Limites e possibilidades do uso das TIC como ferramenta para a educação ambiental

Luana Ribeiro Pinto Araujo, Katia Regina Benati

Resumo


O presente trabalho apresenta resultados de uma revisão sistematizada no que diz respeito à Educação Ambiental e Tecnologia da Informação e Comunicação – TIC. O estudo refere-se a uma pesquisa documental exploratória objetivando relacionar, analisar e comparar as experiências encontradas dentro deste campo de atuação.  Observa-se que a Educação Ambiental é um campo abrangente de pesquisa e vem sendo vista como um instrumento para formação de cidadãos voltados para a conservação do meio ambiente. Enquanto que a temática TIC é um campo emergente, que cresce a cada dia, como um possível recurso pedagógico nas instituições de ensino superior, visando a revitalização do processo educacional e abrindo novas possibilidades de educação ambiental com base na aprendizagem autônoma. Conclui-se então que a vinculação estre os referidos núcleos: Educação Ambiental e TIC torna-se promissora ao associarmos processos educativos formais às ferramentas tecnológicas disponíveis no mercado o que contribui para o fortalecimento de uma consciência crítica sobre a problemática ambiental e social. As limitações encontradas destacam-se quanto à aceitação e acreditação nas novas metodologias de ensino, por parte dos sujeitos envolvidos no processo ensino aprendizagem tornando desafiador para a Educação Ambiental realizar um trabalho inovador na transformação de hábitos e na geração de comportamentos pró-ambientais.


Palavras-chave


PNEA; Responsabilidade Ambiental; Cidadania; Ferramentas tecnológicas; Ensino

Texto completo:

PDF

Referências


AB’ SABER, A.N. 1991. (Re) Conceituando Educação Ambiental. MAST- Museu de Astronomia e Ciências Afins/CNPq.

ABED, Censo EAD.BR. Disponível em: < http://www.abed.org.br/site/pt/midiateca/censo_ead/>. Acesso em: Out. 2017.

ALONSO, K.M. Educação a distância no Brasil: A busca de identidade In: PRETI, O. (Org.), Educação a distância:

Inícios e indícios de um percurso. Nead/IE – UFMT. Cuiabá: UFMT,1996, p. 57-74.

AMORIM, A. C. R., 2005. Educação. In: Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais

e Coletivos Educadores. Luiz Antonio Ferraro Júnior (org.) BADILLO MENDOZA, Miguel Ezequiel. Propuesta de comunicación y educación ambiental a través del Facebook y el uso de narrativas digitales. Entramado [online]. 2012, vol.8, n.1, pp.128-139. ISSN 1900-3803.

BITANTE, Alessandra Preto et al. Impactos da tecnologia da informação e comunicação na aprendizagem dos alunos em escolas públicas de são caetano do sul (SP). HOLOS, [S.l.], v. 8, p. 281-302, maio 2017. ISSN 1807-1600. Disponível em: . Acesso em: 29 maio 2018. doi:https://doi.org/10.15628/holos.2016.2876.

BRASIL. LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981, Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências, Brasília,DF, ago 1981. Disponivel em:

. Acesso em: 16 mar. 2018.

BRASIL. LEI No 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999, Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências, Brasília,DF, abr 1999. Disponivel em: < http://

www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9795.htm >. Acesso em: 29 mar. 2018.

DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental: princípios e práticas. 9a ed. São Paulo. Gaia, 2004.

FREITAS, Marcos. Avaliação da inserção da temática ambiental por meio das tic’s no cotidiano escolar de um colégio privado, pitanga –pr: estudo de caso. 2016. Disponível em: Acesso em: 03 maio.2018.

GRAY, D. E. Pesquisa no Mundo Real: métodos de pesquisa. São Paulo: Penso, 2012.

HECKLER, Valmir et al. Uma proposição metodológica para compreender a experimentação em ciências na ead. HOLOS, [S.l.], v. 6, p. 225-240, fev. 2015. ISSN 1807-1600. Disponível em: . Acesso em: 08 jun. 2018. doi:https://doi.org/10.15628/holos.2014.2047.

HELBEL, D. F.. A utilização de jogos educativos como ferramenta didática para educação ambiental em uma escola no entorno do parque ecológico de ji-paraná/ro. In: Giovanni Seabra. (Org.). Educação Ambiental e Biogeografia. 1ed.Ituiutaba: Barlavento, 2016, v. 2, p. 359-370.

KREULICH, Paula Cristine. Professores de Matemática da rede municipal de ensino de Horizontina frente a inserção das tecnologias de informação e comunicação em aulas de matemática. 2018. Disponível em Acesso em 05 jun 2018

MELLO, Soraia. TRAJBER, Rachel et al. (coord). Vamos cuidar do Brasil : conceitos e práticas em educação ambiental na escola – Brasília: Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental: Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental : UNESCO, 2007.

MOORE, M.G., KEARSLEY, G. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

MORAIS, M. A. C. ; CUNHA, P.B. Uso do Fórum como Espaço de Reflexão Socioambiental: um Estudo de Caso na Formação dos Alunos do Curso Técnico em Meio Ambiente EAD/IFPI. 2016. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

NASCIMENTO, danielle fabiola do. UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB): A gestão na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), 2013. Disponível em

NERY, G. C. ; Soares da Silva, Tiago ; ALBUQUERQUE, J. L. ; MORAES FILHO, Rodolfo Araújo de. Educação Ambiental e o Enfoque nos Cursos do Eixo Gestão e Negócios (EAD) do Instituto Federal do Piaui. In: Giovanni Seabra (Org.). (Org.). O Capital Natural na Economia Global. 1ed.Ituiutaba /MG: Barlavento, 2016, v. 2, p. 413-424.

OBARA, AT. et al.Environmental education in the Upper Paraná River floodplain, municipality of Porto Rico (Paraná State), Brazil. Braz. J. Biol. [online]. 2009, vol.69, n.2, suppl., pp.627-635. ISSN 1519-6984. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-69842009000300017

PAREDES, Joaquín y ARRUDA, Rogério Dias de.La motivación del uso de las TIC en la formación de profesorado en educación ambiental. Ciênc. educ. (Bauru) [online]. 2012, vol.18, n.2, pp.353-368. ISSN 1516-7313. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132012000200008.

PAULA, Joaracy Lima de. Educação ambiental como elemento necessário à formação humana integral: trilhando caminhos possíveis na educação profissional. 2016. Disponível em: Acesso em 12 maio 2018

PAULA, Joaracy Lima de; PAULA, Joseara Lima de; HENRIQUE, Ana Lúcia Sarmento. O uso do stop-motion como prática pedagógica no ensino de geografia no contexto do emi. HOLOS, [S.l.], v. 3, p. 141-149, set. 2017. ISSN 1807-1600. Disponível em: . Acesso em: 29 maio 2018. doi:https://doi.org/10.15628/holos.2017.5774>.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. D. Metodologia do trabalho científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2ª. ed. Novo Hamburgo: Universiade Freevale, 2013. RIOS. Ética e interdisciplinaridade. In: FAZENDA, Ivani (org.). A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento.

ed. Campinas: Papirus, 1997. p. 121-136.

SANTOS, A. S. R dos. Educação Ambiental e o poder público. Disponível em: 2000. Acesso 06 de junho de 2018.

SANTOS, T. F. ; MODESTO, M.A; ARAUJO, M. I. O. Da ilusão de movimento à composição de animações: stop motion na formação inicial de professores. In: 8° encontro internacional de formação de professores 9º fórum permanente de inovação educacional, 2015, Aracaju-SE. ESTADO, ESCOLA E SOCIEDADE NA PERSPECTIVA DA INTERNACIONALIZAÇÃO: desafios das políticas públicas docentes nos planos de educação, 2015.

SILVA, Marco (2001). Sala de aula interativa: a educação presencial e a distância em sintonia com a era digital e

com a cidadania. In: CONGRESSO BRASILEIRO DA COMUNICAÇÃO, 24., 2001, Campo Grande. Anais do

XXIV Congresso Brasileiro da Comunicação, Campo Grande: CBC, set. 2001.

SOUZA, D. A. A Relação da Criança com o Meio Ambiente: A Educação Ambiental nos Contextos Escolares. 2004.143 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Instituto superior de Estudos Pedagógicos, Rio de Janeiro, 2004.

VIANA, Raphael Gomes, SAMPAIO, Dayvid Resende, ARAGÃO, Robertson Farias. Reflexões sobre a política nacional de educação ambiental como ferramenta de preservação do meio ambiente, 2016. Disponível em:

. Acesso em: mai, 2018.

VIEIRA, Rosângela Souza. O papel das tecnologias da informação e comunicação na educação: um estudo sobre a percepção do professor/aluno. Formoso - BA: Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), 2011. v.10, p.66-72.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

ZAKRZEVSKI, S. B., 2003a. Cenários da Trajetória da Educação Ambiental. In: A Educação Ambiental na escola: abordagens conceituais. Sônia Balvedi Zakrzevski (org.). Programa de Educação Ambiental Barra Grande. Laboratório de Educação Ambiental /LEA – URI – Campus de Erechim. Série Caderno Temáticos de Educação Ambiental. Caderno Temático 1. Erechim/RS. Edifapes, 132 p.il.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130834847

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.