ESTAR TURISTA (TURI-ESTAR), DISCURSOS ESPACIAIS E SENTIDOS DE EFICIÊNCIA MULTITERRITORIAL: UMA BREVE ANÁLISE DO PLANO AQUARELA (2003-2006) / EMBRATUR

Almir Nabozny, Cleder Fontana

Resumo


Esse ensaio busca discutir como os sentidos de se fazer turismo (turi-estar) perpassam por dimensões multitterritoriais. Enquanto exercício de nossa indagação faremos uma breve apreciação do Plano Aquarela (2003-2006), plano esse de metas, dados, entre outras questões, atinentes a divulgação turística do Brasil no exterior, vinculado ao Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur). Ante debateremos algumas questões referentes a formação dos sentidos no âmbito de turi-estar. Posteriormente, nosso argumento perpassa por uma efetivação dos discursos dos sentidos plurais por meio de uma cultura capitalista. Na análise efetiva das ações da Embratur no âmbito do Plano Aquarela, destacamos como suas ações contém estratégias espaciais concatenando apropriações representativas e possíveis usos efetivos de espacialidades (multi-localizadas) na efetivação dos sentidos daqueles (estrangeiros) que buscam se estabelecer em temporalidades específicas no espaço brasileiro, valendo-se de suas potencialidades em multiterritorializar-se.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/223649947366

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexações e Bases Bibliográficas