Atividade alelopática de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze na germinação e crescimento inicial de Lactuca sativa L.

Bruna Denardin da Silveira, Roberto Tuyoshi Hosokawa, Antonio Carlos Nogueira, Veridiana Padoin Weber

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509813325

O presente estudo teve por objetivo avaliar as possíveis atividades alelopáticas de Araucaria angustifolia na germinação e crescimento inicial de Lactuca sativa. No experimento foram utilizadas sementes de alface e extrato aquoso extraído das folhas de araucária, com concentrações de 10%, 7,5%, 5,0% e 2,5%. O efeito destas quatro concentrações foi comparado com o de água destilada (concentração 0%). A partir dos dados coletados, determinou-se a percentagem de germinação (G%), índice de velocidade de germinação (IVG), tempo médio de germinação (t), comprimento e massa seca das plântulas. Os resultados demonstraram que o extrato aquoso das folhas de araucária possui propriedade inibitória na germinação, velocidade de germinação e no crescimento inicial de Lactuca sativa.


Palavras-chave


sementes florestais; alelopatia; manejo florestal

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, M. C. S. et al. Alelopatia de extratos voláteis na germinação de sementes e no comprimento da raiz de alface. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 39, n. 11, p. 1083-1086, 2004.

ALVES, S. M. et al. Biossíntese e distribuição de substâncias alelopáticas. In: Souza Filho, A. P. S.; Alves, S. M. Alelopatia: princípios básicos e aspectos gerais, 2002, Belém. Embrapa Amazônia Oriental, Belém, 2002, p. 79-109.

ANAYA, A.L. Allelopathy as a tool in the management of biotic resources in agroecosystems. Critical Reviews in Plant Science, Boca Raton, v. 18, p. 697-739. 1999.

BAIS, H.P. et al. Allelopathy and exotic plant invasion: from molecules and genes to species interactions. Science, Washington, v. 301, p. 1377-1380. 2003.

CARVALHO, P. E. R. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo: EMBRAPA-CNPF; Brasília: EMBRAPA-SPI, 1994. 640 p.

CHOU, C.H. Roles of allelopathy in plant biodiversity and sustainable agriculture. Critical Reviews in Plant Science, Boca Raton, v. 18, p. 609-636. 1999.

CHUNG, I. M.; AHN, J. K.; YUN, S. J. Assessment of allelopathic potential of barnyard grass (Echinochloa crus-gall) on rice (Oryza sativa L.) cultivars. Crop Protection, Amsterdam, v. 20, p. 921-928, 2001.

FERREIRA, A. G.; AQUILA, M. E. A. Alelopatia: uma área emergente da ecofisiologia. Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, Londrina, v. 12, Edição Especial, p. 175-204. 2000.

FERREIRA, A. G.; BORGUETTI, F. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: ARTMED, 2004. 323 p.

GATTI, A. B. Atividade alelopática de extratos aquosos de Aristolochia esperanzae O. Ktze e Ocotea odorifera (Vell) Rohwer na germinação e crescimento de Lactuca sativa L. e Raphanus sativus L. 2003. 148 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Recursos Naturais) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

GOMES, J.F. et al. Classificação e crescimento de unidades de vegetação em Floresta Ombrófila Mista, São Francisco de Paula, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v.18, n.1, p. 93-107, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. (Série - Manuais Técnicos em Geociências, n.1) Rio de Janeiro: IBGE, 1992. 92 p.

LABOURIAU, L.G.; VALADARES, M.B. On the germination of seeds of Calotropis procera. Anais da Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, v.48, p. 263-84, 1976.

LAMPRECHT, H. Silvicultura nos trópicos: Ecossistemas florestais e respectivas espécies arbóreas: possibilidades e métodos de aproveitamento sustentado. Eschborn: Instituto de Silvicultura da Universidade de Göttingen/GTZ, 1990. 343 p.

LARCHER, W. Ecofisiologia Vegetal. São Carlos: Rima, 2004. 531 p.

MAGIERO, E. C. et al. Efeito alelopático de Artemisia annua L. na germinação e desenvolvimento inicial de plântulas de alface (Lactuca sativa L.) e leiteiro (Euphorbia heterophylla L.). Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 11, n. 3, p. 317-324, 2009.

MAGUIRE. J.D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigour. Crop Science, Madison, v. 2, n.1, p. 176-177, 1962.

MEIADO, M. V. A planta facilitadora Trischidium molle (Benth.) H. E. Ireland (Leguminosae) e sua relação com a comunidade de plantas em ambiente semi-árido no Nordeste do Brasil. 2008. 85 f. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

PIÑA-RODRIGUES, F.C.M.; LOPES, B.M. Potencial alelopático de Mimosa caesalpinaefolia Benth sobre sementes de Tabebuia alba (Cham.) Sandw. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 8, p. 130-136, 2001.

REZENDE, C. P. et al. Alelopatia e suas interações na formação e manejo de pastagens. Boletim Agropecuário, Lavras, n. 54, p.1-55, maio. 2003.

RICE, E.L. Allelopathy. 2. ed. New York: Academic Press, 1984. 422 p.

ROGER, J.A. et al. Potencial alelopático de Acacia mangium sobre sementes de alface. In: CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL, 8., 2007, Caxambu. Anais... Caxambu: SEB, 2007, p. 1-2.

SANTANA, D.G. et al. Germination meansurements to evaluate allelopathic interactions. Allelopathy Journal, New York, v. 17, p. 43-52, 2006.

SILVA, F. M.; AQUILA, M. E. A. Potencial alelopático de espécies nativas na germinação e crescimento inicial de Lactuca sativa L. (Asteraceae). Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 61-69, 2006a.

SILVA, F. M.; AQUILA, M. E. A. Contribuição ao estudo do potencial alelopático de espécies nativas. Revista Árvore, Viçosa, v. 30, n. 4, p. 547-555, 2006b.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509813325

Licença Creative Commons