OS BÁRBAROS ENTRE NÓS: SOBRE OS FUNDAMENTOS DA REPRESENTAÇÃO DA VIOLÊNCIA NA NARRATIVA BRASILEIRA

Julio Cezar Bastoni da Silva

Resumo


As desigualdades sociais brasileiras, forjadas pela colonização e com continuidade na nação independente, parecem ser representadas, em nossa narrativa, na forma de um imaginário cindido entre civilização e barbárie. Tais termos, próprios à antiga reflexão sobre a modernização, permanecem como uma possível via de tratamento do tema da violência enquanto aspecto localizável e mesmo apanágio da alteridade barbarizada, identificada em especial às classes populares. O artigo pretende, por meio de comentários sobre algumas obras centrais de nossa tradição literária, buscar e refletir sobre recorrências formais e aspectos que possam, ainda hoje, ser fundadores da representação da violência na narrativa brasileira.

Palavras-chave


Narrativa brasileira; Violência; Civilização e barbárie; Imaginário; Alteridade

Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, Paulo Eduardo. A fratura brasileira do mundo. In: ______. Zero à esquerda. São Paulo: Conrad, 2004.

AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. In: ______. Ficção completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2005. v. 2, p. 439-633.

BOSI, Alfredo. A escravidão entre dois liberalismos. In: ______. Dialética da colonização. 4. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

CANDIDO, Antonio. Duas vezes ‘A passagem do dois ao três’. In: ______. Textos de intervenção. Org. Vinícius Dantas. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2002.

______. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos, 1750-1880. 11. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2007.

CHALHOUB, Sidney. Cidade febril: cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

CRUZ, Adélcio de Souza. Narrativas contemporâneas da violência. 2009. 228 f. Tese (Doutorado em Letras – Literatura comparada)—Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, 2009.

GALVÃO, Walnice Nogueira. No calor da hora: a Guerra de Canudos nos jornais; 4ª expedição. São Paulo: Ática, 1994.

______. Polifonia e paixão. In: ______. Euclidiana: ensaios sobre Euclides da Cunha. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 24-46

HANSEN, João Adolfo. A servidão natural e a guerra justa contra o bárbaro. In: NOVAES, Adauto (Org.). A descoberta do homem e do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p.347-373.

IANNI, Octavio. Civilização e barbárie. In: ______. Revolução e cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983, p. 11-26.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Ática, 2007.

KURZ, Robert. A biologização do social. In: ______. Os últimos combates. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997, p. 191-197.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Raça e história. In: ______. Antropologia estrutural dois. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1987, p. 328-366.

LINS, Paulo. Cidade de Deus. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

MACEDO, Joaquim Manuel de. As vítimas-algozes: quadros da escravidão. 4. ed. Porto Alegre: Zouk, 2005.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 edições, 2018.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista; O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2008.

PELLEGRINI, Tânia. As vozes da violência na cultura brasileira contemporânea. In: ______. Despropósitos: estudos de ficção brasileira contemporânea. São Paulo: Annablume, 2008.

RAMA, Ángel. Sistema literário e sistema social na América hispânica. In: ______. Literatura, cultura e sociedade na América Latina. Organizado po Pablo Rocca. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008, p. 113-130.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

RIO, João do (Paulo Barreto). Os livres acampamentos da miséria. In: ______. João do Rio: uma antologia. Org. Luís Martins. Rio de Janeiro: Sabiá, 1971, p. 51-59.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SCHWARZ, Roberto. Cidade de Deus. In: ______. Sequências brasileiras. São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p.163-171.

SÜSSEKIND, Flora. As vítimas-algozes e o imaginário do medo. In: ______. Papéis colados. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2002, p. 125-150.

VALLADARES, Licia do Prado. A invenção da favela: do mito de origem a favela.com. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

VARIKAS, Eleni. A escória do mundo: figuras do pária. São Paulo: Editora UNESP, 2014.

VENTURA, Roberto. Estilo tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

______. Retrato interrompido de Euclides da Cunha. São Paulo: Companhia das Letras,

ŽIŽEK, Slavoj. Violência: seis reflexões laterais. São Paulo: Boitempo, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5902/2176148542663

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Letras

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

                      

 

                

 

                

 

    

  

   

 

  

 

 

                                     QUALIS/CAPES: Letras B2

                              ISSN Versão Impressa: 1519-3985

                              ISSN Versão Digital: 2176-1485



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.