A rota cultural na senda da paisagem, da cultura, do patrimônio, das tradições, das lendas: o exemplo do Alto Barroso (Norte de Portugal)

António Sousa Pedrosa

Resumo


Rotas, percursos ou trilhos constituem valiosos guias que orientam a descoberta de um território desconhecido. A exploração de um espaço geográfico e a compreensão da sua identidade é um processo que implica uma relação longa e exigente entre o observador e o território. Este processo de conhecimento requer disponibilidade para permanecer, percorrer, ver, cheirar, sentir, interpretar, relacionar elementos, apreender padrões, identificar contrastes. Devido à morosidade e exigência deste processo, a riqueza e diversidade de uma paisagem permanecem frequentemente ocultas face ao olhar do turista. É precisamente este o papel desempenhado por uma rota turística, administrar e motivar o olhar interpretativo sem, no entanto, condicionar a liberdade de opção e o interesse pessoal do turista. Nesse sentido, uma rota turística não deve restringir-se ao traçar de um dado trajeto, tendo por missão dar visibilidade a todas as dimensões da paisagem e contribuir para a compreensão da interação de fatores que se encontram na sua génese. A concepção de uma rota original, tendo tema âncora a Paisagem cultural do Alto Barroso, Norte de Portugal, tem como objetivo demonstrar o nosso conceito de rota turística, salientando a sua inegável importância, enquanto instrumento de apoio à exploração de um território, sob o ponto de vista do turismo interpretativo, cultural e sensorial. É neste sentido que defendemos uma perspectiva inovadora dos territórios enquanto produto turístico e uma visão do turismo como eixo de mobilização de atores e dinâmicas de desenvolvimento. A rota aqui proposta pretende abranger a interpretação da paisagem, algumas vivências culturais dos povos do Alto Barroso e, ainda, sentir a essência dos territórios que constituem esta região. Tem como base um percurso para veículos motorizados, mas tivemos a preocupação de fazê-la passar por locais que permitem a ligação com percursos pedestres ou, pequenas rotas assinadas na região, para os quais já existe sinalização e informação disponibilizada por organismos locais, nomeadamente pelas Câmaras Municipais e pelo Ecomuseu do Barroso.

 

Palavras chave: Turismo cultural, Rota geocultural, Alto Barroso, Portugal.

 

DOI: 10.5902/223649949205


Texto completo:

PDF

Referências


ALCANTARA, L. Cintra. Trilhas interpretativas da natureza. monografia apresentada ao Centro de Excelência em Turismo – CET, da Universidade de Brasília- UnB, Brasilia, 2007, 73p.

BAPTISTA, José Dias. Montalegre. Municipio de Montalegre, ISBN 972-8012-30-6, 2006, 156p.

BORRALHEIRO, Rogério. Montalegre – Memórias e História. Barrosana, E.M. Montalegre, 2005.

Câmara Municipal de Boticas. Preservação dos hábitos comunitários nas aldeias do Concelho de Boticas. Câmara Municipal de Boticas, (s/d), 168p.

CARDOSO, Augusto Pedro. Honras e Couto: o contributo do livro do milhão a Honra de Barbosa e o Couto do Bustelo. Cadernos Vianenses, Viana do Castelo, 23, 1998, p. 113-148.

COSTA, João Gonçalves. Montalegre e Terras de Barroso - Notas Históricas Sobre Montalegre, Freguesias do Concelho e Região de Barroso. Volume I, 2.ª Edição, Braga, Edição da Câmara Municipal de Montalegre, 1987, 235p.

COSTA, Ricardo. A cultura castreja (c. III a.C. - I d.C.): a longa tradição de resistência ibérica. Revista Outros Tempos, São Luís Universidade Estadual do Maranhão (UEMA),volume 3, (ISSN 1808-8031), 2006, p. 37-58.

DRIES, Adri L.J. van den. The Art of Irrigation: The Development, Stagnation, and Redesign of Farmer-Managed Irrigation Systems in Northern Portugal. PhD thesis, 2002, 353p.

FAJARDO, Sérgio. Paisagem Rural e Território económico: Algumas considerações sobre essas possibilidades de leitura do espaço agrário. III Simpósio Nacional de Geografia Agrária – II Simpósio Internacional de Geografia Agrária, Jornada Ariovaldo Umbelino de Oliveira, Presidente Prudente, 2005, 10p. http://www4.fct.unesp.br/nera/publicacoes/singa2005/Trabalhos/Artigos/Sergio%20Fajardo.pdf, consultado em 3 de Outubro de 2011.

FONTES, António L. Cultura Popular da Zona do Barroso. Brigantia, Número 4, 1982, p.3-12.

FONTES, António L. Etnografia Transmontana (vol. I Crenças e tradições de Barroso; vol.2 O comunitarismo de Barroso). Lisboa, Editorial Domingos Barreira, 1992.

FONTES, António Lourenço. Cultura Popular da Zona do Barroso: Situação Geográfica – História Antiga e Moderna - Artes e Ofícios – Comunitarismo – Religiosidade Popular - Literatura Popular. Revista de Cultura- Brigantia, Volume II. N.º 4.Bragança, Escola Tipográfica, 1982, p. 417- 426.

FONTES, António; FONTE, Barroso. Usos e Costumes de Barroso. 2.ª Edição.Lisboa, Âncora Editora, 206p.

GONÇALVES, Paula Alexandra Couto. O Sagrado no Imaginário Barrosão e em Padre António Lourenço Fontes -Estudo Etnolinguístico, Mestrado em Ensino da Língua e da Literatura Portuguesas, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, 2008, 176p.

MARTINS, Nuno; COSTA Cláudia. Património, paisagens culturais, turismo, lazer e desenvolvimento sustentável. exedra - Turismo e Património, nº temático, 2009, p. 51-76

MORAIS, António Gonçalves. Barroso. RLu. Vol. XXV, Lisboa, Livraria Clássica Editora, 1925, p.275 – 282.

O’NEILL, Brian Juan. Proprietários, Lavradores e Jornaleiras (Desigualdade social numa aldeia transmontana, 1870-1978), Porto, Publicações Dom Quixote, 1984, 461p.

PEDROSA, A.S. Montanha – um espaço natural historicamente construido: o exemplo das montanhas do Noroeste de Portugal. Actas 2º Colóquio Ibero-americano de paisagem cultural, patrimônio e projeto - Desafios e perspetivas. Belo Horizonte: UFMG, 2012, v.1.

PEDROSA, A. S.; PEREIRA, A. (2008) - A Geografia e as Novas Estratégias de Desenvolvimento de Territórios Periféricos. Edição especial da revista Geografia. Ensino & Pesquisa (Anais do V Seminário Latino – Americano e I Ibero-Americano de Geografia Física – “aproximando experiências para a sustentabilidade de um ambiente globalizado”, Eixo 2, 12 (1), ISSN 0103 – 1538, Santa Maria, RS – Brasil, 2008, p. 151-178.

PEDROSA, A. S.; PEREIRA, A. A. Synergies between the cultural landscape and the developmente of “Alto Barroso” region: Linking multifunctional farming, traditional products and tourism offer, European Culture Expessed in Agricultural Landscape, Universidade de Cambridge, Cambridge, 2009a, 41p.

PEDROSA, A. S.; PEREIRA, A. Touring cultural e paisagístico no Alto Barroso: uma proposta integradora de patrimónios pela compreensão holística do território. II Jornadas Internacionais de turismo: Dinâmicas de rede no Turismo Cultural e Religioso, CEDTUR, Maia, Ponte de Lima, Arcos de Valdevez, 2009b, 35p.

PEDROSA, A.S.; PEREIRA, A. A paisagem cultural como linha de concepção de uma rota turística: o exemplo do Alto Barroso – Norte de Portugal, Revista Geonorte, Edição Especial, V.2, N.4, 2012, p.46 – 59.

PEDROSA, A.S.; PEREIRA, A. A paisagem cultural como ativo de desenvolvimento de espaços rurais tradicionais de baixa densidade. RODRIGUES, C. R; MERCANTE, M. A. (ogrs). Avaliação sócioambiental do dominio dos cerrados e pantanal: métodos e técnicas, Uberlândia: UFU, Campo Grande: Anhanguera-Uniderp, Capes, 2013, p. 37-68.

PEREIRA, A.; PEDROSA, A.S. (2010) - Alto Barroso region: placing cultural landscape at the core of the sense of place and at the centre of the economic strategy. 2nd Moravian Conference on Rural Research EURORURAL '10 – European Countryside under Globalization, Mendel University of Agriculture and Forestry Brno, Faculty of Agronomy, Department of Applied and Landscape Ecologyque, Brno -Czech Republic, 2010.

PEREIRA, A.; PEDROSA, A. S. Paisagem cultural das montanhas do Noroeste de Portugal: Um ciclo de construção, desestruturação e reconversão, Territorium, Revista da Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança, Nº14, 2007, p. 45-61.

PEREIRA, A.; SILVA, M.; PEREIRA, R. Serra de Arga: A marca como vector de desenvolvimento, Actas do VII CIER - Cultura, Inovação e Território, Tema II, Património: ambiente e diversidade cultural, Ed. ESAC; Coimbra, 2008, 37p. http://www.pluridoc.comSite/FrontOffice/default.aspx?module=Files/File Description& ID=2795&state=FD

PEREIRA, L.S.; SOUSA, V.S. Lameiros e prados de lima, uma paisagem das terras altas húmidas de Portugal. Comunicação apresentada no V Seminário Internacional CYTED-XVII. Un enfoque para la gestion sustentable del agua: Experiencias en zonas humedas, Universidad de Buenos Aires,), 2005, disponibilizado em (http://www.cyted.agua.uba.ar/V_SEM_ppt/Santos%20Pereira/html/index.html) (consultado em 15 de Outubro de 2011).

PÉREZ, Xerardo P. Turismo Cultural. Uma visão antropológica, El Sauzal (Tenerife. España): ACA y PASOS, RTPC., 2009, 307p.

PIRES, J.M. et.al. Lameiros de Trás-os-Montes. Perspectivas de futuro para estas pastagens de montanha. Série Estudos, Escola Superior Agrária. Edição do Instituto Politécnico de Bragança. 1994, 96 p.

PLÍNIO, o Velho. História Natural, Vol. XVI: RITTER, Eva; DAUKSTA, Dainis (2006) - Ancient Values and Contemporary Interpretations of European Forest Culture - reconsidering our understanding of sustainability in forestry; Small-scale forestry conference proceedings; Proceedings of IUFRO 3.08 Conference hosted by Galway-Mayo Institute of Technology, Galway, Ireland; 79, http://www.coford.ie/media/ coford/content/publications/projectreports/smallscaleforestryconference/Ritter.pdf

POÇAS, I., CUNHA, M; PEREIRA, L. Pastagens seminaturais de montanha: Lameiros, sistemas ancestrais no século XXI, Taller CYTED XVII. El agua en Ibero-América: tecnologias apropriadas e tecnologias ancestrales. Universidade de Piura-Peru, Lima, 2006.

POLANAH, Luís. A propósito do comunitarismo na serra do Gerês. Terras de Bouro o Homem e a Serra, Ed. Câmara Municipal Terras do Bouro, 1992, p. 57-66.

SANTOS JÚNIOR, Joaquim R. A Vezeira da Cabrada do Couto de Dornelas (Barroso) e Outras Vezeiras, Porto, Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia, Faculdade de Ciências do Porto, 1980.

SANTOS, N.; GRAVIDÃO, F.; CUNHA, L. Natureza, paisagens culturais e os produtos turísticos associados ao território. Actas do 4º Congresso Latino Americano de Investigação Turística., Montevideo, 2010, 26 p.

SILVA, P. Miguel Reis . Povoamento pro-Histórico do alto Tâmega: as mudanças do I milénio a,C. e a resistência do substrato indígena, dissertação de mestrado em Arqueologia, FLUP, Porto, 2010, 88p.

TABORDA, Vergílio. Alto Trás-os-Montes – Estudo Geográfico, Coimbra, Imprensa da Universidade, 1932.

TEIXEIRA, David José Varela. O Ecomuseu de Barroso. A nova museologia ao serviço do desenvolvimento local, Dissertação apresentada para a obtenção do grau de Mestre, em Património e Turismo, Universidade do Minho, Braga, 2005, 213 p.

Sítios consultados

http://www.cm-montalegre.pt/ (acedido em Maio de 2012)

http://www.ecomuseu.org/ (acedido em Maio de 2012)

http://www.cm-boticas.pt/ (acedido em Maio de 2012)

http://www.rotas.xl.pt/0203/a02-00-00.shtml (acedido em Outubro de 2011)




DOI: https://doi.org/10.5902/223649949205

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexações e Bases Bibliográficas