MÉTODOS DE CONTROLE DE Prosopis juliflora (Sw.) DC. (FABACEAE) EM ÁREAS INVADIDAS NO SEMIÁRIDO DO BRASIL

Gerlândio Suassuna Gonçalves, Leonaldo Alves de Andrade, Klerton Rodrigues Forte Xavier, José Ferreira da Silva

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509819615

O objetivo deste estudo foi avaliar a eficiência de diferentes métodos no controle de Prosopis juliflora, espécie exótica invasora na região semiárida do Nordeste do Brasil. O delineamento utilizado foi inteiramente casualizado, em esquema fatorial triplo 2x2x8 (duas populações da espécie; dois estádios de crescimento – regenerante e adulto; e oito tratamentos de controle), com 10 repetições. Os tratamentos testados foram: testemunha; anelamento do caule; anelamento e pincelamento do caule com óleo lubrificante usado; anelamento do caule e aplicação de 2,4-D + picloram; corte raso; corte raso seguido de queima das cepas; corte raso e pincelamento de óleo lubrificante usado nas cepas; e corte raso e aplicação de 2,4-D + picloram nas cepas. No total foram monitorados 320 indivíduos, dentre estes, 160 regenerantes e 160 adultos. As variáveis avaliadas foram: porcentagem de controle; número de brotações; diâmetro e comprimento de brotações. Dentre os tratamentos avaliados, os que se mostraram mais eficientes no controle de Prosopis juliflora foram o corte raso, seguido de queima das cepas e aplicação de 2,4-D + picloram em plantas cortadas e aneladas. O pincelamento de óleo lubrificante na base de plantas aneladas também se mostrou uma estratégia promissora no controle da invasora.


Palavras-chave


invasão biológica; controle de plantas invasoras; algaroba; caatinga.

Texto completo:

PDF

Referências


,4-D: Fact sheet. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2012.

ANDRADE, L. A. et al. Invasão biológica por Prosopis juliflora (Sw.) DC.: impactos sobre a diversidade e a estrutura do componente arbustivo-arbóreo da caatinga no estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Acta Botânica Brasílica, v. 23, p. 935-943, 2009.

ANDRADE, L. A. et al. Algaroba (Prosopis juliflora (Sw.) DC.): Impactos sobre a fitodiversidade e estratégias de colonização em área invadida na Paraíba. Natureza & Conservação, v. 6, n. 2, p. 61-67, 2008.

BUSSE, M. D. et al. Tree growth and understory responses to low-severity prescribed burning in thinned Pinus ponderosa forests of central Oregon. Forest Science, v. 46, p. 258–268, 2000.

CARMONA, R. et al. Controle de Acacia farnesiana e de Mimosa pteridofolia em pastagem. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 36, n. 10, p. 1301-1307, 2001.

CHOI, S. T. et al. Effect of different girdling dates on tree growth, fruit characteristics and reserve accumulation in a late-maturing persimmon. Scientia Horticulturae, v. 126, p. 152-155, 2010.

CRUZ, C. D. Programa Genes: Estatística Experimental e Matrizes. Viçosa: UFV, 2006. 285 p.

DEUBER, R. Ciência das plantas infestantes: fundamentos. v. 1, Jaboticabal: Funep, 1992.

DIAS, F. N. B. Invasoras em pastagens. São Carlos: Embrapa-CPPSE, 1993. 13 p. (Circular Técnica, 4).

FABRICANTE, J. R. et al. Respostas da Parkinsonia aculeata L. ao corte e queima em área invadida no agreste paraibano. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 4, n. 3, p. 293-297, 2009.

FRANS, R. E.; TALBERT, R. Measuring plant responses. In: TRUELOVE, B. (Ed.). Research methods in weed science. 2nd ed. New York: Southern Weed Science Society, 1977. 225 p.

GOREN, R. et al. Girdling: physiological and horticultural aspects. Horticultural Reviews, v. 30, p. 1-36, 2004.

HERINGER, I.; JACQUES, A. V. A. Adaptação das plantas ao fogo: enfoque na transição floresta – campo. Ciência Rural, v. 31, n. 6, p. 1085-1090, 2001.

HOFFMANN, W. A.; SOLBRIG, O. T. The role of topkill in the differential response of savanna woody species to fire. Forest Ecology and Management, v. 180, p. 273-286, 2003.

LIN, Q.; MENDELSSOHN, I. A. A comparative investigation of the effects of Louisiana crude oil on the vegetation of fresh, brackish, and salt marsh. Marine Pollut Bull, v. 32, p. 202-209, 1996.

LOVE, J. P.; ANDERSON, J. T. Seasonal Effects of Four Control Methods on the Invasive Morrow’s Honeysuckle (Lonicera morrowii) and Initial Responses of Understory Plants in a Southwestern Pennsylvania Old Field. Restoration Ecology, v. 17, n. 4, p. 549–559, 2009.

QASEM, J. R. Chemical control of Prosopis farcta (Banks and Sol.) Macbride in the Jordan Valley. Crop Protection. v. 26, p. 572-575, 2007.

RIBEIRO, M. O.; ZAÚ, A. S. Levantamento populacional e manejo da exótica invasora Dracaena fragrans (L.) Ker-Gawl (Angiospermae – Liliaceae), em um trecho de Floresta Atlântica sob efeitos de borda no Parque Nacional da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. Revista Brasileira de Biociências, v. 5, n. 1, p. 21-23, 2007.

RODRIGUES, B. N.; ALMEIDA, F. S. Guia de herbicidas. 5. ed. Londrina: Ed. dos Autores, 2005. 592 p.

SANTOS, M. V. et al. Eficácia e persistência no solo de herbicidas utilizados em pastagem. Planta Daninha, v. 24, p. 391-398, 2006.

SILVA, A. A. et al. Herbicidas: classificação e mecanismo de ação. In: SILVA, A. A.; SILVA, J. F. (Eds.) Tópicos em manejo de plantas daninhas. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 2007. p. 83-148.

STONE, E. L. The communal root system of red pine: growth of girdled trees. Forest Science, v. 20, p. 294–305, 1974.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. 719 p.

THILL, D. Growth regulator herbicides. In: Herbicide action course. West Lafayette: Purdue University, 2003. p. 267-291.

VIEIRA, E. M. et al. Estudo da adsorção/ dessorção do ácido 2,4-Diclorofenoxiacético (2,4D) em solo na ausência e presença de matéria orgânica. Química Nova, São Paulo, v. 22, n. 3, p. 305-308, 1999.

VITÓRIA FILHO, R. Controle de plantas daninhas em pastagens. In: FARIA, A. M. P. de (Ed.). Pastagens na Amazônia. Piracicaba: ESALQ, 1986. p. 71-90.

WEBSTER, C. R. et al. Invasion biology and control of invasive woody plants in eastern forests. Native Plants Journal, v. 8, n. 2, p. 97-106, 2007.

WILSON ,B.; GARTNER. B. L. Effects of phloem girdling in conifers on apical control of branches, growth allocation and air in wood. Tree Physiology, v. 22, p. 347-353, 2002.

WILSON, B. F. Branches versus stems in woody plants: control of branch diameter growth and angle. Canadá. Journal of Botany, v. 76, p. 1852-1856, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509819615

Licença Creative Commons