A perspectiva da invenção numa pesquisa em educação: processos e aprendizagens de um pesquisar-inventivo

Alice Copetti Dalmaso

Resumo


Estes escritos compõem a trajetória de um encontro entre uma pesquisa em educação e a temática da invenção, de Virgínia Kastrup. Trata de percorrer o processo dessa pesquisa e a relação da invenção, os processos de subjetivação e a formação de professores. A perspectiva cognitiva da invenção é a da invenção de problemas e implica um constante movimento de problematização, de afetar-se pela novidade e pela surpresa, potencializando-se na possibilidade e capacidade do vivo de problematizar, de eliminar o determinismo que a recognição impõe. Com base nisso, encontros com futuros professores foram pensados dentro de um espaço formativo: provocações, colocações de problemas, forças que permitissem rupturas recognitivas, afecção, estranhamento ao que chegava de diferencial e problemático. Uma pesquisa que se fez num movimento incessante de idas e vindas, no próprio processo de aprender outro campo de possibilidades de pensar, de criar, de sentir, e de viver.


Palavras-chave


Invenção; Problematização; Pesquisa em educação; Aprendizagem; Processualidade

Texto completo:

PDF

Referências


CABRAL, M. C. C. Encontros que nos movem: a leitura como experiência inventiva. 2006. 174p. Tese (Doutorado em Psicologia). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2006.

CABRAL, M. C. C; KASTRUP, V. Leitura de acolhimento: uma experiência de devir consciente. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 22, n. 2. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722009000200016&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 08/05/2014.

DELEUZE, G. Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002. 144 p.

________. Proust e os signos. São Paulo: Forense Universitária, 2006, 174 p.

________. A lógica da sensação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007, 183 p.

DELEUZE, G; PARNET, C. Diálogos. São Paulo: Escuta, 1998. 184 p.

DE-NARDIN, M. H.; SORDI, R. O. Um estudo sobre as formas de atenção na sala de aula e suas implicações para a aprendizagem. Psicologia e Sociedade, v. 19, n. 1, p.99- 106, abr. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010271822007000100014&ln

g=en&nrm=iso>. Acesso em 02/05/2014.

GUATTARI, F. As três ecologias. Campinas: Papirus, 1990, 56 p.

KASTRUP, V. O devir-criança e a cognição contemporânea. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 13, n. 3, 2000.

_________. Aprendizagem, arte e invenção. Psicologia em estudo. Maringá, v. 6, n. 1, p.17-27, jan-jun. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141373722001000100003&ln

g=pt&nrm=iso. Acesso em: 05/06/2010.

_________. A rede: uma figura empírica da ontologia do presente. In: FONSECA, T. M. G. & KIRST, P. G. (Orgs.), Cartografia e devires: a construção do presente. Porto Alegre: UFRGS, 2003, p. 53–62.

_________. A aprendizagem da atenção na cognição inventiva. Psicologia & Sociedade, v.16, n. 3, p. 7-16. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v16n3/a02v16n3. Acesso em: 02/05/2014.

_________. Políticas cognitivas na formação do professor e o problema do devir-mestre. Educação Social, v. 26, n. 93, p. 1273-1288. 2005a. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v26n93/27279.pdf. Acesso em: 02/05/2014.

_________. O devir-consciente em rodas de poesia. Revista do Departamento de Psicologia. Universidade Federal Fluminense, v 17, n. 2, p. 45-60, jul-dez. 2005b. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rdpsi/v17n2/v17n2a05.pdf. Acesso em: 02/05/2014.

________. A invenção de si e do mundo: uma introdução do tempo e do coletivo no estudo da cognição. Belo Horizonte: Autêntica, 2007a. 256 p.

________. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. Psicologia e Sociedade. Universidade Federal de Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 15-22, jan-abr, 2007b. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v19n1/a03v19n1. Acesso em: 28/04/2014.

KIRST, P. G.; GIACOMEL, A. E.; RIBEIRO, C. J. S; COSTA, L. A. C.; ANDREOLI, G. S. Conhecimento e cartografia: tempestades de possíveis. In: FONSECA, T. M. G. & KIRST, P. G. (Orgs.). Cartografia e devires: a construção do presente. Porto Alegre, Editora da UFRGS, 2003, p. 91-101.

LAZZARATO, M. As revoluções do capitalismo: a política do império. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2006. 268 p.

LUFT, L. O silêncio dos amantes. Rio de Janeiro: Record, 2008. 160p.

MAIRESSE, D. Cartografia: do método à arte de fazer pesquisa. In: FONSECA, T. M. G. &

KIRST, P. G. (Orgs.). Cartografia e devires: a construção do presente. Porto Alegre, Editora da UFRGS, 2003, p. 259-271.

ORLANDI, L. B. O indivíduo e sua implexa pré-individualidade. In: O reencantamento do concreto. Cadernos de subjetividade/ Núcleo de Estudos e Pesquisas da Subjetividade do Programa de Pós-Graduados em Psicologia Clínica da PUC-SP, v. 1, nº 1, São Paulo, 1993.

RAMÃO, S. R.; MENEGHEL, S. N.; OLIVEIRA, C. Nos caminhos de Iansã: cartografando a subjetividade de mulheres em situação de violência de gênero. Psicologia & Sociedade, v. 17, n. 2, p. 79-87. 2005. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822005000200011. Acesso em: 10/09/2011.

ROMAGNOLI, R. C. A cartografia e a relação pesquisa e vida. Psicologia e Sociedade, v. 21, n. 2, p. 166-173. 2009. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822009000200003. Acesso em: 13/01/2011.

SORDI, R. O.; DE-NARDIN, M. H. Contribuições de Francisco Varela ao estudo da aprendizagem inventiva em sala de aula. Informática na educação: teoria e prática, v.12, n. 2, p. 82-92, 2009. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/9918/7245. Acesso em: 02/05/2014.




DOI: https://doi.org/10.5902/1983734815113

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015

CopySpider - Software Anti-plagio