(cu)nhantã tem, (cu)rumim também: políticas de subjetivação em imagens de Abel Azcona

Djalma Thürler, Duda Woyda, Olinson Valois

Resumo


O ensaio interdisciplinar procura entender o universo de significados das obras “Amém” (2015) e “Make America Great Again” (2017), do artista espanhol Abel Azcona e sob o ponto de vista da performance, de peças do “mundo real” que buscam romper a fronteira entre arte e vida enfatizando aspectos das práticas artísticas contemporâneas em movimentos que não ignoram as condições políticas atuais. Os trabalhos analisados demonstram estrutura complexa entre o privado e o público das performances e dos happenings e destacam Abel Azcona como um dos artistas mais provocadores da atualidade.

Palavras-chave


Abel Azcona, performance, arte contemporânea

Texto completo:

PDF

Referências


AUTO 000429/2016.

ALCÁZAR, Josefina: Performance: un arte de yo: autobiografía, cuerpo y identidad. Siglo XXI Editores. México, DF: 2014.

AMADOZ, Bingen. Ferminico. Kazeta Nabarralde, nº103. 2015. In: https://nabarralde.eus/ferminico/. Acesso: 06/04/2020.

AZCONA, Abel. Artistas de mierda. PAC – Plataforma de Arte Contempoâneo, 2014. In: https://www.plataformadeartecontemporaneo.com/pac/artistas-de-mierda/. Acesso: 06/04/2020.

BARBOSA, Marcos. Necropolítica. São Paulo: CCSP Edições, 2018.

____________. Los pequeños brotes. (Spanish Edition). Dos Bigotes. Edição do Kindle, posição 198/905, 2019.

BR, Dimitri. um livro chamado OCUPA. https://medium.com/@DimitriBR/um-livro-chamado-ocupa-49deaef082ed. Acessado em 26/03/2020.

BLANCA, Rosa Maria. Performance: entre el arte, la identidad, la vida y la muerte. Cadernos Pagu, Nº 46, janeiro-abril, 2016.

BORBA, Rodrigo. A linguagem importa? Sobre performance, performatividade e peregrinações conceituais. Cadernos Pagu, Nº 43, julho-dezembro de 2014.

BUTLER, J. Problemas de Gênero: Feminismo e Subversão da Identidade. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003 [1990].

CERTEAU, M. A invenção do Cotidiano. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2007.

DESIGN, Icon. El País. Vandalizadas, censuradas y vilipendiadas: ¿qué tienen estas 10 obras de arte para despertar tanto rechazo? In: https://elpais.com/elpais/2019/10/17/album/1571326668_725342.html#foto_gal_3. Acesso: 06/04/2020.

DOLADÉ, Sergi. El artista debe desaparecer. Revista Metal, Nº 42. 2020. In: https://metalmagazine.eu/es/post/interview/abel-azcona. Acessado em 13/04/2020.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense, 1986.

GARCIA, Oscar Garcia. Entrevista a Abel Azcona. PAC – Plataforma de Arte Contempoâneo, 2013. In: https://www.plataformadeartecontemporaneo.com/pac/entrevista-a-abel-azcona/. Acesso em 06/04/2013.

GÓMEZ, Norma Angélica Silva. Abel Azcona: De la empatía como [im]posibilidad. Territorio de Diálogos, 2018.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Rio de Janeiro: Vozes, 1986.

MELO, Adrián. Antologia del culo: textos de placer anal y de orgullo passivo. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Aurelia Rivera, 2015.

HANSEN, João Adolfo. In: Arte da Aula. Org. CORDEIRO, Denilson Soares; FURTADO, Joaci Pereira. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2019.

HÍJAR, Cristina. Arte y política. Revista Arbitrada de Artes Visuales, Tercera Época, enero/junio, 2020.

MBEMBE, A. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte.Tradução: Renata Santini. São Paulo: n-1 edições, 2018.

___________. Necropolítica. Tradução: Elisabeth Falomir Archambault. España: Editorial Melusina, 2011.

MELIM, Regina. Performance nas Artes Visuais. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 2008.

NICHOLS, James Michael. Heroic Artist Gets 'Make America Great Again' Tattooed Around His Anus (NSFW). In: https://www.huffpostbrasil.com/entry/make-america-great-again-anus-tattoo_n_58cac967e4b0ec9d29d9bba0?ri18n=true, 2017. Acessado em 04/04/2020.

NIETZSCHE, F. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

NOGUEIRA, Gilmaro. O heterossexual passivo e as fraturas das identidades essencializadas nos sites de relacionamento. In: COLLING, Leandro; THURLER. Djalma (Org). Estudos e políticas do CUS: Grupo de Pesquisa Cultura e Sexualidade. Salvador, EDUFBA, 2013.

PELBART, Peter Paul. Estamos em guerra. Série Pandemia. São Paulo: n-1 edições, 2017

PERRA, Hija de. Interpretações imundas de como a Teoria Queer coloniza nosso contexto sudaca1, pobre de aspirações e terceiro-mundista, perturbando com novas construções de gênero aos humanos encantados com a heteronorma. Revista Periódicus, 2ª edição 2014-2015.

PIUDO, Ainoha. Pamplona quiere ser capital mundial de la ‘performance’. Diario de Navarra, el 9 de junio de 2013. In: http://teatro.es/quiosco/pamplona-en-la-vanguardia-artistica/pdf. Acessado em 06/04/2020.

PRECIADO, P. Terror anal. In: HOCQUENGHEN, Guy. El deseo homosexual. Barcelona: Melusina, 2009.

____________. Manifesto contrassexual. São Paulo: n-1 edições, 2017.

RIVAS, Felipe. De la homosexualidad de Estado a la Disidencia Sexual: Políticas sexuales y postdictadura en Chile. In: https://www.bibliotecafragmentada.org/wp-content/uploads/2013/03/De-la-homosexualidad-de-Estado-a-la-Disidencia-Sexual.pdf. Acesso em 09/04/2020.

____________. Diga “queer” con la lengua afuera: Sobre las confusiones del debate latinoamericano. In: Por un feminismo sin mujeres. Fragmentos del Segundo Circuito Disidencia Sexual. Santiago: Coordinadora Universitaria por la Disidencia Sexual, 2011.

SAEZ, Javier. CARRASCOSA, Sejo. Trad. Rafael Leopoldo. Pelo cu: políticas anais. Belo Horizonte: Letramento, 2016.

SIMAKAWA, Viviane Vergueiro. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade, do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos, da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.

SNEED, Gillian. Dos Happenings ao Diálogo: Legado de Allan Kaprow nas Práticas Artísticas “Relacionais” Contemporâneas. Revista Poiésis, Vol. 12, nº 18, 2011.

THÜRLER, Djalma. “ShortBus: aspectos da cidade (homo)erótica ou um pau duro não acredita em Deus! In: SANTOS, Cosme Batista dos; GARCIA, Paulo César; SEIDEL, Roberto Henrique (Org.). Crítica Cultural e Educação Básica. Diagnósticos, proposições e novos agenciamentos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011.

________________. “Sabedoria é desaprender” – notas para a construção de uma política cultural das margens. In: Alfabetização política, relações de poder e cidadania: perspectivas interdisciplinares / organização Gimima Silva, Lúcia Puga, Otávio Rios. - 1. ed. - Rio de Janeiro: Letra Capital, 2018.

_______________. Sexualidade e políticas de subjetivação no campo das artes. Salvador: UFBA, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências; Superintendência de Educação a Distância, 2019.

VIDARTE, Paco. Ética bixa. Proclamações libertárias para uma militância LGBTQ. Tradução: Pablo Cardellino Soto e Maria Selenir Nunes dos Santos. São Paulo: n-1 edições, 2019.

ZAMBONI, Jésio; BALDUCI Rodrigo Rocha. Uma filosofia da diferença bicha. In: RODRIGUES, Alexsandro, BARRETO, Maria Aparecida Santos Corrêa. Currículos, gêneros e sexualidades: experiências misturadas e compartilhadas. Vitória, ES: Edufes, 2013.




DOI: https://doi.org/10.5902/1983734843828

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015

CopySpider - Software Anti-plagio