da alimentação dos fornos. O presente estudo teve por objetivo caracterizar e descrever o segmento de cerâmicas vermelhas no Estado de São Paulo quanto ao consumo de resíduos madeireiros para fins energéticos. A pesquisa por amostragem coletou dados regionais sobre a quantidade e eficiência do uso de resíduos madeireiros como fonte de geração de energia no setor, bem como aspectos tecnológicos, econômicos e logísticos associados ao uso desta biomassa. Estima-se que o uso de cavacos de madeira vem sendo adotado atualmente por cerca de 80% das cerâmicas de porte médio no Estado de São Paulo. Os cavacos são originados de resíduos de serrarias, operações da colheita florestal de pinus e eucalipto, poda de arborização urbana e reciclagem de produtos madeireirosem geral. Oraio médio de distância para suprimento dos cavacos até as cerâmicas é de aproximadamente 200 km. As cerâmicas avaliadas compram os cavacos de terceiros a um preço médio em torno de R$ 43,00 por m³. A eficiência média apurada foi de 1,4 m³ de cavaco para cada milheiro de peças acabadas produzidas. As cerâmicas expressaram a necessidade de maior regularidade na qualidade deste biocombustível, que normalmente varia a cada carga recebida.


Palavras-chave


energia; biomassa; bioenergia; mercado.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CERÂMICAS. Informações técnicas: processo de fabricação de cerâmica vermelha. 2011. Disponível em: . Acesso em: 8 mar. 2011.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CERÂMICA. Site institucional. Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2007.

BACCELLI JÚNIOR, G. Avaliação do processo industrial da cerâmica vermelha na região do Sérido - RN. 2010. 201 f. Tese (Doutorado em Engenharia Mecânica) - Departamento de Engenharia Mecânica, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2010.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Plano de Desenvolvimento do Arranjo Produtivo Local de Cerâmica Vermelha de Tambaú – SP. Brasília: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, 2007. 73 p.

BRITO, J. O. O uso energético da madeira. Estudos Avançados, São Paulo, v. 21, n. 59, p. 1-9, 2007.

BRITO, J. O. et al. Chemical composition changes in Eucalyptus and Pinus woods submitted to heat treatment. Bioresource Technology, Essex, v. 99, n. 18, p. 8545-8548, 2008.

BUSTAMANTE, G.; BRESSIANI, J. C. A indústria cerâmica brasileira. Cerâmica Industrial, São Paulo, v. 5, n. 3, 2000.

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Balanço Energético Nacional 2011: ano base 2010. [s. l.]: EPE, 2011. Disponível em:. Acesso em: 26 out. 2011.

HENRIQUES JUNIOR, M. F.; SCHWOB, M. R. V.; RODRIGUES, J. A. P. Manual de eficiência energética na indústria de cerâmica vermelha. Rio de Janeiro: INT/MCTI, 2013. 28 p.

NOLASCO, A. M. Análise quantitativa dos resíduos da extração e processamento da caixeta (Tabebuia cassinoides) no Vale do Ribeira-SP. In: WORKSHOP SULAMERICANO SOBRE USOS ALTERNATIVOS DE RESÍDUOS DE ORIGEM FLORESTAL E URBANA, 1997, Curitiba. Anais... Curitiba: Embrapa Florestas, 1997. p. 113-116.

PINCELLI, A. L. P. S. M. Características dos resíduos da colheita de madeira de eucalipto e pinus, submetidos ao tratamento térmico, com foco na aplicação energética. 2011. 127 f. Tese (Doutorado em Recursos Florestais) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, ESALQ/USP, 2011.

QUEIROZ, L. R. S.; BARRICHELO, L. E. G. O eucalipto: um século no Brasil = The eucalypt: a century in Brazil. [s. l.]: Duratex, 2007, 131 p. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2010.

SANTOS, C. S. A indústria cerâmica em Barra Bonita (SP) e suas relações com a usina hidrelétrica de Bariri: panorama e perspectiva. 2003. 78 f. Dissertação (Mestrado em Geociências, Área de administração e política de Recursos Minerais) - Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, Campinas, 2003.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Energia, Recursos Hídricos e Saneamento. Balanço Energético do Estado de São Paulo 2011: ano base 2010. São Paulo: Secretaria de Energia, 2011. 264 p.

SEBRAE. Cerâmica vermelha: estudo de mercado. Brasília: Ed. SEBRAE, 2008. 41 p.

SÜFFERT, R. L.; BAJAY, S. V.; LIMA, C. R. Energia, sociedade e desenvolvimento sustentável: o caso da reposição de florestas plantadas no Rio Grande do Sul. [2005]. Disponível em: . Acesso em: 3 dez. 2005.

TORRES-FILHO, A. Viabilidade Técnica e Ambiental da Utilização de Resíduos de Madeira para a Produção de um Combustível Alternativo. 2005. 122 f. Dissertação (Mestrado em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos) - Programa de Pós-Graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509822767