Estimativas de área basal e uso do relascópio de Bitterlich em amostragem de Floresta Estacional Decidual.

André R. Terra Nascimento, Aldicir Scariot, José Alves da Silva, Anderson C. Sevilha

Resumo


A Floresta Estacional Decidual da região nordeste de Goiás é um tipo de vegetação florestal do grande bioma Cerrado, que pode ocorrer em áreas de afloramento de calcário e, geralmente, apresenta maior biomassa de espécies arbóreas que a vegetação de cerrado adjacente. Este estudo foi desenvolvido em uma área de floresta intacta (Fazenda Flor Ermo) e em quatro áreas de floresta perturbada (Fazendas Formosa, Traçadal, Manguinha e Conçeição Mocambo). O objetivo foi estimar a área basal e a intensidade amostral utilizando o relascópio de Bitterlich em florestas deciduais. A área basal foi de 29,3 m²/ha na floresta intacta e de 23 a 24 m²/ha nas perturbadas. As florestas com perturbação acentuada apresentaram curvas de distribuição do desvio padrão dos pontos de amostragem com pequena variação comparada com a curvas das áreas com baixo nível de perturbação. Para um limite de confiança de 95 % de probabilidade de confiança para a estimativa da média, 20 unidades amostrais com o relascópio podem ser suficientes para amostrar satisfatoriamente a área basal nesse tipo de vegetação.


Palavras-chave


intensidade amostral; inventário florestal; amostragem por pontos; floresta estacional decidual

Texto completo:

PDF

Referências


ANDAHUR, J.P.V. Floresta e questões de gestão ambiental na bacia do vale do Paranã. Dissertação de Mestrado. 2001. 92p. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais). Universidade de Brasília, Brasília.

BREEDLOVE, D. E. Phytogeography and vegetation of Chiapas (México). In: GRAHAM, A. (ed.) Vegetation and vegetational history of Northern Latin America. Amsterdan: Elsevier Scientific Publishers. 1973, p. 140-165.

BROWN, S. & LUGO, A. E. Tropical secondary forests. Journal of Tropical Ecology, v. 6, p. 1-32, 1990.

BITTERLICH, W. Vorteile der variablen probekreistechnik. Allgemeine Forstzeitung. 8 p. 1960.

BUENO, P.C., SCARIOT, A.; SEVILHA, A.C. Estrutura populacional de espécies madeiráveis em áreas intacta e explorada de Floresta Decidual. Bol. Ezequias Paulo Heringer, 2001 (no prelo).

EWEL, J. Sucession. In: GOLLEY, F.B. (ed.) Tropical rain forest Ecosystems: structure and fuction. Amsterdam: Elsevier Scientific Publishing Company. 1983, p. 217-223.

FAO. Forest Resource Assessment 1990. Tropical countries. FAO Forestry Paper 112. FAO, Rome. 1993.

FINEGAN, B. Bases ecológicas para el manejo de bosques secundarios de las zonas húmedas del trópico americano, recuperación de la biodiversidad y producción sostenible de madera. In: MEMORIAS DEL TALLER INTERNACIONAL SOBRE EL ESTADO ACTUAL Y POTENCIAL DE MANEJO Y DESARROLO DEL BOSQUE SECUNDARIO TROPICAL EN AMÉRICA LATINA. Pucalpa, Peru, Anais..., 1997, p. 106-119.

IBGE Zoneamento Geoambiental e Agroecológico do Estado de Goiás: região nordeste/Hilton Lenzi Moreira (Coord.). Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Divisão de Geociências do Centro-Oeste. 178 p- (Estudos e pesquisas em Geociências). 1994.

LOETSCH, F.; ZÖHRER, F.; HALLER, K.E. Forest inventory. 2 ed., Munique: BLV Verlagsgesellschaft. 1973, 469p.

LUÍZ, G. C. Estudo do impacto ambiental a partir da análise espaço-temporal – Caso da região Vão do Paranã – GO. 1998. Dissertação (Mestrado em Geociências)- Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

MOSCOVICH, F.A.; BRENA, D.A.; LONGHI, S.J. Comparação de diferentes métodos de amostragem de área fixa e variável, em um floresta de Araucaria angustifolia. Ciência Florestal, v.9, n.1, p.173-191, 1999.

PÉLLICO NETTO, S. & BRENA, D.A. Inventário florestal. Curitiba: Editado pelos autores. 1997, 316 p.

RIBEIRO, J. F. & WALTER, B. M. T. Fitofisionomias do bioma Cerrado. In: SANO, S.M; ALMEIDA, S.P. (eds.) Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 1998, p. 89-166.

SAMPAIO, A.B. Efeito de borda nas espécies arbóreas de uma floresta Estacional Decidual no vale do Paranã. 2001. 82 p. Dissertação (Mestrado em Ecologia). Universidade de Brasília, Brasília.

SAS Institute Inc., SAS Languace : Reference, Version 6, First Edition. Cary, NC : SAS Istitute Inc., 1990. 1042 p.

SCARIOT, A. & SEVILHA, A.C. Diversidade, estrutura e manejo de florestas deciduais e as estratégias de conservação. In: CAVALCANTI, T.B. & WALTER, B.M.T. (Org.) Tópicos atuais em Botânica. Brasília: Sociedade Botânica do Brasil/Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. 2000, p.183-188.

SCHNEIDER P.R.; SILVA, J.A.; ANDRAE, F.; COZER, E.L. Estrutura e produção das florestas naturais ao longo do Rio Branco no território federal de Roraima. Ciência e Natura, v. 4, p. 115-127, 1982.

SNEDECOR, G.W. & COCHRAN, W. C. Statistical methods. The Iowa State University Press: United States of America. 1980, 507 p.

STATSOFT, INC. STATISTICA for Windows. [Computer program manual]. Tulsa OK, 1995.

WHITMORE, T. C. Tropical forest disturbance, disappearance, and species loss. In: Laurance, W. F. & R. O. Bierregaard, Jr. (eds.) Tropical Forest Remnants: Ecology, Management, and Conservation of Fragmented Communities. The University of Chicago Press: Chicago. 1997, p. 3-14.

ZAR, J. H. Biostatistical analysis. Prentice Hall: New Jersey. 1999, 663 p.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050981816

Licença Creative Commons