A gestão do conhecimento sobre os canais de autoatendimento de uma cooperativa de crédito

Cristiane Weschenfelder Schneider, Leandro Dorneles dos Santos, Flavia Luciane Scherer, Edio Polacinski

Resumo


Cooperativas de crédito têm diante de si, um grande desafio no aperfeiçoamento e investimento em tecnologia, relacionando-se aos canais de autoatendimento e, quanto ao preparo das pessoas para desenvolver este conhecimento. O objetivo desta pesquisa foi analisar a gestão do conhecimento dos colaboradores de uma cooperativa de crédito, sobre canais de autoatendimento oferecidos aos seus associados, verificando necessidade de melhorias ao setor de gestão de pessoas, relacionadas à capacitação dos mesmos. A metodologia de pesquisa utilizada foi exploratória e descritiva, com análise quantitativa dos dados e, com técnicas de pesquisa bibliográfica e estudo de caso, coletando os dados através de um questionário aplicado a funcionários de Caixa e Assistentes de Atendimento. Os resultados alcançados apresentam a importância do conhecimento, a busca pela atualização e também da disseminação aos associados quanto ao uso dos canais alternativos e, também, as dificuldades existentes e necessidades de melhorias tecnológicas quanto às ferramentas e treinamento.

Palavras-chave


Conhecimento; Cooperativa de Crédito; Canais de autoatendimento; Colaboradores

Texto completo:

PDF

Referências


ALBAGLI, S. Globalização e espacialidade: o novo papel do local. In: CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. (Org.). Globalização & inovação localizada: experiências de sistemas locais no Mercosul. Brasília: IBTC/MCT, 1999.

ÁVILA, V. F. Cultura, desenvolvimento local, solidariedade e educação. I Colóquio Internacional de Desenvolvimento Local: O desenvolvimento na perspectiva do desenvolvimento humano. UCDB, 2003. Disponível em: http://www.ucdb.br/coloquio. Acesso em: 11 set. 2017.

ÁVILA, V. F. Pressupostos para a formação educacional em desenvolvimento local. Revista Internacional de Desenvolvimento Local - Interações. Campo Grande. v. 1, n. 1, set., 2000.

ÁVILA, V. F. No município sempre a educação básica do Brasil. 2. ed. rev. e ampl. Campo Grande, UCDB, 1999 (1.ed.: 1985).

AZEVEDO, C. La configuración de los circuitos “de proximidad” em el sistema alimentario: tendencias evolutivas. Documentos de Análisis Geográfica, Barcelona, n. 54, p. 11 - 32, 2009.

BAVA, S. C. Circuitos Curtos de Produção e Consumo. In: BARTELT. D. D. (org). Um Campeão Visto de Perto: Uma Análise do Modelo de Desenvolvimento Brasileiro, Rio de Janeiro/RJ: Heinrich-Böll-Stiftung, Editora e Gráfica, 2012.

BORN, B.; PURCELL, M., M. Food Systems and the Local Trap. In: INGLIS, D. e GIMLIN, D. (Ed.). The globalization of food. Oxford: Berg, 2009.

BRANDENBURG, A. Do rural tradicional ao rural socioambiental. Ambiente e Sociedade, v. 13, p. 417-428, 2010. Disponível em: http://www. scielo.br/pdf/asoc/v13n2/v13n2a13.pdf. Acesso em: 19 set. 2017.

CHAFFOTTE, L.; CHIFFOLEAU, Y. Circuits courts et ventedirecte: définition, typologie et évaluation. Cahiers de l’Observatoire CROC, Montpellier, n. 1 et 2, p. 1-8, fév.-mar., 2007.

CHRISTOPHER, M. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos. Criando redes que agregam valor. 2. ed. São Paulo: Ed. Thomson Learning, 2007.

COSTA, F. N. Comportamentos dos investidores: do homo economicus ao homo pragmaticus. Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 165, ago 2009. Disponível em: https://fernandonogueiracosta.files.wordpress.com/2014/01/comportamentos-dos-investidores-tdie-1 65.pdf. Acesso em: 12 set. 2017.

COSTABEBER, J. A.; CAPORAL, F. R. Possibilidades e alternativas do desenvolvimento rural sustentável. I Congresso Internacional sobre Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural Sustentável. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. dez./2002.

CRISTÓVÃO, A.; TIBÉRIO, L. (2009). “Comprar Fresco, Comprar Local”: Será que temos algo a aprender com a experiência americana? In Moreno, L., M. M. Sanchez e O. Simões (Coord.). Cultura, Inovação e Território, O Agroalimentar e o Rural, pp. 27-34. Lisboa: SPER.

DAROLT, M. R. Circuitos curtos de comercialização de alimentos ecológicos: reconectando produtores e consumidores. In: NIEDERLE, P. A.; ALMEIDA, L. DE; VEZZANI, F. M. (Orgs.). Agroecologia: praticas, mercados e políticas para uma nova agricultura. Curitiba: Kairós, 2013.

DAROLT, M. R. Conexão Ecológica: novas relações entre produtores e consumidores. Londrina: IAPAR, 2012.

DGADR (Direção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural). Circuitos Curtos Alimentares, Portugal. 2012. Disponível em: http://www.dgadr.gov.pt/. Acesso em: 19 set. 2017.

FISCHER, T. (org.). Gestão do desenvolvimento e poderes locais – marcos teóricos e avaliação. Salvador: Casa da Qualidade, 2002.

FRANÇOIS, M. Comercializar os produtos locais: circuitos curtos e circuitos longos. Inovação no meio rural. Caderno n. 7. Observatório Europeu LEADER. Julho de 2000.

GONZÁLEZ, R. R. Similitudes y diferencias de los programas de desarrollo local en Europa y América Latina. ¿Es posible establecer comparaciones? Interações: Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, MS, v.1, n.1, p.7-12, set., 2000.

GUZMÁN, E.S.; MONTIEL, M.S.; HERNÁNDEZ, D.G.; SÁNCHEZ, I.G.; COLLADO, A.C. Canales Cortos de Comercialización Alimentaria en Andalucia. Instituto de Sociología y Estudos Campesinos. Universidad de Córdoba. Fundación Pública Andaluza Centro de Estudios Andaluces: Sevilla, IFO 14, 2012.

HOBSBAWM, E. J. A Era dos Extremos: o breve século XX 1914-1991. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

LESBAUPIN, I. Por novas concepções de desenvolvimento. In: ABONG. Por um outro desenvolvimento. SP: Maxprint Editora e Gráfica, 2012.

LÖWY, M. “Ecossocialismo: alternativas de desenvolvimento para superar o modelo produtivista-consumista”. In: ABONG. (org.). Por um outro desenvolvimento. SP: Maxprint Editora e Gráfica, 2012.

MAUSS, M. Ensaio sobre a dádiva. traduzido por António Filipe Marques. 1. ed. Lisboa, 70, 2013.

MODEL, P. A.; DENARDIN, Valdir F. Agricultura familiar e a formação de circuitos curtos de comercialização através das feiras livres: o caso da Matinfeira - PR. In: Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente (ENGEMA), 2014, São Paulo. Anais XVI Engema, 2014. Disponível em: http://www.engema.org.br/XVIENGEMA/456.pdf. Acesso em: 19 set. 2017.

MURDOCH, J. MARSDEN, T., and BANKS, J. 2000. Quality, nature, and Embeddedness: some theoretical considerations in the context of the food sector, Economic Geography, 76/2: 107-25

NORBERG-HODGE, H. MERRIFIELD, T., and GORELICK, S. 2002 Bringing the food economy home: local alternatives to global Agribusiness, London: ZED Books

PEREZ-CASSARINO, J.; FERREIRA, A. D. D. Agroecologia, construção social de mercados e a constituição de sistemas agroalimentares alternativos: uma leitura a partir da Rede Ecovida de Agroecologia. In: NIEDERLE, P. A.; ALMEIDA, L. DE; VEZZANI, F. M. (Org.). Agroecologia: praticas mercados e políticas para uma nova agricultura. Curitiba: Kairós, 2013. p. 171-213.

PLOEG, J. D. V. D. Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

SABOURIN, E. Teoria da Reciprocidade e sócio-antropologia do desenvolvimento. Revista Sociologias, Porto Alegre, v. 13, n. 27, p. 24 - 51, 2011. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br /index.php/sociologias/article/view/22435/13008. Acesso em: 9 set. 2017.

SERVA, M. R. O. O fenômeno das organizações substantivas. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.33, n.2, mar./abr., 1993.

SEVERINO, A. J. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, P. R. Consciência e Abundância. 2 ed. Niterói, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2359043229183

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. 

     

   

   

 

ISSN Eletrônico: 2359-0432

ISSN Impresso: 2446-7103