ESTUDO DO COMPORTAMENTO DO FOGO EM UM TRECHO DE FLORESTA

Virgínia Londe de Camargos, Guido Assunção Ribeiro, Alexandre Francisco da Silva, Sebastião Venâncio Martins, Flávia Maria Da Silva Carmo

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509819605

O objetivo do presente estudo foi avaliar o comportamento do fogo em um trecho de Floresta Estacional Semidecídua, usando as variáveis: intensidade do fogo, tempo de queima, material combustível, poder calorífico e calor liberado por área. Foram instaladas 10 parcelas de 5 x 5 m interdistantes em 1 m, perfazendo um total de 250 m2, em um fragmento denominado “Reserva da Biologia”, pertencente à Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, (20º35’-28º50’S e 42º45’-43º00’W) onde foi realizada a queima controlada utilizando a técnica do fogo a favor do vento, obedecendo ao sentido do aclive. Determinou-se a quantidade de matéria seca, velocidade de propagação do fogo, intensidade, calor liberado e poder calorífico. O tempo de duração da queima variou entre as parcelas de 3’30” a 9’18”. A velocidade do vento, temperatura e umidade relativa do ar no dia da queima permaneceram constantes em todas as parcelas, apresentando valores de 3,5 m s-1 Norte, 20ºC e 79%, respectivamente. Os parâmetros do comportamento do fogo variaram entre as parcelas em: 0,32 a 1,10 kg m-2 para materialcombustível, 11,94 a 75,79 Kcal s-1 m-1 para a intensidade de queima e 1111 a 3789 Kcal m-2 para o calor liberado por área. Os valores médios para velocidade de propagação e poder calorífico foram 0,017 m s-1 e 4411 Kcal Kg-1, respectivamente. As condições climáticas de Viçosa em 2005 foram atípicas em relação aos outros anos, não apresentando nenhum mês seco. Esta condição interferiu nos parâmetros do comportamento do fogo, fazendo com que a queima fosse classificada como de baixa intensidade.


Palavras-chave


intensidade de fogo; Mata Atlântica; queima controlada

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS-ABNT. Normas Técnicas NBR 8633. Brasília, 1983.

ANDREWS, P. L. Methods for predicting fire behavior – you do have a choice. Fire Management Notes, v. 47, n. 2, p. 6-10, 1986.

BATISTA, A. C. et al. Efeitos da queima controlada sobre algumas propriedades químicas do solo em um povoamento de Pinus taeda no município de Sengés – PR. Floresta, v. 27, n. 1/2, p. 59-70, 1997.

BATISTA, A. C.; SOARES, R.V. Avaliação do comportamento do fogo em queimas controladas sob povoamentos de Pinus taeda no norte do Paraná. Floresta, v. 25, n. ½, p. 31-42, 1997.

BEAUFAIT, W. R. et al. Broadcast burning in Larch-Fir clearcuts: the Miller creek-Newman ridge study. U.S. Forest Service, Research Paper INT-175. 1975. 53 p.

BONFIM, V. R. et al. Diagnóstico do uso do fogo no entorno do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro (PESB), MG. Revista Árvore, v. 27, n. 1, p. 87-94, 2003.

BROWN, A.A.; DAVIS, K.P. Forest fire: control and use. 2nd ed. New York. McGraw-Hill Book Company, 1973. 686 p.

BROWN, J. K. et al. Handbook for inventorying surface fuels and biomass in the Interior West, Ogden: Intermountain Forest and Range Experiment Station, 1982, p. 1-22 (General Technical Report, INT-129).

BYRAM, G. M. Combustion of forest fuels. In: Davis, K.P. Forest fire - control and use. New York: Mc Graw Hill, 1959, p 77-84.

CHANDLER, C. et al. Fire in Forestry: forest fire behavior and effects. New York: John Wiley e Sons, 1983. 450 p.

COCHRANE, M.; SCHULZE, M. D. Fire as a recurrent event in tropical forest of the eastern Amazon: effects on forest structure, biomass, and species composition. Biotropica, v. 31, p. 2-16, 1999.

COCHRANE, M. Fire science for rainforests. Nature, v. 421, n. 27, p. 913-919, 2003.

CONNEL, J. H.; SLATYER, R. O. Mechanisms of succession in natural communities and their role in community stability and organization. The American Naturalist, v. 111, p. 1119-1144, 1977.

CORREA, G. F. Modelo de evolução e mineralogia da fração argila de solos do Planalto de Viçosa, MG. 1984. 87 f. Dissertação (Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas) – Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, 1984.

COUNTRYMAN, C. M. The nature of heat. Portland: Pacific Southwest Forest and Range Experiment Station, 1977. 11 p.

COUTINHO, L. M. O conceito de cerrado. Revista Brasileira de Botânica, v. 1, p. 17-23. 1978.

COUTINHO, L. M. Fire in the ecology of the Brazilian cerrado. In: J. G. Goldammer (ed.). Fire in the tropical biota – Ecosystem process and global challenge. Berlim, Springer-Verlag. 1990. p. 82-105

DEPARTAMENTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. Normais climatológicas (1961-1990). Brasília: SPI, EMRAPA. 1992.

GOLFARI, L. Zoneamento ecológico do estado de Minas Gerais para reflorestamento. Belo Horizonte: PRODEPEF/PNUD/FAO/IBDF, 1975. 65 p. (Série técnica 3)

GRODZKI, L. Efeitos do fogo sobre variáveis micrometeorológicas em uma floresta de bracatinga (Mimosa scabrella, Benth) manejada sob o sistema agroflorestal em Colombo, PR. 1997. 130 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, 2000.

GRODZKI, L. et al. Efeitos do fogo sobre algumas variáveis micrometeorológicas em uma floresta de bracatinga (Mimosa scabrella, benth.), no município de Colombo, PR. Floresta, v. 34, n. 20, p. 151-156, 2004.

JOHNSON, E. A.; MIYANISHI, K. Forest Fires: Behavior and Ecological Effects. New York: Academic Press, 2001. 594 p.

KAUFFMAN, J. B. Survival by sprouting following fire in tropical forest of the Eastern Amazon. Biotropica, v. 23, p. 219-224, 1991.

KOMEREK, E. V. Effects of fire on wildlife and range habitats. In: PRESCRIBRED BURNIGN SYMPOSIUM, 1971, Charleston. Proceedings… USDA. Forest Service, 1971, p. 46-53.

McARTHUR, A. G. Control burning in eucalypt forest. Canberra: Commonwealth of Australia Forestry and Timber Bureau, 1962. 31 p.

McARTHUR, A. G.; CHENEY, N.P. The characterization of fire in relation to ecological studies. Australian Forest Research, v. 2, n. 3, p. 36-45, 1966.

MEDEIROS, M. B.; MIRANDA, H. S. Mortalidade pós-fogo em espécies lenhosas de campo sujo submetido a três queimadas prescritas anuais. Acta Botânica Brasílica, v. 19, n. 3, p. 493-500, 2005.

MINNICH, R. A. An integraded model of two fires regimes. Conservation Biology, v. 15, n. 6, p. 1549-1553, 2001.

MIRANDA, A. C. et al. Soil and air temperatures during prescribe cerrado fires in Central Brazil. Journal of Tropical Ecology, v. 9, n. 3, p. 313-320, 1993.

MIRANDA, H. S.; et al. Comportamento do fogo em queimadas de campo sujo. In: MIRANDA, H. S.; SAITO, C. H.; DIAS, B. F. S., Eds. Impactos de queimadas em áreas de Cerrado e Restinga. Brasília, DF, 1996, p. 1-10.

OLIVEIRA-FILHO, A. T.; RATTER, J. A. Vegetation physiognomies and woody flora of the Cerrado Biome. In: OLIVEIRA, P. S.; MARQUIS, R. J. (eds.). The Cerrado of Brazil: ecology and natural history of a Neotropical savana. New York, Columbia University Press, 2002, p. 91-120.

RIBEIRO, G. A. Estudo do Comportamento do fogo e de alguns efeitos da queima controlada em povoamentos de Eucalyptus viminalis Labill em Três Barras, Santa Catarina. 1997. 145 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná. 1997.

RIBEIRO, G. A.; SOARES, R. V. Caracterização do material combustível superficial e efeitos da queima controlada sobre sua redução em um povoamento de Eucalyptus viminalis. Cerne, v. 4, n. 1, p. 57-072, 1998.

RIBEIRO, G. A. et al. Eficiência de um retardante de longa duração na redução da propagação do fogo. Revista Árvore, v. 30, n. 6, p. 1025-1031, 2006.

RIGOLOT, E. Combustíveis. In: REGO, F. C.; BOTELHO, H.S. As técnicas do fogo controlado. Universidade de Trás-Os-Montes e Alto Douro, 1990, p 35-38.

ROTHERMEL, R. C.; DEEMING, J. E. Measuring and interpreting fire behavior for correlation with fire effects. Ogden: Intermountain Forest and Range Experiment Station, 1980. 4 p. (General Technical Report, INT-93).

SANTOS, J. F. et al. Perfil dos incêndios florestais no Brasil em áreas protegidas no período de 1998 a 2002. Floresta, v. 36, n. 1, p. 93-100, 2006.

SOARES, R. V.; BATISTA, A. C. Incêndios Florestais: controle, efeito e uso do fogo. Curitiba: FUPEF, 2007. 264 p.

STOCKS, B. J. Fire behavior in mature Jack pine. Canadian Journal of Forest Research, v. 16, n. 6, p. 783-790, 1989.

UHL, C. et al. Early plant sucession after cutting and burning in the upper Rio Negro region of the Amazon basin. Journal of Ecology, v. 69, p. 631-649,1981.

UHL, C. et al. Os caminhos do fogo na Amazônia. Ciência Hoje, v. 11, n. 65, p. 24-32, 1990.

VELOSO, H. P. et al. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, 1991.124 p.

VIEGAS, D. X. Modelos do comportamento do fogo. In: SIMPÓSIO SUL AMERICANO SOBRE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS, 4.; REUNIÃO TÉCNICA CONJUNTA SIF/FUPEF/IPEF SOBRE CONTROLE DE INCÊNDIOS FLORESTAIS, 8., 2007, Viçosa. Anais... Viçosa, 2007, p 96-132.

WRIGHT, H. A.; BAILEY, A. W. Fire Ecology. New York, John Wiley e Sons, Inc, 1982. 501 p.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509819605

Licença Creative Commons