Sensibilização de alunos do ensino fundamental a partir de práticas ambientais no Parque Metropolitano de Pituaçu.

Marcelo Cesar Lima Peres, Katia Regina Benati, Priscila Maria dos Santos Silva, Virgínia Eudes Peneluca Amorim, Marcelo Alves Dias

Resumo


Objetivou-se estimular o comportamento conservacionista em alunos do ensino fundamental partir de práticas ambientais no Parque Metropolitano de Pituaçu. O Parque é uma Unidade de Conservação urbana de mata atlântica, atualmente com 378 ha. Avaliamos 116 alunos de quatro escolas adjacentes ao Parque. Executamos três fases: 1. Conceitual (palestra), 2. Procedimental (observação de fauna e variáveis ambientais no Parque) e 3. Atitudinal (produção de desenhos e textos). Na primeira fase aplicamos questionários nos 116 alunos; na segunda e terceira fase, participaram 58 alunos que responderam mais uma vez o questionário. Comparamos os questionários através do teste t e Mann-Whitney. Não houve diferença significativa, tanto em relação a média geral (p= 0,5970;t’= 0,5302), quando comparado as questões subjetivas individualmente. Este resultado é inusitado, pois, esperávamos que a participação na fase procedimental contribuiria para o aprendizado das crianças. Desta forma, consideramos o questionário uma ferramenta insuficiente, pois, sofreu interferência da euforia dos alunos na atividade procedimental. Corroboramos está inferência, quando percebemos um aprendizado dos alunos a partir da análise dos desenhos e textos produzidos após a fase procedimental. Propomos a aplicação de ferramentas que estimulam a criatividade, como criação de desenhos, jogos e textos lúdicos para avaliar práticas ambientais.


Palavras-chave


Jogos educativos; Conservação Ambiental; Mata Atlântica; Educação Ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


ANDREOLI, V.M.; ANACLETO, A. Compartilhando saberes: os conhecimentos tradicionais e a educação ambiental. In: Encontro Paranaense de Educação Ambiental- EPEA, IX, 2006, Guarapuava, s/p.

GOLDBERG, L.G. 2005. Psicologia em estudo, Maringá, vol. 10. nº. 1, pág. 97-106.

GUIMARÃES, A.Q. et al. 2005. Projeto Pampulha limpa: fazendo educação ambiental em uma grande cidade. Anais do 8º encontro de extensão da UFMG. Belo Horizonte.

LEFF, E. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. In: PHILIPPI, Jr. (Ed) Interdisciplinaridade em Ciências Ambientais, São Paulo, Editora Signus, 2000, p. 20-48.

MORALES, A.G. 2004. A arte do afeto na educação ambiental. In: Convenção Latino América, Congresso Brasileiro e Encontro Paranaense de Psicoterapeutas Corporais, Foz do Iguaçu.

REIGOTA, M. 2001. O que é educação ambiental. Coleção primeiros passos, São Paulo: Brasiliensi, 292p.

TELES, A. M. & BAUTISTA, H. P. 2001. Flora do Parque Metropolitano de Pituaçu e seus arredores, Salvador, Bahia: Compositae. In: Anais do 52º Congresso Nacional de Botânica. João Pessoa, PB, 235p.

TELES, A. M. & BAUTISTA, H. P. 2006. Asteraceae no Parque Metropolitano de Pituaçu, Salvador, Bahia, Brasil. Lundiana 7(2): 87-96.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130834625

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.