Sucessão florestal secundária no município de São Pedro de Alcântara, litoral de Santa Catarina: estrutura e diversidade.

Alexandre Siminski, Marcelo Mantovani, Maurício Sedrez dos Reis, Alfredo Celso Fantini

Resumo


O processo de sucessão florestal secundária no Litoral de Santa Catarina é caracterizado por estádios sucessionais bem-definidos. Este trabalho foi realizado com o objetivo de caracterizar esses estádios em relação à riqueza de espécies, índice de diversidade (Shannon-Weaver), grupos de densidades, classes diamétricas, e área basal. O estudo foi realizado em uma área situada no município de São Pedro de Alcântara, localizado a 50 km de Florianópolis, com vegetação característica de Floresta Ombrófila Densa. Foram amostradas seis parcelas de 10x10 m em cada estádio sucessional, Myrsinietum3, Miconietum e Mata Secundária. Foram medidos todos indivíduos de espécies arbóreas e arbustivas com altura superior a 1 metro. O estádio de Myrsinietum, com grande dominância de Myrsine coriacea, se caracterizou pela baixa diversidade de espécies (H =2,09 nats), com muitos indivíduos de cada espécie nas classes de menor diâmetro (<10cm), refletindo em uma baixa área basal (6,99 m2/ha). No estádio de Miconietum, com dominância de Miconia cinnamomifolia, existe um grande número de indivíduos nas classes de até 20 cm de DAP, não passando de 35 cm, resultando em uma área basal de 33,67 m2/ha. Nesse estádio, verificou-se um grande número de espécies, com alta diversidade (H = 3,55 nats), das quais a maior parte é de ocorrência muito esparsa. No estádio de Mata Secundária, existe um grande número de indivíduos nas classes até 15 cm de DAP, mas com indivíduos até 52 cm, resultando em uma área basal de 39,11 m2. Nesse estádio, 50% das espécies é de ocorrência muito esparsa com um índice de diversidade (H) de 3,48 nats. Os resultados obtidos neste trabalho não permitiram o enquadramento dos estádios sucessionais de Myrsinietum, Miconietum e Mata Secundária nos estádios de regeneração definidos pela Resolução n. 04/1994 do CONAMA. As características de cada estádio sucessional demonstram a grande dessemelhança existente entre o estádio Myrsinietum e os estádios Miconietum e Mata Secundária, tanto do ponto de vista estrutural como ecológico. Essas diferenças podem subsidiar estratégias, visando ao uso e à conservação dos recursos florestais.


Palavras-chave


sucessão secundária; riqueza de espécies; estrutura florestal; resolução CONAMA

Texto completo:

PDF

Referências


CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica em cumprimento ao disposto no artigo 6º do Decreto 750, de 10 de fevereiro de 1993, na Resolução CONAMA nº10, de 01 de outubro de 1993. Resolução n.004, de 04 de maio de 1994. Lex: coletânea da legislação ambiental aplicável no estado de Santa Catarina. Florianópolis: FATMA, 2002. p.436-438.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos (Rio de Janeiro-RJ). Sistema brasileiro de classificação de solos – Brasília, 1999. 412p.

FUNDAÇÃO S.O.S. MATA ATLÂNTICA ; INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS; INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Atlas da evolução dos remanescentes florestais e ecossistemas associados no domínio da Mata Atlântica no período 1995-2000. São Paulo, 2000.

IDE, B.Y. et al. Zoneamento agroclimático do Estado de Santa Catarina: 2a. Etapa. Florianópolis: EMPASC, 1980. 106p.

KAGEYAMA, P.Y.; CASTRO, C. Sucessão secundária, estrutura genética e plantações de espécies nativas. IPEF, n. 41/42, p. 83-93, 1989.

KLEIN, R.M. Ecologia da flora e vegetação do Vale do Itajaí. Sellowia, Itajaí, v.32, n.32, p.164-369, nov. 1980.

KLEIN, R.M.; PASTORE, U.; COURA NETO, A. B. Vegetação. In: Atlas de Santa Catarina. Florianópolis: Gabinete do planejamento e Coordenação Geral, 1986. p.35-36.

KLEIN, R M. Espécies raras ou ameaçadas de extinção: Estado de Santa Catarina. Rio de Janeiro: IBGE, Diretoria de Geociências, 1990.

LINO, C. F. Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. Campinas: Consórcio Mata Atlântica / Universidade Estadual de Campinas, 1991. v.1.

LISBOA, R.B.Z. Análise fitossociológica de uma comunidade arbórea, na Floresta Ombrófila Densa, no Parque Botânico Morro do Baú – Ilhota/SC. 2001. 122p. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

LONGHI, S.J. et al. Aspectos fitossociológicos de fragmento de Floresta Estacional Decidual, Santa Maria, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v.10, n. 2, p. 59-74, 2000.

MANTOVANI, W. Estrutura e dinâmica da floresta atlântica na Juréia, Iguape - SP. 1983. Tese (Livre Docência) - Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993

ODUM, E.P. Ecologia. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1983.

PIELOU, E.C. Ecologycal diversity. London: Jonh Wiley, 1975. 165p.

QUEIROZ, M.H.de. Approche Phytoécologoque et Dynamique de Formation Végetales Secondaires Dévelopées Après Aband dês Activités Agricoles, dns lê Domaine de la Fôret Ombrophile Dense de Versant (Fôret Atlantique) à Santa Catarina – Brésil. 1994. 251p. Tese (Doutorando) – Ecole Nationale du Genie Rural, des Eaux et des Forests, Nancy – França, 1994.

REIS, A. et al. Curso: manejo do palmiteiro (Euterpe edulis) em regime de rendimento sustentado. Florianopolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 1995. 84p.

SANTA CATARINA. SUDESUL/SAG. Levantamento de reconhecimento de solos do Estado de Santa Catarina.. Santa Maria, 1973. v.2.

SILVA, A.F. Composição florística e estrutura de um trecho de Mata Atlântica de encosta no município de Ubatuba-SP. 1980. 150p. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal) – Universidade Federal de Campinas, Campinas, 1980.

SILVA, A. F.; LEITAO FILHO, H. F. Composição florística e estrutura de um trecho da mata atlântica de encosta no município de Ubatuba - SP. Revista Brasileira de Botânica, v.5, n.1/2, p. 43-52, 1982.

SIMINSKI, A. A Percepção dos agricultores da Microbacia Santa Filomena – São Pedro De Alcântara – SC, em relação aos remanescentes florestais da Mata Atlântica. 2002. 45p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) Curso de Agronomia – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianopolis, 2002.

TABARELLI, M.; MANTOVANI, W. A regeneração de uma floresta tropical montana após corte e queima (São Paulo – Brasil). Rev. Brasil. Biol., v.59, n..2, p. 239-250, 1999.

VACCARO, S; LONGHI, S.J.; BRENA, D.A. Aspectos da composição florística e categorias sucessionais do estrato arbóreo de três subseres de uma Floresta Estacional Decidual, no Município de Santa Tereza-RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v.8, n.1, p.1-18, 1999.

VELOSO, H.P.; RANGEL FILHO, A.L.R.R.; LIMA, J.C.A. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais, 1991. 124p.

VIANA, V.M.; TABANEZ A.J. Biology and conservation of forest fragments in Brazilian atlantic moist forest. In: SCHELHAS, J., GREENBERG, R. (Ed.). Forest patches: in tropical landscapes. Washington, D.C.: Island Press, p. 151-167, 1996.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050981778

Licença Creative Commons