A Direção de Arte no Cinema: uma abordagem sistêmica sobre seu processo de criação

Marcelo Moreira Santos

Resumo


O presente artigo tem como objetivo entender o papel do Diretor de Arte dentro de uma produção cinematográfica de caráter ficcional. Tendo como fundamento analítico os teóricos dos sistemas Edgar Morin e Jorge Vieira, o texto nos conduz a uma reflexão sobre o processo de co-autoria, fugindo das simplificações e trazendo a complexidade à poética do cinema. O artigo ainda aborda os aspectos antogônicos e contraditórios de duas metodologias de produção: a) de um lado o burocratizado modelo hollywoodiano fordista-taylorista adotado como parâmetro organizacional em produções cinematográficas no começo do século XX pelo cinema de indústria; b) de outro o modelo elitizado e romântico do “cinema de autor” cuja matriz relega apenas ao cineasta a assinatura de um filme; para depois complexificá-los por meio de parâmetros sistêmicos de análise. O artigo termina expondo o caminho evolutivo encontrado no processo de criação vinculado ao Diretor de Arte e qual seu papel na consolidação da poética cinemática de um diretor de cinema.


Palavras-chave


Direção de Arte; Poética do Cinema; Análise Sistêmica; Autoria Colaborativa

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. (2005) Arte Poética. São Paulo: Martin Claret Editora.

AUMONT, JACQUES. (2004) As teorias dos cineastas. Campinas: Papirus Editora.

___________________ (2006) O cinema e a encenação. Lisboa: Edições Texto & Grafia.

AUMONT, Jacques e outros. (2002) A estética do filme. Campinas: Papirus Editora.

BENJAMIN, Walter (1996). Obras escolhidas I – Magia e técnica. Arte e política. São Paulo: Editora Brasiliense.

BORDWELL, David. (2008) Poetics of Cinema. New York: Routledege.

MCKEE, Robert (2004). Story – Substância, estrutura, estilo e os princípios da escrita de roteiros. Curitiba: Arte & Letra Editora.

MORIN, Edgar. (2008) O Método 1 – a natureza da natureza. Porto Alegre: Editora Sulina.

_____________ (2005) O Método 2 – a vida da vida. Porto Alegre: Editora Sulina.

PEIRCE, Charles S. (2000) Semiótica. São Paulo: Editora Perspectiva.

________________ (1998) Antologia Filosófica. Imprensa Nacional – Casa da Moeda, Portugal.

________________(1992) The Essential Peirce - Volume 1. Bloomington: Indiana University Press.

________________ (1998) The Essential Peirce - Volume 2. Bloomington: Indiana University Press.

RIZZO, Michael. (2005) The Art Direction handbook for film. Burlington: Focal Press.

SANTAELLA, Lucia. (2000) Estética – de Platão a Peirce. São Paulo: Editora Experimento.

STAM, Robert. (2000) Introdução à teoria do cinema. Campinas: Papirus Editora.

VIEIRA, Jorge de Albuquerque. (2007) Ciência – Formas de Conhecimento: Arte e Ciência uma visão a partir da complexidade. Fortaleza: Gráfica e Editora.

__________________________ (2008) Ontologia – Formas de Conhecimento: Arte e Ciência uma visão a partir da complexidade. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora.




DOI: https://doi.org/10.5902/1983734823914

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015

CopySpider - Software Anti-plagio