Formação política via autoeducação no movimento hiphop: experiências de rappers ativistas no Brasil

Bráulio Roberto de Castro Loureiro

Resumo


Este artigo apresenta resultados de pesquisa sobre a formação política de rappers ativistas no Brasil. Rappers são compositores e cantores do gênero musical rap, um dos quatro elementos do hip-hop, movimento artístico-cultural surgido no gueto novaiorquino na década de 1970. Não raramente esses artistas extrapolam as fronteiras da música e se dedicam a atividades assistenciais, culturais e políticas direcionadas às populações de seus bairros e da periferia urbana de modo geral. Considerando que esses sujeitos, em geral, vivem em precárias condições socioeconômicas, têm conturbadas histórias de vida e contam com níveis de escolaridade baixos e medianos, cabe investigar o modo pelo qual se formam politicamente. Sustenta-se, aqui, a existência de uma dinâmica autoeducativa no âmbito do movimento hip-hop. Processo que contribuiria decisivamente para a educação política de rappers, uma vez que estes localizam a) na audição da música rap, b) na composição do seu próprio rap e c) nas vivências no interior do movimento hip-hop momentos-chave da constituição de sua visão de mundo. Produções musicais e atividades político-culturais promoveriam, assim, momentos significativos de reflexão sobre a condição social de negros e pobres no Brasil. Mediante pesquisa etnográfica, foram reunidos materiais oriundos de entrevistas individuais, diálogos informais, letras musicais e observação de atividades e situações que tiveram a participação de rappers ativistas da cidade de Marília-SP. Letras musicais e entrevistas registradas em sites, revistas e documentários também compuseram um conjunto de informações sobre o ativismo e a formação política de rappers de outras cidades e regiões brasileiras.


Palavras-chave


Formação Política; Autoeducação; Rap

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ALOÍSIO. Dados referentes ao rapper Aloísio. Diário de campo. Marília, 2010.

ALOÍSIO. Dados referentes ao rapper Aloísio. Diário de campo. Marília, 2012.

AUGUSTO. Dados referentes ao rapper Augusto. Diário de campo. Marília, 2013.

BAUMAN, Zygmunt. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

BAKER, Soren. The history of rap and hip-hop. Farmington Hills: Lucent book, 2006.

BRADLEY, Adam; DUBOIS, Andrew. The anthology of rap. Yale: Yale University Press, 2010.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura e outros ensaios. Coimbra: Angelus Novus, 2004.

DAL RI, Neusa M. Educação democrática e trabalho associado no contexto político-econômico do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Tese de livre docência. Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista. Marília: UNESP, 2004.

DAL RI, Neusa M.; VIEITEZ, Candido G. Educação democrática e trabalho associado no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e nas fábricas de autogestão. São Paulo: Ícone/FAPESP, 2008.

D’ANDREA, Tiarajú. A formação dos sujeitos periféricos: cultura e política na periferia de São Paulo. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, 2013.

DELMANTO, Júlio; MONCAU, Gabriela. Somos um inimigo em potencial só por termos nascido negros. Entrevista de Dexter a Júlio Delmanto e Gabriela Moncau. Desinformémonos, 2010. Disponível em: https://desinformemonos.org/somos-um-inimigo-em-potencial-so-por-termos-nascido-negros-dexter-rapper-brasileiro/. Acesso em 20/03/2015.

DEL ROIO, Marcos T. Prefácio. In: SCHLESENER, Anita; MASSON, Gisele; SUBTIL, Maria J. Marxismo(s) & educação. Ponta Grossa: Ed. UEPG, 2016.

DEXTER. Dexter. Portal Rapnacional, 2011. Disponível em: www.rapnacional.com.br. Acesso em: 19/05/2013.

DEXTER. Dexter. MV Bill e Dexter minam o campo periférico. Revista Fórum, 2014. Disponível em: http://www.revistaforum.com.br/2014/01/31/mv-bill-e-dexter-minam-o-campo-periferico/. Acesso em: 20/07/2015.

DUSSEL, Enrique. 20 teses de política. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

ENGELS, Friedrich. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Boitempo, 2008.

ENGUITA, Mariano F. A face oculta da escola: educação e trabalho no capitalismo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

FÉLIX, João. Chic Show e Zimbabwe: a construção da identidade nos bailes black paulistanos. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, 2000.

FLETT, Keith. Chartism after 1848: The working class and the politics of radical education. Thowbridge: The Merlin Press, 2006.

FOOTE-WHYTE, William. Treinando a observação participante. In: ZALUAR, Alba. Desvendando máscaras sociais. 2. ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1980.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1967.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala: a formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 48. ed. São Paulo: Global, 2003.

GARCIA, Walter. Diário de um detento: uma interpretação. In: NESTROVSKI, Aloísio (Org.). Lendo música. São Paulo: Publifolha, 2007.

GARCIA, Walter. Ouvindo Racionais MCs. Ensaios sobre arte e cultura na Formação. São Paulo: Coletivo Nacional de Cultura do MST, 2006.

GASPAR. “A arte é um limite entre a marginalidade e a criminalidade”, diz Gaspar, do Z’África Brasil. Álbum Itaú Cultural, 2008. Disponível em: http://albumitaucultural.org.br/secoes/a-arte-e-um-limite-entre-a-marginalidade-e-a-criminalidade-diz-gaspar-do-zafrica-brasil/. Acesso em: 30/08/2014.

GÍRIA VERMELHA. Herói de preto é preto. In: A hora do revide. São Luís: MHHO, 2008, CD.

GOG. Entrevista de GOG ao Produção Cultural Brasil. Produção Cultural no Brasil, 2012a. Disponível em: http://www.producaocultural.org.br/no-blog/entrevista-de-gog-ao-producao-cultural-brasil/. Acesso em: 21/02/2013.

GOG. O caminho do hip-hop é a autogestão, defende o rapper GOG. Ação Educativa, 2012b. Disponível em: http://www.acaoeducativa.org.br/index.php/cultura/43-ponto-de-cultura/10004338-o-caminho-do-hip-hop-e-a-autogestao-defende-o-rapper-gog. Acesso em: 13/08/2014.

GRAMSCI, Antonio. Às margens da história: história dos grupos sociais subalternos. In: COUTINHO, Carlos N. (Org.). Cadernos do cárcere. vol. 5. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

GRAMSCI, Antonio. Introdução ao estudo da Filosofia. In: COUTINHO, Carlos N. (Org.). Cadernos do cárcere. vol. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

GRUPPI, Luciano. O conceito de hegemonia em Gramsci. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

HATCH, Thomas. A history of hip-hop: the roots of rap. Minnesota: Red Brick Learning, 2006.

HOBSBAWM, Eric J. A era das revoluções – Europa 1789-1848. 8. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

JAIRO. Dados referentes ao rapper Jairo. Diário de campo. Marília, 2010.

JAIRO. Dados referentes ao rapper Jairo. Diário de campo. Marília, 2012.

KEHL, Maria Rita. A Fratria órfã. São Paulo: Olho d’água, 2008.

LEAL, Sérgio. Acorda hip-hop. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2007.

MENDONÇA, Sueli G. A crise de sentidos e significados na escola: a contribuição do olhar sociológico. Cad. Cedes, Campinas, vol. 31, n. 85, p. 341-357, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v31n85/03v31n85.pdf. Acesso em: 26/04/2014.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

MITCHELL, Tony. Global noise: rap and hip-hop outside the USA. Middletown: Wesleyan University Press, 2001.

OLIVEIRA, Francisco de. Política numa era de indeterminação: opacidade e reencantamento. In: OLIVEIRA, Francisco; RIZEK, Cibele. (Orgs.). A era da indeterminação. São Paulo, Boitempo, 2007.

PÉRICLES. Dados referentes ao rapper Péricles. Diário de campo. Marília, 2013.

PRETO ZEZÉ. Oficina de MCs da posse Enraizados. Futebol, Rap e Samba, 2008. Disponível em: http://futebolrapesamba.blogspot.com.br/2008/01/oficina-de-mcs-da-posse-enraizados-sp.html. Acesso em: 04/05/2014.

PRETO ZEZÉ. Preto Zezé. Farofa Carta Capital, 2011. Disponível em: http://farofafa.cartacapital.com.br/2011/09/09/preto-zeze/. Acesso em: 05/08/2012.

RENAN. Dados referentes ao rapper Renan. Diário de campo. Marília, 2012.

SANFELICE, José L. Breves reflexões sobre “juventude”, educação e globalização. In: MACHADO, Otávio L. (Org.). Juventudes, Democracia, Direitos Humanos e Cidadania. Frutal-MG: Prospectiva, 2013.

SCHWARZ, Roberto. Sequências brasileiras. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SILVA, Cláudio R. Educação e trabalho em movimentos sociais: princípios educativos transcendentes e comuns ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), aos socialistas utópicos owenistas e aos cartistas britânicos. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista. Marília: UNESP, 2014.

SILVA, José. Rap na cidade de São Paulo: música, etnicidade e experiência urbana. Tese de doutorado. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Campinas: UNICAMP, 1998.

SPOSITO, Marília P. A sociabilidade juvenil e a rua: novos conflitos e ação coletiva na cidade. Tempo Social, São Paulo, vol. 5, n. 1-2, p. 161-178, 1994.

TEPERMAN, Ricardo. Se liga no som: as transformações do rap no Brasil. São Paulo: Claro Enigma, 2015.

THOMPSON, Edward P. A formação da classe operária inglesa. 3 vols. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

TONET, Ivo. Educação, cidadania e emancipação humana: crítica da colocação da cidadania como objetivo maior da educação e proposta de substituição pela categoria da emancipação humana. Tese de doutorado. Programa de Pós Graduação em Educação. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista. Marília: UNESP, 2001.

TORRES, Rosa Maria. Discurso e Prática em Educação Popular. Ijuí: UNIJUI, 1988.

YOSHINAGA, Gilberto. Resistência, arte e política: registro histórico do rap no Brasil. Trabalho de conclusão do curso. Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da Universidade Estadual Paulista. Bauru: UNESP, 2001.

WALKER, Ida. Hip-hop around the world. Broomall: Mason Crest Publishers, 2008.

ZALUAR, Alba. A máquina e a revolta: as organizações populares e o significado da pobreza. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2000.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984644434976

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar