Karl Kraus leitor de Schopenhauer

Maria Vitale

Resumo


A partir de um artigo de Bernard Adamy, publicado no Schopenhauer-Jahrbuch de 1985 e intitulado Schopenhauer Rezeption bei Karl Kraus, o presente texto pretende pôr em evidência os aspectos que aproximam o pensamento de Kraus ao de Schopenhauer. Com efeito, inspirando-se nas teses schopenhauerianas sobre o estilo, na sua Die Fackel Kraus ataca, com uma sátira pungente, as instituições políticas e culturais da Viena absburga. Com isso, o autor denuncia sobretudo os horrores da Primeira Guerra Mundial e a corrupção das publicações; e apresenta, assim, o seu ponto de vista sobre o estilo e sobre a teoria linguística.

Palavras-chave


Kraus; Teoria linguística; Die Fackel

Texto completo:

PDF (Italiano)

Referências


ADAMY, B. Schopenhauer’s Rezeption bei Karl Kraus. In: «Schopenhauer Jahrbuch», 1985.

FISCHER, E. Karl Kraus, Robert Musil, Franz Kafka. Presentazione di L. Lombardo Radice. Firenze: La Nuova Italia 1974.

KRAUS, K. Gli ultimi giorni dell’umanità, trad. it. E. Bram e M. Carpitella. Milano: Adelphi, 1980.

KRAUS, K. Aforismi, a cura di P. Sorge. Firenze: Sansoni Editore 1992.

SCHOPENHAUER, A. Parerga e paralipomena, a cura di G. Colli. Milano: Adelphi, 1981.

SCHOPENHAUER, A. Sul mestiere dello scrittore e sullo stile, trad. it. E. Amendola Kuhn, con una nota di F. Volpi. Milano: Adelphi, 1993.

TIMMS, E. La Vienna di Karl Kraus. Bologna: Il Mulino, 1986.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179378634009

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2012 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.