Relações sociais informais em idoso com Hipertensão e/ou Diabetes

Mariangela Uhlmann Soares, Bruno Pereira Nunes, Louriele Soares Wachs, Marciane Kessler, Alitéia Santiago Dilélio, Deisi Cardoso Soares, Luiz Augusto Facchini, Elaine Thumé

Resumo


Objetivo: avaliar as relações sociais informais dos idosos com diagnóstico de hipertensão e/ou diabetes, moradores de Bagé, Rio Grande do Sul, Brasil. Método: estudo transversal de base populacional. Foram entrevistadas 1.593 pessoas com 60 anos ou mais, das quais 947 tinham diagnóstico de hipertensão e/ou diabetes. A prevalência “relações sociais informais” foi distribuída em fraca, moderada e forte. A diferença estatística entre os grupos foi avaliada com teste qui-quadrado e intervalos de confiança de 95%. Resultados: a prevalência de relações informais fracas foi de 51,0% sendo estatisticamente significativa entre os idosos com idade superior a 74 anos, menor escolaridade e classificação socioeconômica C e D, residindo em domicílios multigeracionais, com maior número de pessoas e em áreas cobertas pela Estratégia Saúde da Família. Conclusão: os resultados reforçam a necessidade de desenvolver mecanismos de proteção social a idosos com morbidades crônicas, de modo a minimizar o risco de viver isolado.

Palavras-chave


Apoio Social; Idoso; Atenção Primária à Saúde; Hipertensão; Diabetes Mellitus.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179769227800

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.