Noções e práticas de cuidado em saúde mental na perspectiva de mulheres camponesas

Jaqueline Sganzerla, Fernanda Beheregaray Cabral, Leila Mariza Hildebrandt, Iuri Trezzi

Resumo


Objetivo: conhecer as noções e práticas de cuidado em saúde mental na perspectiva de mulheres camponesas. Método: estudo exploratório-descritivo, de abordagem qualitativa. Participaram do estudo 18 camponesas. Os dados foram produzidos mediante entrevista semiestruturada, no período de março a abril de 2017, e submetidos à análise temática. Resultados: as noções de saúde mental ainda são influenciadas pela religiosidade e concepção de loucura da idade clássica. A socialização, a participação em grupos, o lazer e a religiosidade destacaram-se como práticas de cuidado. Relações familiares conflituosas, ociosidade, nervosismo, sofrimento, estresse, sobrecarga laboral e dificuldades econômicas foram produtores de adoecimento mental. Conclusão: a atenção à saúde mental das camponesas necessita ser considerada pelas políticas públicas e requer ações dos profissionais de saúde com vistas à promoção desta.


Palavras-chave


Saúde da Mulher; Saúde Mental; Saúde da População rural; População Rural; Enfermagem.

Referências


Ayres JRCM, França Júnior I, Calazans GJ, Saletti Filho HC. O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In: Czeresnia D, Freitas CM, organizadores. Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003. p. 117-39.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Plano de ação para saúde mental 2013-2020. Geneva: OMS; 2009.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Política Nacional de Atenção Integral das Populações do Campo, da Floresta e das Águas. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2014.

Cabral FB. Ciranda de roses: vulnerabilidades, demandas e necessidades em saúde de trabalhadoras em assentamento rural [tese]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 2014.

Dantas CMB, Dimenstein M, Leite JF, Torquato J, Macedo JP. A pesquisa em contextos rurais: desafios éticos e metodológicos para a psicologia. Psicol Soc. 2018 jun;30:e165477. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1807-0310/2018v30165477

Arruda NM, Maia AG, Alves LC. Desigualdade no acesso à saúde entre as áreas urbanas e rurais do Brasil: uma decomposição de fatores entre 1998 a 2008. Cad Saúde Pública. 2018 jun;34(6):e00213816. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00213816

Malhotra S, Shah R. Women and mental health in India: an overview. Indian J Psychiatry. 2015 Jul;57(6):205-11. doi: 10.4103/0019‑5545.161479

Simmons LA, Wu Q, Yang N, Bush HM, Crofford LJ. Sources of health information among rural women in Western Kentucky. Public Health Nurs. 2015;32(1):3-14. doi: https://doi.org/10.1111/phn.12134

Lima PJP. Prevalência de transtornos mentais comuns em comunidades rurais em Atibaia/SP - Brasil. Cad Bras Saúde Ment [Internet]. 2015 [acesso em 2020 jan 10];7(15):81-121. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/68545

Parreira BDM, Goulart BF, Haas VJ, Silva SR, Monteiro JCS, Gomes-Sponholz FA. Transtorno mental comum e fatores associados: estudo com mulheres de uma área rural. Rev Esc Enferm USP. 2017;51:03225 doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2016033103225

Dimenstein M, Macedo JPS, Leite J, Dantas C, Silva MPR. Iniquidades sociais e saúde mental no meio rural. Psico USF. 2017;22(3):541-53. doi: https://doi.org/10.1590/1413-82712017220313

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: princípios e diretrizes. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011.

Ministério da Saúde (BR). Relatório final da IV Conferência de Saúde Mental Intersetorial. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2010.

Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R, organizadores. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes; 2016.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ametista do Sul. 2019 [acesso em 2020 abr 09]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/ametista-do-sul/pesquisa/24/76693

Pessoa VM, Almeida MM, Carneiro FF. Como garantir o direito à saúde para as populações do campo, da floresta e das águas no Brasil? Saúde Debate. 2018;42(N Esp 1):302-14. doi: 10.1590/0103-11042018S120

Canuto A, Luz CRS, Andrade TVP; Comissão Pastoral da Terra (CPT). Conflitos no campo: 2016. Goiânia: CPT; 2016. 232 p.

Ministério da Justiça e Cidadania (BR), Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Ligue 180: central de atendimento à mulher: balanço: 1° semestre 2016. Brasília (DF): Ministério da Justiça e Cidadania; 2016.

Borth LC, Costa MC, Silva EB, Fontana DGR, Arboit J. Network to combat violence against rural women: articulation and communication of services. Rev Bras Enferm. 2018;71(Suppl 3): 1212-9. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0044

Parreira BDM, Goulart BF, Ruiz MT, Silva SR, Gomes-Sponholz FA. Sintomas de depressão em mulheres rurais: fatores sociodemográficos, econômicos, comportamentais e reprodutivos. Acta Paul Enferm. 2017;30(4):375-82. doi:10.1590/1982-0194201700056

Foucault M. História da loucura na Idade Clássica. São Paulo: Perspectiva; 2019.

Amarante P. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2018.

Marmentini JS. Adoecimento mental em comunidades rurais do município de Centenário: perspectivas histórico-sociais. RELACult. 2017;3(3):1-22. doi: 10.23899/relacult.v3i3.858.

Viapiana VN, Gomes RM, Albuquerque GSC. Adoecimento psíquico na sociedade contemporânea: notas conceituais da teoria da determinação social do processo saúde-doença. Saúde Debate. 2018;42(N Esp 4):175-86. doi: 10.1590/0103-11042018S414

Carver LF, Beamish R, Phillips SP, Villeneuve M. A scoping review: social participation as a cornerstone of successful aging in place among rural older adults. Geriatrics (Basel). 2018;3(4):1-16. doi: 10.3390/geriatrics3040075

Cirilo Neto M, Dimenstein M. Saúde mental em contextos rurais: o trabalho psicossocial em análise. Psicol Ciênc Prof. 2017 abr-jun;37(2):461-74. doi: 10.1590/1982-3703002542016

Pichon-Rivière E. O processo grupal. 8ª ed. São Paulo: Martins Fontes; 2009.

Souza SAL, Silveira LMC. (Re)Conhecendo a escuta como recurso terapêutico no cuidado à saúde da mulher. Rev Psicol Saúde. 2019 abr;11(1):19-42. doi: 10.20435/pssa.v0i0.571




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769243181

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.