Superfície potenciométrica e possíveis fontes de contaminação do aquífero parecis no município de Vilhena - RO,BR

Calina Grazielli Dias Barros, Ana Lucia Denardin da Rosa, José Luiz Silvério da Silva, Gislayne Alves Oliveira, Luiza Girard Teixeira, Raphael Bruno da Silva Sampaio

Resumo


O controle e a preservação da qualidade das águas subterrâneas são as principais tarefas a serem realizadas quando se trata de planejamento ambiental desse recurso. Desta forma, o presente estudo tem como objetivo determinar as linhas de fluxo das águas subterrâneas no município de Vilhena-RO, Região Amazônica. Foram levantados dados de poços e mapeadas as fontes potenciais de contaminação incluindo-se os postos de combustíveis, cemitério municipal, poços de abastecimento contaminados e lixões desativados. Por meio do mapa de superfície potenciométrica foi possível constatar alguns pontos vulneráveis, como o poço número 27, de responsabilidade do Serviço Autônomo de Águas e Esgoto, o qual está localizado em uma área de convergência de fluxos, podendo assim receber cargas contaminantes oriundas do cemitério municipal e de dois lixões desativados. Sendo assim, o estudo da superfície potenciométrica do Aquífero Parecis é uma valiosa ferramenta de espacialização em Sistema de Informações Geográficas que permite, através da observação do mapa gerado, localizar os melhores pontos para instalação de novos poços de abastecimento, postos de combustíveis, entre outros, fornecendo subsídios para o processo de gestão, ocupação dos solos e controle da explotação das águas subterrâneas em escala municipal.

Palavras-chave


Superfície Potenciométrica; Água Subterrânea; Contaminação; Aquífero Parecis; Vilhena

Texto completo:

PDF

Referências


ABERTI, E. A.; Silva, J. L.S. Estudo da vulnerabilidade natural dos aqüíferos no perímetro urbano de Tupanciretã/RS. In: Anais do1º Simpósio de Recursos Hídricos do Sul e 1º Simpósio de Águas da AUGM, 2005. Santa Maria, Brasil.

AZEVEDO, R. P. (2006). Uso de água subterrânea em sistema de abastecimento público de comunidades na várzea da Amazônia central. Revista Acta Amazônica, 36 (3), 313- 320.

BAHIA, R. B. C.; Martins-Neto, M. A.; Barbosa, M. S. C.; Pedreira, A. J. (2006). Revisão Estratigráfica da Bacia dos Parecis – Amazônia. Revista Brasileira de Geociências, 36 (4), 692-703.

BRASIL, Agência Nacional DE Águas - ANA. (2005). Disponibilidade e demandas de recursos hídricos no Brasil Cadernos de Recursos Hídricos. Avaiable from: . Acesso em: 01 set. 2014.

COMPANHIA DE PESQUISA E RECURSOS MINERAIS - CPRM. (2007). Mapa de Domínios e Subdomínios Hidrogeológicos do Brasil. Escala 1:2.500.000. CPRM, 1 CD – ROM.

CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE – CONAMA. Resolução nº 273 de 29 de novembro de 2000. Estabelece diretrizes para o licenciamento ambiental de postos de combustíveis e serviços e dispõe sobre a prevenção e controle da poluição. Diário Oficial da União (Brasília). 2001 Jan 05.

CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE – CONAMA. Resolução nº 335 de 03 de abril de 2003. Dispõe sobre o licenciamento ambiental de cemitérios. Diário Oficial da União (Brasília). 2003 maio 28.

CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE – CONAMA. Resolução nº 368, de 28 de março de 2006. Altera dispositivos da Resolução no 335, de 3 de abril de 2003, que dispõe sobre o licenciamento ambiental de cemitérios. Diário Oficial da União (Brasília). 2006 mar 29.

CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE – CONAMA. Resolução nº 402, de 17 de novembro de 2008. Altera os artigos 11 e 12 da Resolução nº 335, de 3 de abril de 2003. Diário Oficial da União (Brasília). 2008 nov 18.

COSTA SILVA, R. W.; Malagutti Filho, W. (2009). Cemitérios: fontes potenciais de contaminação. Ciência Hoje, 44 (263), 24-29.

DALTO, L. A.; Oliveira, J. N. de; Lollo, J. A. (2002). Avaliação Do Potencial Hídrico do Aqüífero Bauru em Votuporanga – SP. Ilha Solteira, SP.

DINIZ, H. N.; Michaluate, W. J. (2001). Interpretação de testes de vazão em poços tubulares profundos, dimensionamento e especificações de bombas submersas. São Paulo, curso, impresso. 91 p.

FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO AMBIENTAL – FEPAM. (2014). Licenciamento Ambiental. Rio Grande do Sul. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2014.

FOSTER, S; Hirata, R. (1993). Determinação do risco de contaminação das águas subterrâneas: um método baseado em dados existentes. São Paulo: Instituto Geológico.(Boletim Nº 10).

FOSTER, S.; Hirata, R. A.C.; Gomes, D.; D’élia, M.; Paris, M. (2006). Proteção da qualidade da águas subterrânea. Um guia para usuários de água, prefeituras municipais e agentes ambientais. Banco Mundial.

Grassi, M. T. (2001). As Águas do Planeta Terra. Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola Águas no planeta Terra, edição especial.

HEATH, R. C. (1982). Hidrologia Básica de Água Subterrânea. Título original: Geological Survey Water Supply Paper. Trad. WREGE, M. & POTTER, P. Associação Brasileira de Águas Subterrâneas Núcleo Sul-ABAS.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE [Internet]. Cadastro de Localidades, 2010. Acesso em 04 mar. 2014. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/cartografia/territ_localidades.shtm >.

IRITANI, M. A.; Ferreira, L. M. R.; Fernandes, A. J.; Ezaki, S(orgs). (2011). Projeto ambiental estratégico aqüíferos: síntese das atividades período 2007 – 2010 São Paulo: Instituto Geológico.

KEMERICH, P. D. da C.; Descovi Filho, L. L. V.; Ucker, F. E.; Correio, C.V. F. (2010). Influência dos Cemitérios na Contaminação da Água Subterrânea em Santa Maria – RS. Revista Águas Subterrâneas, 24 (1), 129-141.

KITANIDIS, P.K. (1997). Introduction to Geostatistics: Applications to Hydrogeology. Cambridge Univ, New York.

LAMDIM, B.M.; Monteiro, C.R.; Corsi, A. C. (2002) Introdução à confecção de mapas pelo software Surfer. UNESP. Campus Rio Claro,ICGC, Texto Didático 08. Acesso em: 10 ago. 2014. Disponível em: .

LEINZ, V.; Amaral, S. E. (1987). Geologia Geral. Editora Nacional. 8a edição.

MARILZA. Sedam licencia aterro sanitário de Vilhena [Internet]. 23 de julho de 2013. Acesso em:18 fev. 2015. Disponível em: .

OLIVEIRA, A.M. dos S.; Brito, S. N. A. de. (1998). Geologia de Engenharia. Associação Brasileira de Geologia de Engenharia, São Paulo.

PACHECO, A. (1986). Os cemitérios como risco potencial para as águas de abastecimento. Revista do Sistema de Planejamento e da Administração Metropolitana, 17, 25-37.

TERRA, L. G., Löbler, C. A., Silva, J. L. S. (2013). Estimativa da Vulnerabilidade à Contaminação dos Recursos Hídricos Subterrâneos do Município de Santiago-RS. Rev. Elet. em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 10(10), 2208-2218.

VENÂNCIO, L.T; Vidal, C.M de S; Moisa, R.E. (2008). Avaliação da percepção da importância da gestão ambiental em postos de combustíveis localizados na cidade de Irati, PA. Rev. Ambiência, 4(3), 397-417.

YANXUN, S; Yani, W; Hui, Q; Yuan, F. (2011). Analysis of the Groundwater and Soil Pollution by Oil Leakage. Journal of SciVerse ScienceDirect, 11 (Part.B), 939-944.

WREGE, M. (1997). Termos Hidrogeológicos Básicos. Caderno Técnico nº 4 da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas. São Paulo, 32 p.

ZUFFO, C. E.; Abreu, F. A. M. ; Cavalcante, I. N.; Nascimento G. F. (2009). Águas Subterrâneas em Rondônia: Análise Estatística de Dados Hidroquímicos, Organolépticos e Bacteriológicos. Revista do Instituto Geológico, 30 (1/2), 45-59.

ŻYCHOWSKI, J. (2012). Impact of cemeteries on groundwater chemistry: A review. Journal of Catena, 93, 29-37.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130819943

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.