RECUPERAÇÃO AMBIENTAL NA DISPOSIÇÃO DE ESTÉRIL EM MINERAÇÃO DE CALCÁRIO

Evandro Gomes dos Santos, Raul Oliveira Neto, Luciana Arnt Abichequer, Luis Eduardo de Souza, Renato Marques, Ítalo Gomes Gonçalves

Resumo


Os estéreis e os rejeitos são os principais resíduos gerados pela mineração, merecendo atenção no que diz respeito a seu correto manuseio e destinação. Apesar da lavra de calcário, comumente, compreender operações unitárias básicas, ao longo dos anos movimenta grandes volumes de estéril que é depositado em pilhas. Neste contexto, o presente trabalho visa avaliar e propor melhorias aos aspectos construtivos da pilha em estudo, identificando os impactos ambientais e propondo as medidas mitigadoras e compensatórias cabíveis. Para obtenção dos dados, foi realizado levantamento topográfico e processamento dos mesmos, primeiramente na planilha Excel e posteriormente nos softwares Surfer e Autocad. Na avaliação de impacto ambiental foi utilizada a matriz de Leopold e parâmetros da ISO 14001, definindo-se critérios de hierarquização da significância dos impactos. O levantamento geométrico realizado apontou problemas quanto à conformação de taludes e bermas, apesar de fatores como altura máxima e conservação de áreas de preservação permanente estarem de acordo. Quanto à estabilidade, os valores de fator de segurança estão, em média, de acordo com a legislação, que determina um mínimo de 1,5, entretanto, alguns taludes intermediários não alcançam este valor. Há, também, zonas que não atendem às boas práticas propostas, como ângulo de talude inferior a 36º, porém, em toda a pilha não são verificados sinais de ruptura. A avaliação de impacto ambiental realizada constatou que 50% dos impactos são graves e 50% são médios, aos quais foram propostas medidas mitigadoras e compensatórias e planos de ação e monitoramento. Como conclusão, pode-se dizer que a pilha atende somente em parte às normas e boas práticas, sendo de fundamental importância a implantação das medidas e de plano de ação propostos.

Palavras-chave


Recuperação ambiental; Estéril; Mineração; Calcário.

Texto completo:

PDF

Referências


ABNT/ISO 14.001:2004. Sistema de gestão ambiental: requisitos com orientações para uso, Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, 27 pág.

ABNT/NBR 13.029: 2006 e 1993- Elaboração e apresentação de projeto de disposição de estéril, em pilha, em mineração, Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, 8 pág.

ABNT/NBR 15.495-1: 2007 - Poços de monitoramento de águas subterrâneas em aquíferos granulares. Parte 1: Projeto e construção, Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, 25 pág.

ABNT/NBR 15.495-2: 2008 - Poços de monitoramento de águas subterrâneas em aquíferos granulares. Parte 2: Desenvolvimento, Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, 24 pág.

ALANO, M. A. V. Pesquisa de calcário – Caieiras, Caçapava do Sul, RS. Relatório final inédito, Porto Alegre. (1977)

BATES, J. Barragens de Rejeitos. 1ª edição. São Paulo: Signus Editora, 122 pág. (2002).

BISHOP, A. W., MORGENSTERN, N. Stability Coefficients for Earth Slopes. Géotechnique, Vol. 10, N° 4, pág. 164-169. (1960).

CPRM - Serviço Geológico do Brasil. Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil. Cachoeira do Sul, Folha SH.22-Y-A. Estado do Rio de Grande do Sul. Escala 1:250.000. Organizado por Carlos Alfredo Porcher e Ricardo da Cunha Lopes. Brasília: CPRM. (2000)

DAGOBERTO BARCELLOS. Balanço social, Caçapava do Sul, 2009.

DORNELES, F. T. Controle e Previsão de Vibrações e Ruídos Gerados por Desmonte de Rochas com Explosivos. Trabalho de conclusão de curso, Universidade Federal do Pampa, Tecnologia em Mineração, 96 pág. (2013).

DNPM, Departamento Nacional de Produção Mineral. Normas Regulamentadoras de Mineração – NRM 19. Rio de Janeiro, pág. 74 - 82. (2001).

MACIEL FILHO, C. L. Introdução à geologia de engenharia, 3º ed. atual. Santa Maria: ed. da UFSM, 310 pág. (2008).

MASSAD, F. Obras de Terra: Curso Básico de Geotecnia, 2º ed. com exercícios resolvidos. São Paulo: ed. Oficina de Textos, 216 pág. (2010).

MICHELE, C. R. B., HERNANI, M. L., ALOISIO, R. P. Um estudo do aumento da resistência ao cisalhamento em solos revegetados com vetiver. 6º CBMina. (2010)

NETO, C. B. V. Aplicação das técnicas de refração e reflexão sísmica em uma área de mineração de calcário em Caçapava do Sul – RS. Universidade Federal do Pampa. Trabalho de conclusão de curso. 63 pág. (2011)

PETRONILHO, M. R. Avaliação do comportamento geotécnico de pilhas de estéril por meio de análise de risco. Dissertação de Mestrado, 137 pág. (2010).

RESOLUÇÃO CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005.

SAMPAIO, J. A., ALMEIDA, S. L. M., 2005. Calcário e Dolomito – Capítulo 15. Comunicação Técnica elaborada para Edição do Livro Rochas & Minerais Industriais: Usos e Especificações Pág. 327 a 350 - CETEM. (2005).

SÁNCHEZ, L. H. Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. São Paulo: ed. Oficina de Textos, 495 pág. (2008).

SILVA, A. P. M., VIANA, J. P., CAVALCANTE, A. L. B. Resíduos Sólidos da Atividade de Mineração. Caderno de Diagnostico, 41 pág. (2011).

SILVA, J. O. Perfil do calcário (Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral - SGM - Ministério de Minas e Energia – MME). Relatório Técnico nº 38 do Projeto de Assistência Técnica ao Setor de Energia – Projeto ESTAL, 56 pág. (2009).

ZHOU, J., SHI, C, XU, F. Geotechnical Characteristics and Stability Analysis of Rock-Soil Aggregate Slope at the Gushui Hydropower Station, Southwest China. Hindawi Publishing Corporation - The Scientific World Journal. Artigo, 16 pág. (2013).




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130818713

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.