A LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: DESAFIOS PARA A REALIDADE BRASILEIRA

Sergio Thode Filho, Carlos José Saldanha Machado, Rodrigo Machado Vilani, Julieta Laudelina Paiva, Mônica Regina da Costa Marques

Abstract


O presente trabalho buscou apresentar a problemática vivida pelos grandes centros urbanos e  pelo Brasil como um todo, quanto a enorme quantidade de resíduos gerados e a incorreta destinação dos mesmos. Apontando que houve um crescimento em atividades ligadas a reciclagem, mas que frente ao crescimento na geração dos resíduos, a participação efetiva destas iniciativas ainda é irrelevante. O artigo trouxe o papel e a evolução das práticas de logística reversa e em paralelo a implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Legislação  esta que define a logística reversa como  sendo a forma pela qual a sociedade e as empresas irão conduzir  a correta destinação dos resíduos sólidos, sendo relevante observar que a eficácia plena da legislação (PNRS) depende de uma cadeia de atores, planejamento técnico e recursos humanos e ambientais para a sua concretização. O estudo proposto trouxe descrições e análises baseadas em informações levantadas por meio de uma metodologia qualitativa estruturada em torno da técnica de leitura de fontes secundárias. O trabalho apontou uma evolução na utilização da logística reversa e consequentemente na adequação a lei 12.305 (PNRS), mas concluiu que tal crescimento não foi relevante perante a constante evolução do consumo e geração de resíduos pela população brasileira. Deixando espaço para que novos estudos sobre os assuntos logística reversa e PNRS sejam realizados e novas propostas possam surgir, dando sequencia ao atual estudo.

Keywords


Resíduo sólido; Logística Reversa; Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

References


ABRELPE. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, 2013. Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. Disponível em: . Acesso em 20 de Novembro de 2014.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO 14001:2004 – Sistema de gestão ambiental – Requisitos com orientação para uso. Rio de Janeiro, 2004.

BRASIL, Decreto N° 7.404/2010 - Casa Civil da Presidência da República do. (23 de 12 de 2010). Planalto. Acesso em 07 de 2013, disponível em Planato.gov.br.

BRASIL. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Logística reversa. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2014.

BALLOU, R. H. (1999). Businesss Logistics Management. New Jersey: Prentice Hall.

BARBIERI, Jose Carlos. (2004). Gestão Ambiental Empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva.

BARBIERI, J. C.; DIAS, M. Logística reversa como instrumento de programas de produção e consumo sustentáveis. Tecnologística, v. 1, n. 77, p. 58-69, 2002.

CAMPOS, H. K. T. Renda e evolução da geração per capita de resíduos sólidos no Brasil. Eng. Sanitária. Ambiental, v. 17, n. 2, p. 171-180, 2012.

CHAVES, G. L. D.; BATALHA, M. O. Os consumidores valorizam a coleta de embalagens recicláveis? Um estudo de caso da logística reversa em uma rede de hipermercados. Gestão & Produção, v. 13, n. 3, p. 423-434, 2006.

DAHER, C. E; SILVA, E. P. S.; FONSECA, A. P. Logística Reversa: Oportunidade para Redução de Custos através do Gerenciamento da Cadeia Integrada de Valor. Brazilian Business Review, v. 3, n. 1, p. 58-73, 2005.

Dornier, P.-P. (2000). Logística e Operações Globais. São Paulo: Atlas.

ETHOS, I. (2012). ETHOS. Acesso em 07 de 2013, disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/Decreto/D7404.htm

GONÇALVES, P. Gestão de Resíduos Sólidos: Conceitos, Experiências e Alternativas. In: Seminário Cadeia Produtiva da Reciclagem e Legislação Cooperativista, Juiz de Fora, MG, 2006.

GOUVEIA, N. Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciênc. saúde coletiva, v. 17, n. 6, p. 1503-1510, 2012.

ILOS. (2013). Instituto de Logistica e Supply Chain. Fonte: ILOS: http://www.ilos.com.br/web/index.php?searchword=logistica+reversa&ordering=&searchphrase=all&Itemid=200001&option=com_search〈=br

Instituto Estadual do Ambiente . (2008). INEA. Acesso em 06 de 2013, disponível em INEA:

http://www.inea.rj.gov.br/fma/gerenciamento-residuos-objetivo.asp

IPEA. (2012). Diagnóstico dos Resíduos Sólidos Industrias. Brasília.

LEITE, P. R. (2009). Logistica Reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Pearson.

LEITE, P. R. (2011). Conselho de Logistica Reversa do Brasil. Acesso em 05 de 2013, disponível em Conselho de Logistica Reversa do Brasil: http://www.clrb.com.br/site/

LISSANDRO O, P., Toledo, P. F., Furtado O, N., & Victer, W. (06 de 10 de 2012). Meio Ambiente não é um problema. XXII ENBRA. Rio de Janeiro, Brasil: CRA-RJ.

MACHADO, P. A. L. Direito ambiental brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2013.

MACHADO, C. J. S.; TEIXEIRA, B. M.; VILANI, R. M. O processo de licenciamento ambiental e a fase do descomissionamento da indústria do petróleo no Brasil. In: IX CNEG Congresso Nacional de Excelência em Gestão. Anais eletrônicos... Niterói: UFF, 2013. Disponível em: . Acesso em: 04 jan. 2014.

MEIRELES, M. E. F.; ALVES, J. C. M. Gestão de resíduos: As possibilidades de construção de uma rede solidária entre associações de catadores de materiais recicláveis. In. VII Congresso Nacional de Excelência em Gestão, 2011.

MILARÉ, É. Direito do ambiente. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000.

MONTEIRO, J. H. P.; ZVEIBIL, V. Z. Manual de gerenciamento integrado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro: IBAM, 2001.

NETO, T. J. P. A Política Nacional de Resíduos Sólidos: Os Reflexos nas Cooperativas de Catadores e a Logística Reversa. Revista Diálogo, v. 18, p. 77-96, 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Rio de Janeiro: ONU, 1992. Disponível em: . Acesso em: 11 fev. 2014.

PLANO NACIONAL RESÍDUOS SÓLIDOS, M. d. (2012). Plano Nacional de Resíduos Sólidos.Brasília. Professionals, C. o. (s.d.). Council of Supply Chain Management Professionals. Fonte: CSCMP: http://cscmp.org/

REVLOG. Grupo de Estudos de Logística Reversa. Disponível em: . Acessoem: 20 jul. 2012.

ROGERS, D. S., & Tibben- Lembke, R. (1999). Going Backwards: Reverse Logistics Trends and Practices.

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE. (06 de 2013). Secretaria de Estado do Ambiente - RJ. Acesso em 06 de 2013, disponível em http://www.rj.gov.br/web/informacaopublica/listaconteudo?search-type=busca&group-id=1034622&search-params=lixao&search-location=0

SILVA, E. R.; CARMO, E. C. L.; GONÇALVES, P.; BENTO, R. F. P.; MATTOS, U. A. O. Planejamento participativo para a implantação da coleta seletiva solidária no estado do Rio de Janeiro, RJ: Ações e resultados. In. VI Congresso Nacional de Excelência em Gestão, 2010.

SOUZA, M. T. S.; PAULA, M. B.; SOUZA-PINTO, H. O papel das cooperativas de reciclagem nos canais reversos pós-consumo. Revista de Administração de Empresas, v. 52, n. 2, p. 246-262, 2012.

UNIVERSITY, Y. (2012). Environmental Perfomance Index - EPI.Acesso em 20 de 02 de 2013, disponível em Environmental Perfomance Index - EPI: http://epi.yale.edu/epi2012/rankings

VERDE, P. (06 de 2013). Blog do Partido Verde. Acesso em 06 de 2013, disponível em Partido Verde: http://pv.org.br/2013/06/05/dia-mundial-do-meio-ambiente-64-milhoes-de-toneladas-de-lixo-foram-produzidos-no-brasil-em-2012-24-milhoes-nao-tiveram-descarte-adequado/




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236117019322



This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

 

**************************************************

WE ARE ON FACEBOOK! (You are our guest!)

 

Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/22361170

Contact: reget.ufsm@gmail.com

...................................................................................


Accesses since 19/06/2012

...................................................................................

Sponsors: