Perfil microbiológico das meningites em um hospital público universitário

Rosmari Horner, Márcia Pavanello Cattelan, Cláudia de Mello Bertoncheli, Roselene Alves Righi, Loiva Therezinha Ottonelli de Oliveira, Bettina Holzschuh Meneghetti, Nara Lucia Frasson Dal Forno, Adenilde Salla

Resumo


As meningites infecciosas constituem um importante problema de saúde pública sendo responsáveis por elevadas taxas de morbidade e mortalidade em crianças e adolescentes. O objetivo deste trabalho foi determinar a prevalência dos principais patógenos responsáveis por meningites isolados em pacientes internados no Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM - Santa Maria - RS).  Foram analisadas 437 amostras de líquido cefalorraquidiano (LCR) de pacientes internados com suspeita de meningite, no período de 01/10/2003 a 31/01/2005. Este estudo retrospectivo foi efetuado utilizando os resultados constantes nas fichas de trabalho das amostras de LCR analisadas empregando-se técnica de rotina no Laboratório de Bacteriologia do Hospital Universitário de Santa Maria. Em 64 (14,64%) das amostras foi identificado o agente etiológico. Os organismos mais comumente identificados foram Staphylococcus epidermidis (n= 13; 19,7%), Cryptococcus neoformans (n= 10; 15,50%) e Staphylococcus aureus (n= 6; 9,09%). Todos os casos que apresentaram etiologia por Cryptococcus neoformans estavam associados à infecção por HIV. É aconselhável que seja efetuado o monitoramento contínuo do perfil etiológico das meningites: cada instituição deve se basear em seus dados para direcionar a terapia antimicrobiana empírica e a identificação da infecção versus contaminação.

 


Palavras-chave


Meningite; Perfil etiológico; Terapia antimicrobiana.

Texto completo:

PDF

Referências


Escosteguy CC; Medronho RA; Madruga R et al. Vigilância epidemiológica e avaliação da assistência às meningites. Rev. de Saúde Pública, 2004; 38,657.

Kmetzsch CI; Schermann MT; Santana JCB et al. Meningites por Haemophilus influenze b após a implantação da vacina específica. J. Pediatr. 2003; 79, 530.

Mantese OC; Hirano J; Santos IC et al. Perfil etiológico das meningites bacterianas em crianças. J. Pediatr. 2002; 78, 467.

Romanelli RMC, Araújo, CA, Dias, MW et al. Etiologia e evolução das meningites bacterianas em centro de pediatria. J.Pediatr. 2002; 78, 24.

Succi RCM. Perfil etiológico das meningites bacterianas na infância - uma realidade transitória. J.Pediatr. 2003; 78, 445.

Boustkela MAL; Grisi, S.; Escobar, A.M.U. Aspectos epidemiológicos da infecção por Haemophilus influenzae tipo b. Ver. Pan. Sal. Pub. 2000; 7, 332.

Kay R; Wu A. Infections of the nervous system: na update on recent developments. Hong Kong Medical Journal, 2001; 7, 67.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA . Principais Síndromes Infecciosas - Módulo I - In: Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em serviços de Saúde. Brasília (DF); 2004, p. 32-37. Disponível em http://www.ccih,med.br/mod_1_2004.pdf , acessada em 20 abril 2005.

Oplustil CP; Zoccoli CM; Tobouti NR; Sinto SI. Cultura do líquido cefalorraquidiano In: Procedimentos básicos em Microbiologia Clínica, Editora Sarvier. São Paulo, 2004, . p. 122-25.

Simões LLP; Andrade ALSS; Laval CA et al. Impacto da vacinação contra Haemophilus influenzae b na redução de meningites, Goiás. Rev. Saúde Pública. 2004, 38, 664.

National Committee for Clinical Laboratory Standards. Performance standards for antimicrobial susceptibility testing. fourteenth Informational Supplement - NCCLS document M100-S14. National Committee for Clinical Laboratory Standards Institut, 940 West Valley Road, Suite 1400, Wayne, Pensylvania19087-1898 USA, 2004.

Investigação de meningite - SINAN - Dados do Sistema de

Informação de Agravos de Notificação referentes aos anos de 2002

a 2004, gentilmente cedidos pela 4a Coordenadoria Regional de

Saúde de Santa Maria RS.

Ribeiro GS; Reis JN; Cordeiro SM; Lima JB; Gouveia EL; Petersen

M et al. Prevention of Haemophilus influenzae type b (Hib) meningitis

and emergence of sorotype replacement with type a strains after

introduction of immunization in Brazil. J. Infect. Dis. 2003,187,109.

Lopes M; Santos SIS. Contribuição de amostras de sangue no

diagnóstico laboratorial da doença meningocócica. Ver. do Inst. Adolfo

Lutz. 2002; 61,45.

Silbert S; Rosa DD; Matte U et al. Staphylococcus sp. Coagulase-negativa em hemoculturas de pacientes com menos de sessenta dias de idade: infecção versus contaminação. J. Pediatr. 1997, 73, 161.

Eggimann P; Pittet D. Catheter-related infections in Intensive Care Units: na Overwiew with Special Emphasis on Prevention. Adv. Sepsis, 2000, 1, 2.

El-Azizi M; Rao S; Termkiat K et al. In vitro activity of

vancomycin, quinupristin/dalfopristin, and linezolid againts intact

and disrupted biofilms os staphylococci. Ann. Clin. Microbiol.

Antimicrobiol. 2005, 4, 2.




DOI: https://doi.org/10.5902/223658346492

Direitos autorais

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.