Análise da toxicidade de uma Fluoropirimidina em Protocolo Quimioterápico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2236583436138

Palavras-chave:

Câncer colorretal, FOLFOX, FOLFIRI, Toxicidade de drogas

Resumo

Objetivo: avaliar as toxicidades mais frequentes baseadas nos efeitos do 5-fluorouracil em pacientes com neoplasia colorretal submetidos à quimioterapia com 5-fluorouracil em associação com ácido folínico, oxaliplatina (FOLFOX) e irinotecano (FOLFIRI). Métodos: Estudo transversal conduzido em uma instituição pública brasileira em pacientes com diagnóstico prévio de câncer colorretal que receberam ciclos de quimioterapia infusional durante 48 horas a cada duas semanas, num total de 12 ciclos ou 24 semanas de tratamento. As variáveis estudadas foram obtidas pela revisão dos prontuários, através de um levantamento no serviço de arquivo médico e estatístico (SAME). Resultados: A idade variou de 35 a 84 anos com média total de 60,75 anos, sendo 56,25% do gênero feminino e 43,75% do masculino. As toxicidades mais comumente observadas foram náuseas, dor no estômago e fraqueza muscular. Nenhum paciente se encontrava nos estádios 0 e I, 25% (n= 4) em II, 31,25% (n= 5) em III e 43,75% (n= 7) em IV. Conclusões: Nota-se que as fluorpirimidinas continuam a ser o pilar no tratamento do câncer. Sendo assim, nessa perspectiva a identificação da atividade enzimática da Dihidropirimidina Desidrogenase (DPD) está fortemente relacionada a farmacologia do 5-FU, com isso, a determinação desta enzima antes no início da terapia tem-se demonstrado fundamental para identificar pacientes com alto risco de doença grave e toxicidade potencialmente fatal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Catrine de Souza Machado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS

Farmacêutica, Especialista em Farmácia Clínica e Prescrição Farmacêutica/ICTQ, aluna de Mestrado do Programa de Pós Graduação em Ciências Farmacêuticas com ênfase em Bacteriologia Clínica/UFSM

Luiz Fernando de Souza Machado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS

Formação Profissional: Formada(o) em Tecnologia em Alimentos pela(o) UFSM (SIGLA) que fica na cidade de Santa Maria, RS, Brasil..
Filiação Institucional: Estudante de Farmácia pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, URI Santiago, Santiago, RS, Brasil,

Christine Hörner, Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC), Criciúma, SC

Aluna de Medicina pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC), Criciúma, Santa Catarina, Brasil

Magali Dalla Nora, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS

Farmacêutica no Hospital Universitário de Santa Maria da Universidade Federal de Santa Maria e Técnica de Laboratório em Análises Clínicas no Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Santa Maria

Tacieli Fagundes da Rosa, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS

Farmaceutica, Aluna de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas (PPGCF) da UFSM, com ênfase em Bacteriologia Clínica

Rosmari Horner, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS

Formada(o) em Farmácia - Análises Clínicas pela Universidade Federal de Santa Maria (1981), mestrado em Química pela Universidade Federal de Santa Maria (1999) e doutorado em Química pela Universidade Federal de Santa Catarina (2003), RS, Brasil.
Filiação Institucional: professora associada da Universidade Federal de Santa Maria

Referências

Torre LA, Bray F, Siegel RL, Ferlay J, Lortet Tieulent J, Jemal A. Global cancer statistics, 2012. CA Cancer J Clin. 2015 Mar; 65 (2): 87-108.

Torre LA, Siegel RL, Ward EM, Jemal A. Global câncer incidence and mortality rates and trends - an update. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2016; 25: 16-27.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Projeto diretrizes 2001. Diagnóstico, Estadiamento e Tratamento Cirúrgico e Multidisciplinar do Câncer Colorretal. Disponível em http://portal.anvisa.gov.br/wps/portal/anvisa/home Agência de Vigilância Sanitária.

Oliveira JDV, Medeiros CAD, Meira DD. Avaliação da sobrevida e qualidade de vida de pacientes com câncer colorretal. R. Bras. Farm. Hosp. Serv. Saúde São Paulo v.1 n.1 p.6-11 set./dez. 2010.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Portaria nº 958, de 26 de setembro de 2004. Aprova as Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas do Câncer de Cólon e Reto. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde.

Hahn RZ, Galarza AF, Schneider A, Antunes MV, Schwartsmann G, Linden R. Improved determination of uracil and dihydrouracil in plasma after a loading oral dose of uracil using high-performance liquid chromatography with photodiode array detection and porous graphitic carbon stationary phase. Clin Biochem. 2015 Sep; 48 (13-14): 915-8

André T, Louvet C, Maindrault-Goebel F, Couteau C, Mabro M, Lotz JP, et al. CPT-11 (Irinotecan) Addition to Bimonthly, High-dose Leucovorin and Bolus and Continuous-infusion 5-Fluorouracil (FOLFIRI) for Pretreated Metastatic Colorectal Cancer. Eur J Cancer. 1999 Sep;35 (9):1343-7.

De Gramont A, Tournigand C, Louvet C, Andre T, Molitor JL, Raymond E, et al. Oxaliplatine, acide folinique et 5- fluorouracile folfox) en seconde ligne thérapeutique du cancer colorectal métastasé. Rev Med Interne. Elsevier, Paris. 1997; 18:769-75.

De Gramont A, Figer A, Seymour M, Homerin M, Hmissi A, Cassidy J, et al. Leucovorin and fluorouracil with or without oxaliplatin as first-line treatment in advanced colorectal cancer. J Clin Oncol. 2000;18: 2938-47.

Inca, Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2016- Incidência de Câncer no Brasil. Disponível em: http://www.inca.gov.br/wcm/dncc/2015/estimativa-2016.asp

Hubbard JM. Management of Colorectal Cancer in Older Adults. Clin Geriatr Med. 2016; 32: 97-111

Campos FGCM, Figueiredo MN, Monteiro M, Nahas SC e Cecconello I. Incidência de câncer colorretal em pacientes jovens. Rev. Col. Bras. Cir.2017; 44 (2): 208-215.

Ana Luiza Reis Vasques e Marco Aurélio Peres. Tendência temporal da mortalidade por câncer de cólon e reto em Santa Catarina no período entre 1980 a 2006* Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 19 (2): 91-100, abr-jun 2010.

Valadão M; Leal RA; Barbosa LC; Carneiro M; Muharre RJ. Perfil dos Pacientes Portadores de Câncer Colorretal Operados em um Hospital Geral: Necessitamos de um Programa de Rastreamento Acessível e Efetivo. Rev bras Coloproct, 2010; 30(2): 160-166.

Mendes CRS; Sapucaia RA; Ferreira LSDM. Tratamento cirúrgico do câncer colorretal: série histórica de três anos de um serviço em Salvador, Bahia. Rev bras Coloproct, 2011; 30(4): 440-443.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Rastreamento / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

Almeida EPM, Gutiérrez MGR, Adami NP. Monitoramento e avaliação dos efeitos colaterais da quimioterapia em pacientes com câncer de cólon. Rev Latino-am Enfermagem 2004 setembro-outubro; 12 (5): 760-6.

Roque VMN, Forones NM. Avaliação da qualidade de vida e toxicidades em pacientes com câncer colorretal tratados com quimioterapia adjuvante baseada em fluoropirimidinas. Arq Gastroenterol; 43 (2): abr./jun. 2006.

Zaanan A, Gauthier M, Malka D, Locher C, Gornet JM, Thirot Bidault A, et al. Secondline chemotherapy with fluorouracil, leucovorin, and irinotecan (FOLFIRI regimen) in patients with advanced small bowel adenocarcinoma after failure of firstline platinumbased chemotherapy. Cancer. 2011; 117: 1422-8.

Dranitsaris G, Shah A, Spirovski B, Vincent M. Severe diarrhea in patients with advanced-stage colorectal câncer receiving FOLFOX or FOLFIRI chemotherapy: the development of a risk prediction tool. Clin Colorectal Cancer. 2007; 6: 367-73.

Almeida EPM. Ocorrência e intensidade de náuseas, vômito e diarreia, em pacientes com neoplasia de cólon em quimioterapia ambulatorial – indicadores para avaliar resultados das orientações de enfermagem [tese]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 2000.

T. Aparicio, J Desramé, T Lecomte, E Mitry, J Belloc, I Etienney, et al. Oxaliplatin- or irinotecan-based chemotherapy for metastatic colorectal cancer in the elderly. British Journal of Cancer (2003); 89 (8), 1439-1444.

Tournigand C, André T, Achille E, Lledo G, Flesh M, Mery-Mignard D, et al. FOLFIRI Followed by FOLFOX6 or the Reverse Sequence in Advanced Colorectal Cancer: A Randomized GERCOR Study. J Clin Oncol. 2004 Jan 15; 22 (2): 229-37.

François E, Berdah JF, Chamorey E, Lesbats G, Teissier E, Codoul JF, et al. Use of the folinic acid/5-fluorouracil/irinotecan (FOLFIRI 1) regimen in elderly patients as a first-line treatment for metastatic colorectal cancer: a Phase II study. Cancer Chemother Pharmacol. 2008 Nov; 62 (6): 931-6.

Stein BN, Petrelli NJ, Douglass HO, Driscoll DL, Arcangeli G, Meropol NJ, et al. Age and Sex Are Independent Predictors of 5-Fluorouracil Toxicity. Cancer. 1995 Jan 1; 75 (1):11-7.

Boisdron-Celle M, Remaud G, Traore S, Poirier AL, Gamelin L, Morel A, et al. 5-Fluorouracil-related severe toxicity: A comparison of different methods for the pretherapeutic detection of dihydropyrimidine dehydrogenase deficiency. Cancer Lett. 2007 May 8; 249 (2): 271-82.

Meulendijks, D, Cats A , Beijnen JH, Schellens JHM. Improving safety of fluoropyrimidine chemotherapy by individualizing treatment based on dihydropyrimidine dehydrogenase activity – Ready for clinical practice? Cancer Treatment Reviews 50 (2016) 23–34.

Downloads

Publicado

2019-02-10

Como Citar

Machado, C. de S., Machado, L. F. de S., Hörner, C., Nora, M. D., Rosa, T. F. da, & Horner, R. (2019). Análise da toxicidade de uma Fluoropirimidina em Protocolo Quimioterápico. Saúde (Santa Maria), 3(44). https://doi.org/10.5902/2236583436138

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>