Desdobro de Eucalyptus grandis com motosserra, Parte 1 – Análise do desempenho operacional

Djeison Cesar Batista, Rafael Bridi Corteletti, Clovis Eduardo Nunes Hegedus, Graziela Baptista Vidaurre Dambroz

Resumo


 

http://dx.doi.org/10.5902/1980509810558

O objetivo deste trabalho foi analisar o desempenho operacional do desdobro de Eucalyptus grandis W.Hill ex Maiden com motosserra, no contexto da utilização em pequena escala, utilizando-se como ferramentas de avaliação operacional do desdobro com motosserra foi satisfatório, com rendimento e eficiência operacional médios de 58,5% e diamétricas: 20,0-25,9 cm, 26,0-28,9 cm, 29,0-31,9 cm, 32,0-34,9 cm e 35,0-41,0 cm. O desempenho operacional do desdobro com motosserra foi satisfatório, com rendimento e eficiência médios de 58,5% e 0,55 m³/operário/h, respectivamente. No entanto, a viabilidade dessa técnica está restrita a sua utilização em pequena escala e ao padrão de qualidade exigido, da maneira como tem sido utilizada atualmente por pequenos produtores rurais. A classe diamétrica 3 (29,0-31,9 cm) apresentou o melhor rendimento, de 66,6%, pois foi aquela em que houve a melhor adequação do modelo de corte, ou seja, melhor relação entre diâmetro das toras e produtos gerados. Sugere-se para pesquisas futuras o desenvolvimento de modelos de corte específicos para cada classe diamétrica, além da redução da amplitude das classes, visando-se aumentar o rendimento em madeira serrada. De modo geral, o aumento do diâmetro das toras resulta em aumento da eficiência operacional. O tempo médio gasto por operação foi o mesmo para as classes 3, 4 e 5, demonstrando que a última apresentou a melhor eficiência operacional (0,82 m³/operador/h.).


Palavras-chave


desdobro com motosserra; <i>Eucalyptus grandis</i>; rendimento; eficiência operacional

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAF – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE FLORESTAS PLANTADAS. Anuário Estatístico da ABRAF 2011 ano base 2010. Brasília: ABRAF, 2011. 130 p.

ARAÚJO, H. J. B. de. Índices técnicos da exploração e transformação madeireira em pequenas áreas sob manejo florestal no P.C. Pedro Peixoto – Acre. Rio Branco: Embrapa-CPAF/AC, 1998. 30 p. (Embrapa-CPAF/AC. Circular Técnica, 23).

ARAÚJO, H. J. B. de. Rendimento do processo de transformação de toras com motosserra. Embrapa Acre, Rio Branco, n. 104, p. 1-5, dez. 1999.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7203: madeira serrada e beneficiada. Rio de Janeiro, 1982. 2 p.

BATISTA, D. C. Avaliação do desempenho operacional de uma serraria através de estudo do tempo, rendimento e eficiência: estudo de caso em Piraí - RJ. 2006. 53 f. Monografia (Graduação em Engenharia Florestal) – Instituto de Florestas, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2006.

BIASI, C. P. Rendimento e eficiência no desdobro de três espécies tropicais. 2005. 61 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal na área de Tecnologia e Utilização de Produtos Florestais) – Curso de Pós Graduação em Engenharia Florestal, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005.

BIASI, C. P.; ROCHA, M. P. Rendimento em serraria de Pinus elliottii. In: CONGRESSO FLORESTAL BRASILEIRO, 8., 2003, São Paulo. Anais... São Paulo: [s.n.], 2003.

BRASIL. Norma para Medição e Classificação de Toras de Madeiras de Folhosas. Brasília: MA/IBDF/DIC, 1984. 84 p.

FERREIRA, S. et al. Influência de métodos de desdobro tangenciais no rendimento e na qualidade da madeira de clone de Eucalyptus spp. Cerne, Lavras, v. 10, n. 1, p. 10-21, 2004.

HASELGRUBER, F.; GRIEFFENHAGEN, K. F. G. Motosserras: mecânica e uso. Porto Alegre: Metrópole, 1989, 135 p.

LUCAS MILL BRASIL. Catálogo de serrarias portáteis. Brasília: 2009

MACHADO, S. A.; FIGUEIREDO FILHO, A. Dendrometria. Curitiba: A. Figueiredo Filho. 2003, 309 p.

MEDINA, P.; POKORNY, B. Avaliação financeira de sistemas de manejo florestal por produtores familiares apoiados pelo ProManejo. 2006.Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2010

MURARA JUNIOR, M. I.; ROCHA, M. P.; TIMOFEICZYK JUNIOR, R. Rendimento em madeira serrada de Pinus taeda para duas metodologias de desdobro. Floresta, Curitiba, v. 35, n. 3, set./dez. 2005.

PROTAZIO, C. J. Motosserra. Entrevista concedida a Rafael Bridi Corteletti, Paraíso, 27 abr. 2010.

ROCHA, M. P. Técnicas e planejamentos de serrarias. Curitiba: FUPEF, 2002. 121 p.

SOUZA, A. N.et al. Modelagem do rendimento no desdobro de toras de eucalipto cultivado em sistema agroflorestal. Cerne, Lavras, v. 13, n. 2, p. 222-238, 2007.

SOUZA, C. I. F. Rendimento do desdobro de toras, utilização dos resíduos e otimização do tempo de trabalho com uma serraria portátil (Lucas Mill) numa comunidade rural na Amazônia. 2006. 70 f. Dissertação (Mestrado em Ciências de Florestas Tropicais) – Programa de Biologia Tropical e Recursos Naturais do Convênio Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e Universidade Federal da Amazônia, Manaus, 2006.

TSOUMIS, G. T.Science and Technology of Wood: Structure, Properties, Utilization. New York: Chapman & Hall, 1991. 494 p.

VALÉRIO, A. F. et al. Quantificação de resíduos e rendimento no desdobro de Araucaria angustifolia (Bertol.) O. Kuntze. Floresta, Curitiba, v. 37, n. 3, p. 387-398, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509810558