Discursos de pais de crianças surdas: Educação Infantil e a presença da Libras

Bianca Salles Conceição, Vanessa Regina de Oliveira Martins

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar um recorte de uma pesquisa de mestrado realizada no Programa de Pós-Graduação em Educação Especial da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). A pesquisa problematizou as escolhas linguísticas nas instruções escolares, com foco na Educação Infantil, feitas por pais e responsáveis de crianças surdas, matriculadas nesta etapa educacional. O intuito da pesquisa foi de ressaltar, a partir do discurso de pais e responsáveis quais tipos de instrução escolar estavam sendo disponibilizados para essas crianças, e se a Língua Brasileira de Sinais – Libras, estava sendo utilizada no processo de aprendizagem ou não. A pesquisa refere-se a um estudo de caso com abordagem qualitativa descritiva. Utilizou-se, como instrumento de coleta de dados, entrevistas semiestruturadas. Participaram da entrevista quatro mães e um pai de filhos surdos, inseridos em escolas com propostas bilíngues, em três municípios do interior do estado de São Paulo. As análises foram realizadas com base nas filosofias da diferença, especificamente nos estudos de Michel Foucault.  Pode-se observar a entrada da Língua de Sinais no seio familiar e social, assim como sua importância para o desenvolvimento das crianças. O discurso dos responsáveis, a partir de um viés clínico, ainda é presente, mas tomando por base a preocupação com barreiras sociais que levam os familiares a procurar soluções médicas. Portanto, pode-se afirmar que, apesar do discurso da surdez como deficiência ainda ser presente, na fala dos pais, a Língua de Sinais tem ganhado visibilidade social e é de conhecimento das famílias. 


Palavras-chave


Educação Bilíngue; Surdez; Família.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ALMEIDA, Julia Carolina de Araújo. Uma heterotopia pedagógica: práticas bilíngues com alunos surdos em salas multisseriadas. 2017. 110 f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, 2017.

BOSCOLO, Cibele Cristina; SANTOS, Teresa Maria Momensohn; A deficiência auditiva e a família: sentimentos e expectativas de um grupo de pais de crianças com deficiência da audição. Distúrbios da comunicação, São Paulo, 17(1): 69-75, abril, 2005.

BRASIL, Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO, 1994.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providencias. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 31 jan. 2018.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 01 maio 2016.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, de 7 de janeiro de 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16690-politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-05122014&Itemid=30192. Acesso em: 06 fev. 2018.

BRASIL, Ministério da Educação. Diretoria de estudos educacionais. Plano Nacional de Educação PNE 2014-2024. Brasília: MEC, Dired, 2014.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf Acesso em: 18 dez. 2018.

DIAS, Walquiria Pereira da Silva. Travessias e resistências: práticas de subjetivação do sujeito tradutor e intérprete de Libras/Língua Portuguesa nos documentos oficiais. 2018. 125 f. Dissertação (Mestrado acadêmico em Letras) – Centro de Ciências Humanas, Universidade Federal do Maranhão, 2018.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Foucault. In: OLIVEIRA, Luciano Amaral (Org.). Estudos do discurso: perspectivas teóricas. São Paulo: Parábola Editorial, 2013. p. 123-151.

FOUCAULT, Michel. Não ao sexo Rei. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FOUCAULT, Michel. Aula de 5 de janeiro de 1983 – primeira hora. In: FOUCAULT, Michel. O governo de si e dos outros. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo, 2010a.

FOUCAULT, Michel. Aula de 22 de janeiro de 1975. In: FOUCAULT, Michel. Os anormais. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes Ltda, 2010b.

FOUCAULT, Michel. Aulas sobre a vontade de saber. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

GIL, Antônio Carlos. Como classificar as pesquisas? In: GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. p. 41-56.

GOLDFELD, Marcia. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. 2 ed. São Paulo: Plexus Editora, 1997.

GURGEL, Tais Marguti do Amaral.; TURETTA, Beatriz Aparecida dos Reis.; ROSA, Luciana Aguerosa.; SILVA, Rosilene Ribeiro da. Aquisição de Libras na Educação Infantil: um trabalho a partir de narrativas. In: LACERDA, Cristina Broglia de Feitosa. de; SANTOS, Lara Ferreira dos.; MARTINS, Vanessa Regina de Oliveira. Escola e diferença: caminhos para educação bilíngue de surdos. São Carlos: EdUFSCar, 2016. p. 65-78.

LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de. O intérprete de língua de sinais no contexto de uma sala de alunos ouvintes: problematizando a questão. In: LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de; GÓES, Maria Cecília Rafael de (Orgs.). Surdez: processos educativos e subjetividade. São Paulo: Lovise, 2000.

LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de; GÓES, Maria Cecília Rafael de. A educação infantil e o processo de construção da condição bilíngue pela criança surda. In: Encontro de pesquisa em educação da região Sudeste, 8., 2007, Vitória, Anais. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, 2007. p. 1-9.

LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de. et al. Educação inclusiva bilíngue para alunos surdos: pesquisa e ação em uma rede pública de ensino. In: LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de; SANTOS, L. F. dos; MARTINS, V. R. O. Escola e diferença: caminhos para educação bilíngue de surdos. São Carlos: EdUFSCar, 2016, p. 65-78.

MARTINS, Vanessa Regina de Oliveira. A invenção da surdez na escuta de Michel Foucault. In: MARTINS, Vanessa Regina de Oliveira. Educação de surdos no paradoxo da inclusão com intérprete de língua de sinais: relações de poder e (re)criações do sujeito. 2008. 154 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Departamento de Psicologia Educacional, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

MARTINS, Vanessa Regina de Oliveira.; LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de. Educação Inclusiva Bilíngue para surdos: problematizações acerca das políticas nacionais linguísticas. Ver. Educ. Puc. Camp; Campinas, 21 (2): 163-178, maio/ago, 2016.

MILLER, Nancy Bea. Ninguém é perfeito: vivendo e crescendo com crianças que têm necessidades especiais. Campinas: Papirus, 1995.

MORAIS, Mariana Peres. Trajetórias de resistência em escolas municipais com propostas de educação bilíngue inclusiva para surdos. 218. 98 f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, 2018.

SALES, Adriane.; et al. Deficiência auditiva e surdez: visão clínica e educacional. São Paulo: UFSCar, 2010. p. 6-20.

SKLIAR, Carlos. Os estudos surdos em educação: problematizando a normalidade, In: SKLIAR, C. (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2001, p. 7-32.

SOUZA, Geilda Fonseca de. Relações familiares entre surdos e ouvintes: análise de narrativas biográficas. 153f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas,

RODRIGUERO, Celma Regina Borghi; YAEGASHI, Solange Franci Raimundo. Família e o filho surdo: uma investigação acerca do desenvolvimento psicológico da criança segundo a abordagem histórico-cultural. 1 ed. Curitiba: CRV, 2013.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984644438319

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar