Nível de complexidade assistencial e dimensionamento de enfermagem no Pronto-Socorro de um hospital público

Ana Cristina Geiss Casarolli, Thaís Dresch Eberhardt, Anair Lazzari Nicola, Luciana Magnani Fernandes

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/2179769216811

Objetivo: analisar o nível de complexidade assistencial e o dimensionamento dos profissionais de enfermagem no pronto-socorro de um hospital público. Método: estudo transversal descritivo realizado com dados extraídos de prontuários de pacientes. Resultados: foram avaliados 998 prontuários, destes houve predomínio (73,3%) de pacientes classificados em cuidados mínimos. Em relação aos profissionais de enfermagem, o quadro existente por turno de trabalho correspondeu a 32,6% para a categoria enfermeiro e 91,5% para auxiliares/técnicos de enfermagem do quadro de pessoal projetado para a unidade. Conclusões: o predomínio de pacientes classificados como em cuidados mínimos pressupõe a inadequação do fluxo de atenção dos serviços de saúde, e consequente utilização equivocada da atenção terciária, gerando número expressivo de atendimentos. Este contexto é agravado pelo quantitativo reduzido de profissionais de enfermagem para prestar assistência com qualidade e segurança.


Palavras-chave


Enfermagem; Serviços médicos de emergência; Dimensionamento de pessoal; Equipe de enfermagem; Gestão em Saúde

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/2179769216811



Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.