Avaliação de modelos polinomiais não-segmentados na estimativa de diâmetros e volumes comerciais de Pinus taeda.

Adriana Leandra de Assis, José Roberto Soares Scolforo, José Márcio de Mello, Antônio Donizette de Oliveira

Resumo


Este estudo foi realizado com os objetivos de: construir equações com potências de grandezas fracionárias, unitárias e de dezenas, na tentativa de representar melhor a ponta, a porção média e a base da árvore respectivamente; construir equações polinomiais compatíveis com uma equação volumétrica; avaliar a acuracidade de três modelos polinomiais não-segmentados para estimar diâmetros e volumes ao longo do fuste de Pinus taeda; verificar se o melhor modelo para estimar diâmetros ao longo do fuste é também o melhor para estimar volumes totais e parciais. A base de dados utilizada foi composta por 58 árvores de Pinus taeda cubadas rigorosamente pelo método de Smalian, nas propriedades da empresa PISA - Papel de Imprensa S/A, na região de Jaguariaíva - PR. As 58 árvores foram divididas em oito classes diamétricas, e procedeu-se ao ajuste de três modelos polinomiais não-segmentados para cada classe diamétrica e para o conjunto total dos dados. Os modelos não-segmentados testados foram o de Schöepfer (1966); o de Hradetzky (1976); e o de Goulding e Murray (1976). A acuracidade dos modelos para estimar diâmetros e volumes ao longo do fuste foi avaliada pr meio das seguintes estatísticas: coeficiente de determinação, erro-padrão residual, análise gráfica dos perfis médios dos fustes, desvio médio em cada posição de medição ao longo do fuste, desvio-padrão das diferenças, soma de quadrados do resíduo relativo e resíduo percentual. Com base nas quatro últimas estatísticas, foi elaborado um "ranking" para detectar o modelo que propiciou estimativas mais acuradas de diâmetros e volumes em cada posição de medição do fuste, por ocasião da cubagem rigorosa. Como principais resultados, pode-se destacar que os modelos de Hradetzky (1976) é o mais estável na estimativa das duas variáveis estudadas. O modelo de Goulding e Murray (1976) é preciso para estimar diâmetros e volumes ao longo do fuste de Pinus taeda na região de estudo, apenas se o ajuste for por classe diamétrica. O modelo de Schöepfer (1966) mostrou estimativas tendenciosas ao longo de todo o fuste, em todas as classes diamétricas estudadas.


Palavras-chave


polinômio não-segmentado; função de afilamento

Texto completo:

PDF

Referências


AHRENS, S.; HOLBERT, D. Uma função para forma de tronco e volume de Pinus taeda L. Curitiba: EMBRAPA, 1981. p.37-68. (Boletim de Pesquisa Florestal, 3).

ASSIS, A. L. de. Acuracidade na estimativa de volumes comerciais de Eucalyptus grandis e Eucalyptus urophylla. Lavras: UFLA, 1998. 183p. Monografia.

ASSIS, A. L. de “Avaliação de modelos polinomias segmentados e não-segmentados na estimativa de diâmetros e volumes comerciais de Pinus taeda.”. 2000. 189p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Lavras, Lavras.

BORGES, J. F. “Seccionamento do fuste de Pinus taeda L. para obtenção do volume de madeira serrada através da função de forma polinomial”. Floresta, Curitiba, v.13, n.1, p.24-25, 1982.

DEMAERSCHALK, J. P. Integrated systems for the estimation of tree taper and volume. Canadian Journal of Forest Research, Otawa, v.3, n.1, p.90-94, 1976.

FERREIRA, S. O. “Estudo da forma do fuste de Eucalyptus grandis e Eucalyptus cloeziana”. 1999. 132p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Lavras, Lavras.

FIGUEIREDO FILHO, A.; BORDERS, B. E.; HITCH, K. L. Taper equations for Pinus taeda plantations in southern Brazil. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v.83, p.36-46, 1996.

FISCHER, F. “Eficiência dos modelos polinomiais e das razões de volume na estimativa volumétrica dos sortimentos e do perfil do fuste de Pinus taeda”. 1997. 167p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Lavras, Lavras.

GOLFARI, L; CASER, R. L; MOURA, V. P. G. “Zoneamento ecológico esquemático para reflorestamento no Brasil”: 2a aproximação. Belo Horizonte: Centro de Pesquisas Florestais da Região do Cerrado, 1978. 66p. (Série Técnica, 11).

GOULDING, C. J.; MURRAY, J. C. “Polynomial taper equations that are compatible with tree volume equations”. New Zealand Journal of Forest Science, Rotorua, v.5, n.3, p.313-322, Feb. 1976.

HRADETZKY, J. Analyse und interpretation statistisher abränger keiten. (Biometrische Beiträge zu aktuellen forschungs projekten). Baden: Württemberg Mitteilungen der FVA, 1976. 146p. (Abt. Biometric und Informatik, 21).

INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ. Cartas climáticas do Estado do Paraná. Londrina, 1994. 49p. (Documentos, 18).

KIRCHNER, F. F.; FIGUEIREDO FILHO, A.; SCOLFORO, J. R. S.; MACHADO, S. A.; MITISHITA, E. A. “O uso de funções spline no cálculo de volumes de árvores.” Floresta, Curitiba, v.19, n.1/2, p.116-122, 1989.

KOZAK, A.; MUNRO, D. D.; SMITH, J. H. G. “Taper functions and their aplication in forest inventory. Forest Chronicle, Toronto, v.45, n.4, p.278-283, 1969.

LEITE,H.G.; “Conversão de troncos em multiprodutos da madeira, utilizando programação dinâmica.”. 1994. 230p. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

LEITE, H. G.; GUIMARÃES, D. P.; CAMPOS, J. C. C. “Descrição e emprego de um modelo para estimar múltiplos volumes de árvores”. Revista Árvore, Viçosa, v.19, n.1, p.65-79, 1995.

LIMA, F. S. “Análise de funções de “taper” destinadas à avaliação de multiprodutos de árvores de Pinus elliottii”. 1986. 79p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

McTAGUE, J. P.; BATISTA, J. L. F.; STEINER, L. H. “Equações de volume total, volume comercial e forma do tronco para plantações de Eucalyptus nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro. IPEF, Piracicaba, v.41/42, p.56-63, 1989.

PARRESOL, B. R.; HOTVEDT, J. E.; CAO, Q. V. “A volume and taper prediction system for bald cypress. Canadian Journal of Forest Research, Otawa, v.17, p.250-259, 1987.

RIOS, M. S. “A eficiência das funções polinomiais, da função spline cúbica, e razões de volume para representar o perfil da árvore e estimar os sortimentos de Pinus elliottii”. 1997. 116p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Lavras, Lavras.

ROSOT, M. A. D. Estudo comparativo de métodos para avaliação volumérica por unidade de área em povoamento de Pinus taeda L. 1989. 163p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

SCHÖEPFER,W. Automatisierung des Massen, Sorten und Wertberechnung stenender Waldbestande Schriftenreihe Bad. [S.l.]: Wurtt-Forstl., 1966. n.p.

SCOLFORO, J. R. S.; RIOS, M. S.; OLIVEIRA, A. D. de; MELLO, J. M.; MAESTRI, R. “Acuracidade de equações de afilamento para representar o perfil do fuste de Pinus elliottii”. Cerne, Lavras, v.4 , n.1 , p.100-122, 1998.

SILVA, J. A. Funções de forma dos troncos do Pinus taeda, Pinus excelsa, Abies alba e Pinus silvestre. In: SEMINÁRIO SOBRE ATUALIDADES E PERSPECTIVAS FLORESTAIS: o uso de funções de forma de tronco em estudo de volumetria de espécies florestais, 5., 1981, Curitiba (PR). Anais... Curitiba, 1982. p.29-45. (Documentos, 9).




DOI: https://doi.org/10.5902/198050981704

Licença Creative Commons