Pastas estimulantes em sistemas de resinagem de Pinus elliottii var. elliottii

André Luiz Marretto Fusatto, Paulo Roberto de Camargo e Castro, Stella Consorte Cato, José Otávio Brito

Resumo


 

http://dx.doi.org/10.5902/1980509810559

A utilização de pastas estimulantes tem por finalidade aumentar a taxa de fluxo de resina e o seu tempo de duração. No Horto Florestal de Itatinga - SP, 159 árvores de Pinus elliottii var. elliottii foram submetidas a tratamentos com 5 pastas estimulantes, Pasta Vermelha Alchem, Pasta com Ethephon Planebrás, Pasta Preta Resinas Brasil, Pasta Vermelha Eldorado e Pasta Teste (Paraquat + Ethephon) sendo comparadas ao Controle (Pasta Preta Planebrás). Foram realizadas explotações quinzenais e coletas trimestrais (do resultado de 5 estrias), determinando-se o peso de resina das árvores durante 2,5 anos. A aplicação de pastas estimulantes com ethephon não mostrou vantagem sobre aplicação de pastas sem ethephon. As pastas estimulantes aplicadas diferiram nas pesagens realizadas. Nos tratamentos efetuados, a porcentagem de breu variou de 71,33% a 76,56% e a terebintina entre 10,37% a 13,78%. O teor de alfa-pineno variou de 37,70% a 53,31%, sendo que o de beta-pineno de 34,34% a 50,41%.


Palavras-chave


<i>Pinus</i>; estimulação; resina

Texto completo:

PDF

Referências


ALVIM, P. T. Base fisiológica da produção vegetal: curso intensivo de fisiologia vegetal. Itabuna, 1969. 49 p.

BRITO, J. O. et al. Resinagem e qualidade de resinas de pinheiros tropicais - comparações entre espécies e época de resinagem. Circular Técnica IPEF, Piracicaba, n. 35, p. 1-20, 1978.

BUCCI, L. A.; RIBAS, C.; ASSINI, J. L. Produção de resina de Pinus elliottii em Campos do Jordão. Boletim Técnico do Instituto Florestal, São Paulo, n. 2, p. 576-583, 1986.

CAPITANI, L. R. Primeiros resultados do uso de ethrel na resinagem de Pinus caribaeae var. hondurensis na reflorestadora Sacramento Resa Ltda. Circular Técnica IPEF, Piracicaba, n. 147, p. 1-5, 1982.

CAPITANI, L. R. et al. A potencialidade de resinagem de quatro espécies de Pinus tropicais na região de Sacramento, MG. Circular Técnica IPEF, Piracicaba, n. 110, p. 1-15, 1980.

CLEMENTS, R. W. Modern gum naval store methods. Washington, USDA, 1960. 29 p.

CORAIOLA, R. Obtenção e utilização da cola breu para a fabricação de papel. Boletim Técnico do Instituto Florestal, São Paulo, 1978. 16 p.

FERNANDES, P. S.; OSORIO, R. G. S. Efeito exaustivo de estimulantes químicos na resinagem intensiva de Pinus elliottii var. elliottii, Circular Técnica IPEF, Piracicaba, n. 41, p. 139-147, 1988.

GARRIDO, M. A. O. Pesquisa sobre resinagem no Instituto Florestal. Silvicultura, São Paulo, v. 8, p. 43-45, 1983.

JOYCE, E. R.; DREW, J. S. C. M. Field experiment with paraquat substitutes. In: Annual Lightwood Research Conference, Atlanta, p.82-103, 1979.

KRAMER, P. J.; KOZLOWSKI, T. T. Fisiologia das árvores. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1972. 745 p.

PARDOS, J. A. Influência de 2,4-D em la formación de canales resiniferos y en el crescimiento radial del xilema en plantitas de Pinus pinaster, Ait. Annales INIA Serie Recursos Naturales, Chile, n. 4, p. 157-163, 1980.

PETERS, W. J.; ROBERTS, D. R. Ethrel bipyridylium synergism in flash pine. In: Ligthwood Research Coordinating Council. Jacksonville, 1977. p. 78-83.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509810559

Licença Creative Commons