Caracterização de pacientes dependentes de tecnologias de um serviço de internação domiciliar

Cecília Maria Brondani, Lais Helena Ramos, Margrid Beuter, Melissa Agostini Lampert, Margot Agathe Seiffert, Jamile Lais Bruinsma

Resumo


Objetivo: caracterizar os pacientes dependentes de tecnologias atendidos no serviço de internação domiciliar de um Hospital Universitário da região central do Rio Grande do Sul. Método: pesquisa quantitativa, de delineamento transversal e descritivo, desenvolvida com 57 pacientes dependentes de tecnologias no domicílio. Os dados foram submetidos à análise estatística descritiva. Resultados: verificou-se que a maioria dos pacientes era do sexo masculino, casados, idade média de 58 anos, baixa renda e escolaridade e fazia uso de mais de um dispositivo tecnológico. Sendo que 73,7% utilizavam sondas para auxiliar na alimentação, 24,6% traqueostomia e 22,8% oxigenioterapia. Identificou-se que 56,2% receberam alta, 26,3% reinternaram e 17,5% faleceram. Conclusões: é preciso considerar que um número crescente de pessoas utilizam tecnologias no domicílio. Os profissionais de saúde devem estar atentos às necessidades de saúde destas pessoas possibilitando um cuidado integral e contínuo.


Palavras-chave


Tecnologia; Doença Crônica; Assistência Domiciliar; Tecnologia Biomédica

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/2179769211063



Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.