Contribuição das cooperativas agropecuárias para a geração de emprego em Minas Gerais

Mariana Rodrigues de Faria, Pablo Murta Baião Albino

Resumo


O presente trabalho avalia a importância das cooperativas agropecuárias para a geração de emprego em Minas Gerais a partir da análise do número de colaboradores das organizações cooperativas relacionado com o número de cooperados e ativos totais. O trabalho conta com uma base de dados disponibilizados pela OCEMG, no período de 2006 a 2015 referentes às cooperativas do ramo agropecuário do estado de Minas Gerais e de todo o país. Foram feitas análises estatísticas como teste de médias e análise de regressão, com a qual foram geradas linhas de tendência e o poder de explicação destas (R2). Em virtude da análise da evolução do número de emprego, há indícios de que as cooperativas agropecuárias tem se tornado empreendimentos intensivos em mão de obra. As cooperativas vêm aumentando seu tamanho, o que pode ser um atrativo para os atuais e novos cooperados, visto que quando o empreendimento amplia seu tamanho, possivelmente suas atividades e ofertas de serviços também aumentam.


Palavras-chave


Cooperativas agropecuárias, emprego, colaboradores

Texto completo:

PDF

Referências


BARBETTA, P. A. Estatística Aplicada às Ciências Sociais. Edição 8, p 179-182, 2012.

BRASIL. Presidência da República. Lei Nº 5.764, De 16 de dezembro de 1971. Define a Política Nacional de Cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 18 de maio de 2017.

BUAINAIN, A. M.; DEDECCA, C. S. Introdução: Emprego e Trabalho na Agricultura Brasileira, v. 9. 2008.

CEPAL. Emprego, desenvolvimento humano e trabalho decente: a experiência brasileira recente. Comissão econômica para a América Latina e o Caribe (cepal), programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (pnud) e organização internacional do trabalho (oit)., p. 176, 2008.

FERREIRA, M. A. M.; BRAGA, M. J. Diversificação e competitividade nas cooperativas agropecuárias. Revista de Administração Contemporânea, v. 8, n. 4, p. 33–55, 2004.

GUIMARÃES; CUNHA; CHAVES. Minas Gerais Do Século XXI. Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais, v. II, 2002.

GUJARATI, Damodar N. Essentials of Econometrics, 2 ed. Nova York; McGraw-Hill, 1999.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acesso em 23 de junho de 2017.

LUIZA, A.; HOLANDA, N. Evolução e composição do emprego no Brasil: Período: 1996-2009. IPEA, 2009.

MATTOSO, J. E. L. e POCHMANN, M. Mudanças estruturais e trabalho no Brasil. Economia e Sociedade. Campinas: UNICAMP, n.10, 1998.

OCEMG. Anuário de informações econômicas e sociais do cooperativismo mineiro. Minas Gerais: Sistema Ocemg, 2007. Disponível em: . Acesso em 29 de julho de 2017.

_______. Sistema Ocemg, 2008. Disponível em: . Acesso em 29 de julho de 2017.

_______. Sistema Ocemg, 2009. Disponível em: . Acesso em 29 de julho de 2017.

_______. Sistema Ocemg, 2010. Disponível em: . Acesso em 30 de julho de 2017.

_______. Sistema Ocemg, 2011. Disponível em: . Acesso em 01 de agosto de 2017.

_______. Sistema Ocemg, 2012. Disponível em: . Acesso em 01 de agosto de 2017.

_______. Sistema Ocemg, 2013. Disponível em: . Acesso em 02 de agosto de 2017.

_______. Sistema Ocemg, 2014. Disponível em: . Acesso em 02 de agosto de maio de 2017.

_______. Sistema Ocemg, 2015. Disponível em: . Acesso em 07 de agosto de 2017.

_______. Sistema Ocemg, 2016. Disponível em: . Acesso em 07 de agosto de maio de 2017.

PEREIRA, Ana Paula Menezes; SEABRA, Fernando. Crises cambiais e bancárias na década de 1990: uma análise de painel aplicada a mercados emergentes. ANPEC: XXXII Encontro Nacional de Economia. 2004.

PETERNELLI, L. A. Regressão linear e correlação. Inf162, p. 1–11, 2004.

PIANA, C. F. DEB.; MACHADO, A. DEA.; SELAU, L. P. R. Unidade IV: Inferência Estatística - Teste de Hipóteses. Estatística Básica, p. 155–171, 2009.

RECH, Daniel. Cooperativas uma alternativa de organização popular. Rio de Janeiro: Fase, 1995.

SEXTON, R. J. Cooperatives and the forces shaping agricultural marketing. American Journal of Agricultural Economics. Menasha, dec. 1986.

SINGER, P. De dependência em dependência: consentida, tolerada e desejada. Estudos Avançados, 1998.

TEMP, Luiz Hilton. Cooperativismo: idéias e tendências. Chapecó: Arcus, 2004.

VALE, A. R., CALDERARO, R.A.P.,FAGUNDES, F.N. A CAFEICULTURA DE MINAS GERAIS: estudo entre as regiões Triângulo Mineiro/ Alto Paranaíba e Sul/Sudeste. CAMPO-TERRITÓRIO: Revista de Geografia Agrária. Edição especial do XXI ENGA-2012, p. 1-23, jun., 2014.

YOUNG, Lúcia Helena Briski. Sociedades cooperativas: resumo prático. 5.ed. Curitiba: Juruá, 2005.




DOI: https://doi.org/10.5902/2359043230565

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. 

     

   

   

 

ISSN Eletrônico: 2359-0432

ISSN Impresso: 2446-7103