Língua em museu: institucionalização de um nós no recobrimento de um resto histórico

Claudia Regina Castellanos Pfeiffer

Resumo


Trata-se de um ensaio analítico que, a partir da Análise de Discurso, na suarelação com a História das Ideias Linguísticas, procura compreender parte do processo deinstitucionalização da língua portuguesa no Brasil tendo como arquivo a página eletrônicaque acolhe o discurso institucional do Museu da Língua Portuguesa, que, por sua vez, seconstitui em um discurso sobre (Mariani, 1998) a língua portuguesa.

Palavras-chave


Museu da Língua Portuguesa; Institucionalização; Política pública

Texto completo:

PDF

Referências


AUROUX, S. A Revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Ed. da Unicamp, 1992.

CERVO, L. M. Língua, patrimônio nosso. 2012. 196 f. Tese (Doutorado em Letras)−Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2012.

GUIMARÃES, E.; ORLANDI, E. Identidade lingüística. In: GUIMARÃES, E.; ORLANDI, E. (Org.). Língua e cidadania: o português no Brasil. Campinas: Pontes, 1996. p. 8-14.

GUIMARÃES, E.; ORLANDI, E. Formação de um espaço de produção lingüística: a gramática no Brasil. In: ORLANDI, E. (Org.). História das Idéias Lingüísticas: construção do saber metalingüístico e constituição da língua nacional. Campinas: Pontes; Cáceres: Unemat, 2001.

INDURSKY, F. A análise do discurso e sua inserção no campo das ciências da linguagem. Cadernos do Instituto de Letras da UFRGS, n. 20, dez. 1998.

MARIANI, B. O PCB e a imprensa: os comunistas no imaginário dos jornais (1922-1989). Rio de Janeiro: Revan; Campinas: Ed. da Unicamp, 1998.

MARIANI, B. Colonização lingüística; Brasil (séculos XVI a XVIII) e Estados Unidos da América (século XVIII). Campinas: Pontes, 2004.

ORLANDI, E. P. (Org.). Política lingüística na América Latina. Campinas: Pontes, 1992.

MARIANI, B. Ética e política lingüística. Línguas e Instrumentos Lingüísticos, Campinas: Pontes, n. 1, 1998a.

MARIANI, B. Discurso e argumentação: um observatório do político. Fórum Lingüístico, Florianápolis, n. 1, p. 73-81, jul./dez. 1998b.

MARIANI, B. (Org.). História das idéias lingüísticas: construção do saber metalingüístico e constituição da língua nacional. Campinas: Pontes; Cárceres: Unemat, 2001.

ORLANDI, E. P. Espaços linguísticos e seus desafios: convergências e divergências. RUA [online], n. 18, v. 2, nov. 2012.

PÊCHEUX, M. A. Análise de Discurso: três épocas (1983). In: GADET, F.; HACK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Ed. da Unicamp, 1997. p. 311-319.

PÊCHEUX, M. Les vérités de la Palice. Paris: Maspero, 1975.

PÊcheux, M. (Thomas Herbert). Reflexions sur la situation théorique des sciences sociales et, spécialement, de la psychologie sociale. Cahiers pour l’analyse, 2, p. 174-203, 1966.

PETRI, V. Gramatização das línguas e instrumentos linguísticos: a especificidade do dicionário regionalista. Língua e instrumentos lingüísticos, Campinas: RG Editora, n. 29, p. 23-37, jan./jun. 2012.

PFEIFFER, C. O saber escolarizado como espaço de institucionalização da língua. In: GUIMARÃES, E.; BRUM-DE-PAULA, M. R. (Org.). Sentido e memória. Campinas: Pontes, 2005. p. 27-40.

RODRÍGUEZ-ALCALÁ. Políticas públicas de direito à língua e consenso etnocultural: uma reflexão crítica. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Discurso e políticas públicas urbanas: a fabricação do consenso. Campinas: RG Editora, 2010. p. 127-160.

ROMÃO, L. M. S. Exposições do Museu da Língua Portuguesa: arquivo e acontecimento e(m) discurso. São Carlos: Pedro & João Editores, 2011.

SILVA SOBRINHO, J. S. Os nomes da língua do Brasil no Museu da Língua Portuguesa: uma questão política. Sínteses (Unicamp Online), v. 14, p. 386-404, 2009.

SILVA-SOBRINHO. J. S. “A língua é o que nos une”: língua, sujeito e Estado no Museu da Língua Portuguesa. 2011. 133 f. Tese (Doutorado em Linguística)−Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

ZOPPI-FONTANA, M. G (Org.). O português do Brasil como língua transnacional. Campinas: RG Editora, 2009.

ZOPPI-FONTANA, M. G; DINIZ, L. R. A. Declinando a língua pelas injunções do mercado: institucionalização do português língua estrangeira (ple). Estudos Lingüísticos, São Paulo, v. 37, p. 89-119, 2008.




DOI: https://doi.org/10.5902/2176148511750

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



 

                      

 

                

 

                

 

    

  

   

 

  

 

 

                                     QUALIS/CAPES: Letras A2

                              ISSN Versão Impressa: 1519-3985

                              ISSN Versão Digital: 2176-1485



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.