NATIONAL POLICY FOR ENVIRONMENTAL EDUCATION: ANALYSIS OF ITS APPLIANCE IN THE RESEARCH AND PROJECTS OF EXTENSION OF PUBLIC EDUCATIONAL INSTITUTIONS.

Lígia Viana Azevedo, Daniela Rocha Teixeira Riondet- Costa, Janaina Roberta dos Santos

Abstract


The importance of environmental education practices is undeniable, since they are designed to promote a healthy quality of life, according to art. 225 of the Federal Constitution, privileging the constitutional principle of the dignity of the human person, as well as encouraging the individual and the community to build social values, knowledge, skills, attitudes and skills aimed at environmental conservation. This study aimed to analyze extension and research projects focusing on the application of the Policy for Environmental Education - NPEE by federal public education institutions in two cities in the south of Minas Gerais (Itajubá and Pouso Alegre), in order to contribute to sustainable public policies. It was also necessary to investigate how the NPEE has been applied, whether this rule is effectively applicable or only empty letter of the legal order to be followed. Thus, the research had as a guiding question: are public educational institutions fulfilling the objectives of NPEE? As for the methodology, it is an exploratory research, carried out through the instruments of analysis of the documents, where the data were verified qualitatively, through analysis of content, hoping, without exhausting the subject in question, since in constant evolution, Contribute to strengthening the ways in which NPEE is applied in educational institutions.


Keywords


National Policy for Environmental Education; federal public educational institutions; public policies.

References


ANDRADE, D. F. de. O lugar do diálogo nas políticas públicas de educação ambiental. 2013. 228 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em ciência ambiental da USP. São Paulo, 2013.

BAGATTOLLI, C. Ciência política e política de ciência: projetos políticos e modelos cognitivos na política científica e tecnológica. In DAGNINO, R. Estudos Sociais da ciência e tecnologia e política de ciência e tecnologia: abordagens alternativas para uma nova América Latina. Campina Grande: EDUEPB, 2010. p.101-131.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei nº. 9.795 de 27 de abril de 1999. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 28 abr. 1999. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2015.

BRASIL, Programa de educação ambiental – ProNEA: documento básico. Ministério do Meio Ambiente, Diretoria de Educação Ambiental: Ministério da Educação, Coordenação Geral da Educação Ambiental. 2ª ed. Brasília – DF, 2003, 50p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Ministério da Educação. Mapeamento da Educação Ambiental em Instituições Brasileiras de Educação Superior: elementos para políticas públicas. Série Documentos Técnicos, nº. 12. Brasília – DF, 2007. 34p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Ministério da Educação. Brasília – DF, 2005. 40p.

BOFF, L. Ecologia, Mundialização, Espiritualidade. São Paulo: Editora Ática, 1996.

BOFF, L. Saber cuidar: ética do humano – compaixão pela terra. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

CARVALHO, I. Ecologia, Desenvolvimento e Sociedade Civil. Rev. Adm. Púb, Rio de Janeiro, v. 25, n. 4, p. 4-11, out/dez 1991.

CASTRO, M. L.; CANHEDO JR., S. G. Educação Ambiental como Instrumento de Participação. In PELICIONI, M. C. F.; PHILIPPI JR., A. Educação Ambiental e Sustentabilidade. Barueri: Manole, 2014. p. 465-475.

CHIAVENATO, J. J. O massacre da natureza. São Paulo: Moderna, 2005.

COSTA, D. R. T. R. Análise comparativa dos instrumentos de gestão em Unidades de Conservação visando à gestão participativa no Cone Sul. 2012. 388 f. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2012.

FOLADORI, G. Avanços e limites da sustentabilidade social. R.Paran.Desenv., Curitiba, n.102, p.103-113, jan/jun.2002.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa em Educação Ambiental. In PELICIONI, M. C. F.; PHILIPPI JR., A. Educação Ambiental e Sustentabilidade. Barueri: Manole, 2014. p. 627-651.

GRIMM, I. J.; SAMPAIO, C. A. C.; SOUZA, C. M. M.; CORIOLANO, L. N. Métodos e Técnicas de Pesquisa em Educação Ambiental. In PELICIONI, M. C. F.; PHILIPPI JR., A. Educação Ambiental e Sustentabilidade. Barueri: Manole, 2014. p. 671-701.

GUARESCHI, N. M. de F.; LARA, L. de; ADEGAS, Marcos Azambuja. Políticas públicas entre o sujeito de direitos e o homo aeconomicus. Psico, Porto Alegre, v.41, n.3, p. 229-332, jul/set 2010.

HEIDEMANN, F. G; SALM, J. F. Políticas públicas e desenvolvimento: bases epistemológicas e modelos de análise. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2009.

LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambiental Transformadora. In LAYRARGUES, Philippe Pomier (coord). Identidades da educação ambiental brasileira/Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Brasília – DF: Ministério do Meio Ambiente, 2004. p. 65-84.

MACEDO, R. L. G.; FREITAS, M. R. de; VENTURIN, Nelson. Educação ambiental: referenciais teóricos e práticos para a formação de educadores ambientais. Lavras: UFLA, 2011.

MACHADO, J. T. Educação ambiental: um estudo sobre a ambientalização do cotidiano escolar. 2014. 245 f. Tese (Doutorado) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. Piracicaba, 2014.

MAZZARINO, J. M.; MUNHOZ, A. V.; KEIL, J. L. Currículo, Transversalidade e Sentidos em Educação Ambiental. Revbea. Rio Grande, v. 7, n. 2, p. 51-61, 2012.

MILARÉ, E. Direito do Ambiente: a Gestão Ambiental em Foco. 5ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.

MINAYO, M. C. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Rio de Janeiro: Abrasco, 2007.

MINC, C. Ecologia e cidadania. São Paulo: Moderna, 2005.

PELICIONI, M. C. F. Educação em saúde e educação ambiental – estratégia de construção da escola promotora da saúde. 2000. 214 f. Tese (Livre-Docência) - Faculdade de Saúde Pública da USP. São Paulo, 2000.

PELICIONI, A. F. Movimento Ambientalista e Educação Ambiental. In PELICIONI, M. C. F.; PHILIPPI JR., A. Educação Ambiental e Sustentabilidade. Barueri: Manole, 2014. p. 413-444.

PELICIONI, M. C. F.; CASTRO, M. L.; PHILIPPI JR., A. A Universidade Formando Especialistas em Educação Ambiental. In PELICIONI, M. C. F.; PHILIPPI JR., A. Educação Ambiental e Sustentabilidade. Barueri: Manole, 2014. p. 787-797.

ROMEIRO, A. R. Desenvolvimento sustentável: uma perspectiva econômica-ecológica. Estudos Avançados, São Paulo. v. 26, n. 74, p.65-92, 2012.

SACHS, I. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SACHS, I. Ecodesenvolvimento: crescer sem destruir. São Paulo: Vértice, 1986.

SANTOS, A. S. R. Educação Ambiental e o Poder Público. Programa Ambiental a Última Arca de Noé, São Paulo. Disponível em: http://www.aultimaarcadenoe.com.br/educacao-ambiental. Acesso em: 03 de agosto de 2015.

SILVA, A. S. A prática pedagógica da educação ambiental. Um estudo de caso sobre o colégio militar de Brasília. 2008. 112 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília. Brasília, 2008.

SILVA, E. L. da; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. Florianópolis: UFSC, 2005.

SORRENTINO, M.; TRAJBER, R.; MENDONÇA, P.; FERRARO JÚNIOR, L. A. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n.2, p.285-299, maio/ago 2005.

SOUZA, C. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, v. 8, n.16, p.20-45, jul/dez 2006.

TAVARES, G. de S. O que pensam os professores sobre a criação de uma disciplina de Educação Ambiental? Revbea. Rio Grande, v.8, n.1, p. 83-90, 2013.

TEIXEIRA, A. C. Educação ambiental: caminho para a sustentabilidade. Revista brasileira de educação ambiental, Brasília, n.2., p. 23-32, fev. 2007.

VIZEU, F.; MENEGHETTI, F. K.; SEIFERT, R. E. Por uma crítica ao conceito de desenvolvimento sustentável. Cad. EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p.569-583, set.2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179460X27105

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2017 Ciência e Natura



Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.