A PROVA NO PROCESSO PENAL: A IMPORTÂNCIA DA VALORAÇÃO DO LASTRO PROBATÓRIO E DE SEU CONTROLE POR MEIO RECURSAL

Vinicius Gomes de Vasconcellos

Resumo


Este artigo discute premissas importantes relacionadas à prova penal, almejando definir a sua função e os modelos para sua valoração na dogmática processual contemporânea. Os problemas que guiam o desenvolvimento desta pesquisa são: 1) qual a função da prova no processo penal?; 2) a decisão judicial sobre valoração das provas é livre?; e, 3) o juízo sobre os fatos na decisão judicial deve ser submetido a controle? Sustenta-se a tese de que, embora a persuasão do juiz seja elemento a ser considerado como dado de realidade, a valoração probatória deve ser orientada por critérios racionais e objetivos, cujo controle somente será possível em razão de uma ligação cognitiva com os fatos, que aportará critérios e limitará o processo de tomada de decisão pelo julgador. Assim, ressalta-se a indispensabilidade da motivação e do controle sobre o juízo fático da decisão penal, especialmente por meio do direito ao recurso sobre a condenação. Desse modo, este trabalho contribui para a consolidação de uma dogmática processual penal que propicie uma efetiva limitação aos espaços de discricionariedade decisória e, assim, ao poder punitivo estatal.


Palavras-chave


Decisão Penal; Fatos; Prova; Controle; Processo Penal.

Texto completo:

PDF

Referências


ALCÁCER GUIRAO, Rafael. El Derecho a una Segunda Instancia con Todas las Garantías. Valencia: Tirant lo Blanch, 2013..

ALMEIDA JÚNIOR, João Mendes de. O processo criminal brazileiro. Vol. 1. 4. ed. Rio de Janeiro: Batista de Souza, 1920.

ALMEIDA, Vitor L. A apreciação judicial da prova nos sistemas de valoração. Jurisprudência Mineira, Belo Horizonte, v. 65, n. 208, p. 27-33, jan./mar. 2014.

AMARAL, Augusto J. Política da prova e cultura punitiva: a governabilidade inquisitiva do processo penal brasileiro contemporâneo. São Paulo: Almedina, 2014.

AMORIM, Guilherme Freitas. Os controles de racionalidade na valoração da prova no processo penal. Revista de Estudos Criminais, Porto Alegre, v. 10, n. 36, p. 159-182, jan./mar. 2010.

ANDRADE, Flávio da Silva. A construção participada da decisão penal no Estado Democrático de Direito: a garantia de participação das partes, pelo contraditório, na composição da decisão justa e legítima. Revista Brasileira de Direito Processual Penal, Porto Alegre, vol. 3, n. 3, p. 1007-1041, set./dez. 2017. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

ANDRÉS IBÁÑEZ, Perfecto. Acerca de la motivación de los hechos en la sentencia penal. Doxa: Cuadernos de Filosofia del Derecho, n. 12, p. 257-299, 1992. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

ANDRÉS IBÁÑEZ, Perfecto. Prueba y convicción judicial en el proceso penal. Buenos Aires: Hammurabi, 2009. (tradução livre)

ANDRÉS IBÁÑEZ, Perfecto. Sobre el valor de la inmediación (una aproximación crítica). Jueces para la democracia, n. 46, p. 57-66, mar. 2000.

ARAGONESES ALONSO, Pedro. Instituciones de Derecho Procesal Penal. 3. ed. Madrid: Rubi, 1981.

BADARÓ, Gustavo H. A busca da verdade no processo penal e os seus limites: ainda e sempre o problema do prazo de duração da interceptação telefônica. In: SANTORO, Antonio E.; MADURO, Flávio M. (orgs.). Interceptação telefônica. Belo Horizonte: D’Plácido, 2016.

BADARÓ, Gustavo H. Editorial dossiê “Prova penal: fundamentos epistemológicos e jurídicos”. Revista Brasileira de Direito Processual Penal, Porto Alegre, vol. 4, n. 1, p. 43-80, jan./abr. 2018. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

BADARÓ, Gustavo Henrique. Manual dos Recursos Penais. São Paulo: RT, 2016.

BADARÓ, Gustavo Henrique. Ônus da prova no processo penal. São Paulo: RT, 2003.

BADARÓ, Gustavo Henrique. Processo Penal. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

BARROS, Marco Antonio de. A busca da verdade no processo penal. 4. ed. São Paulo: RT, 2013.

BETTIOL, Giuseppe. Instituciones de Derecho Penal y Procesal. Barcelona: Bosch, 1973. p. 250; CRUZ, Rogerio Schietti M. Garantias Processuais nos Recursos Criminais. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2013. p. 1, nota 1.

CAPRIOLI, Francesco. Verità e giustificazione nel processo penale. Revista Brasileira de Direito Processual Penal, Porto Alegre, vol. 3, n. 1, p. 317-342, jan./abr. 2017. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

CASARA, Rubens R. R. Mitologia Processual Penal. São Paulo: Saraiva, 2015.

CATALANO, Elena M. Ragionevole dubbio e logica della decisione. Milano: Giuffrè. 2016.

CORDERO, Franco. Procedimiento Penal. Vol. II. Santa Fe de Bogotá: Temis, 2000.

CRUZ, Rogerio Schietti M. Garantias Processuais nos Recursos Criminais. 2a ed. São Paulo: Atlas, 2013.

DIAS, Jorge de Figueiredo. Direito Processual Penal. Coimbra: Coimbra Editora, 2004.

DUCLERC, Elmir. Prova Penal e Garantismo: uma investigação crítica sobre a verdade fática construída através do processo. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2004.

FERNÁNDEZ LÓPEZ, Mercedes. Prueba y presunción de inocencia. Madrid: Iustel, 2005.

FERRAJOLI, Luigi. Direito e Razão. Teoria do Garantismo Penal. 4. ed. São Paulo: RT, 2014.

FERRAJOLI, Luigi. Los valores de la doble instancia y de la nomofilaquia. Crimen y Castigo: Cuaderno del Departamento de Derecho Penal y Criminología de la Facultad de Derecho, Buenos Aires, v. 1, n. 1, p. 33-50, ago. 2001. (tradução livre)

FERRER BELTRÁN, Jordi. La valoración racional de la prueba. Madrid: Marcial Pons, 2007.

FERRER BELTRÁN, Jordi. Prueva y verdade en el derecho. 2. ed. Madrid: Marcial Pons, 2005. (tradução livre).

FERRER BELTRÁN, Jordi. Uma concepção minimalista e garantista de presunção de inocência. Revista Brasileira de Direito Processual Penal, Porto Alegre, vol. 4, n. 1, p. 149-182, jan./abr. 2018. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

FERRETI, Carlos del Río. Estudio sobre el derecho al recurso en el proceso penal. Estudios Constitucionales, ano 10, n. 01, p. 245-288, 2012. (tradução livre). Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

FERRUA, Paolo. La prova nel processo penale. Revista Brasileira de Direito Processual Penal, Porto Alegre, vol. 4, n. 1, p. 81-128, jan./mai. 2018. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

FUENTES MAUREIRA, Claudio. Derecho a recurso y el estándar fijado en el fallo Herrera Ulloa: una lectura hacia su compatibilidad con los sistemas procesales penales acusatorios. Revista CEJIL, ano IV, n. 05, p. 74-82, dez. 2009. (tradução livre).

GASCÓN ABELLÁN, Maria. Los hechos en el derecho. Bases argumentales de la prueba. 3. ed. Madrid: Marcial Pons, 2010.

GAUER, Ruth C. Conhecimento e aceleração (mito, verdade e tempo). In: GAUER, Ruth C. (org.). A qualidade do tempo: para além das experiências históricas. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2004.

GOMES FILHO, Antonio Magalhães. A motivação das decisões penais. 2a ed. São Paulo: RT, 2013.

GOMES FILHO, Antonio Magalhães. Direito à prova no processo penal. São Paulo: RT, 1997.

GRINOVER, Ada Pellegrini. Provas ilícitas, interceptações e escutas. Brasília: Gazeta Jurídica, 2013.

GRINOVER, Ada Pellegrini. Verdade real e verdade formal? Um falso problema. In: PEREIRA, Flávio Cardoso. Verdade e prova no processo penal. Brasília: Gazeta Jurídica, 2016.

HARTMANN, Érica O. Os sistemas de avaliação da prova e o processo penal brasileiro. Revista da Faculdade de Direito UFPR, Curitiba, v. 39, p. 109-123, 2003. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

HERBEL, Gustavo A. La motivación de la condena y su revisión amplia como garantías del imputado (¿puede el juicio por jurados restringirlas?). Revista de Derecho Penal y Procesal Penal, Buenos Aires, n. 4, p. 679-687, 2013. (tradução livre)

IACOVIELLO, Francesco M. La motivazione della sentenza penale e il suo controllo in cassazione. Milano: Giuffrè, 1997.

KHALED JR., Salah H. A busca da verdade no processo penal. Para além da ambição inquisitorial. São Paulo: Atlas, 2013.

KNIJNIK, Danilo. A prova nos juízos cível, penal e tributário. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

LLORENTE SÁNCHEZ-ARJONA, Mercedes. La segunda instancia en el proceso penal. Doctrina y jurisprudencia. Granada: Comares, 2000.

LOPES JR., Aury. Direito Processual Penal. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

LÓPEZ ORTEGA, Juan J. El control de los hechos en el juicio de apelación. Jueces para la democracia, Madri, v. 66, p. 101-117, nov. 2009. (tradução livre).

MALAN, Diogo. Notas sobre a investigação e prova da criminalidade econômico-financeira organizada. Revista Brasileira de Direito Processual Penal, Porto Alegre, vol. 2, p. 213-238, 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

MARTINS, Rui Cunha. O Ponto Cego do Direito. The brazilian lessons. 2a ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

MAYA, André M.; URANI, Marcelo F. O princípio da identidade física do juiz e a função persuasiva da prova no processo penal. In: FAYET JR., Ney; MAYA, André M. (orgs.). Ciências penais e sociedade complexa II. Porto Alegre: Nuria Fabris, 2009.

MENDES, Regina Lúcia Teixeira. Do Princípio do Livre Convencimento Motivado. Legislação, doutrina e interpretação de juízes brasileiros. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

NIEVA FENOLL, Jordi. La duda en el proceso penal. Madrid: Marcial Pons, 2013.

NIEVA FENOLL, Jordi. La valoración de la prueba. Madrid: Marcial Pons, 2012.

PACELLI, Eugênio. Verdade judicial e sistema de prova no processo penal brasileiro. In: PEREIRA, Flávio Cardoso. Verdade e prova no processo penal. Brasília: Gazeta Jurídica, 2016.

PASTOR, Daniel R. La nueva imagen de la casación penal. Evolución histórica y futuro de la dogmática de la impugnación en el derecho procesal penal. Buenos Aires: Ad-Hoc, 2001. (tradução livre).

PINTO, Felipe Martins. Introdução crítica ao processo penal. Belo Horizonte: Del Rey, 2012.

PRADO, Geraldo. Prova penal e sistema de controle epistêmicos. São Paulo: Marcial Pons, 2014.

RICHARD GONZÁLEZ, Manuel. La impugnación y revisión de la prueba mediante los recursos ordinarios y extraordinarios en el proceso penal. In: LLUCH, Xavier Abel; GONZÁLEZ, Manuel Richard (Dir.). Estudios sobre prueba penal: actos de investigación y medios de prueba en el proceso penal: diligencias de instrucción, entrada y registro, intervención de comunicaciones, valoración y revisión de la prueba en vía de recurso. Madrid: La Ley, 2013.

ROSA, Alexandre Morais da. Guia Compacto do Processo Penal conforme a Teoria dos Jogos. 3. ed. Florianópolis: Empório do Direito, 2016.

SALAVERRIA, Juan. Valoración de la prueba, motivación y control en el proceso penal. Valencia: Tirant lo Blanch, 1995.

SÁNCHEZ-RUBIO, Ana. Los peligros de la probabilidad y la estadística como herramientas para la valoración jurídico-probatoria. Revista Brasileira de Direito Processual Penal, Porto Alegre, vol. 4, n. 1, p. 183-214, jan./abr. 2018. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

SANTOS, André Leonardo Copetti. A Incompatibilidade das Decisões do Conselho de Sentença do Tribunal do Júri com o Estado Democrático de Direito: uma interpretação da legitimidade das decisões judiciais a partir de uma interseção entre filosofia e direito. Sistema Penal & Violência, Porto Alegre, vol. 3, n. 1, p. 30-46, jan./jun. 2011.

STRECK, Lenio L. O que é isto – decido conforme a minha consciência? 4a ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2013.

STRECK, Lenio Luiz. A filosofia traída pela dogmática jurídica: uma crítica à noção de verdade e ao livre convencimento no processo penal. In: MALAN, Diogo; MIRZA, Flávio (coord.). 70 anos do Código de Processo Penal brasileiro. Balanço e perspectivas de reforma. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

SUAU MOREY, Jaime. Inmediación y Apelación en el Proceso Penal. Jurisprudencia TC y reformas procesales. Barcelona: JM Bosch, 2010.

TARUFFO, Michele. Consideraciones sobre prueba y motivación. Jueces para la democracia. Madri, v. 59, p. 71-79, jul. 2007.

TARUFFO, Michele. Ermeneutica, prova e decisione. Revista Brasileira de Direito Processual Penal, Porto Alegre, vol. 4, n. 1, p. 129-148, jan./abr. 2018. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

TARUFFO, Michele. La prueba de los hechos. 4. ed. Madrid: Trotta, 2011.

TARUFFO, Michele. La verità nel processo. In: PEREIRA, Flávio Cardoso. Verdade e prova no processo penal. Brasília: Gazeta Jurídica, 2016.

TUCCI, Rogério Lauria. Direitos e garantias individuais no processo penal brasileiro. 4. ed. São Paulo: RT, 2011.

VASCONCELLOS, Vinicius G. Direito ao Recurso no Processo Penal: conteúdo e dinâmica procedimental de um modelo de limitação do poder punitivo estatal pelo controle efetivo da sentença condenatória. 2017. Tese (Doutorado em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo.

VASCONCELLOS, Vinicius G. O 'Sistema Acusatório' do Processo Penal Brasileiro: Apontamentos Acerca do Conteúdo da Acusatoriedade a partir de Decisões do Supremo Tribunal Federal. Direito, Estado e Sociedade, n. 47, p. 181-204, jul./dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

VASCONCELLOS, Vinicius G.; GALÍCIA, Caíque R. Tribunal do Júri na Justiça Criminal Brasileira: críticas e propostas de reforma para a restituição de sua função de garantia no processo penal democrático. Revista Eletrônica de Direito Processual, Rio de Janeiro, vol. XIII, p. 903-929, jan./jun. 2014.

ZILLI, Marcos Alexandre Coelho. A Iniciativa Instrutória do Juiz no Processo Penal. São Paulo: RT, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1981369430012

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

REVISTA ELETRÔNICA DO CURSO DE DIREITO DA UFSM - Qualis A1

RECDUFSM  /  ISSN 1981-3694   /  Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/19813694  http://periodicos.ufsm.br/revistadireito

Revista Qualis A1 área de Direito /  Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES)