Transição para a produção orgânica via Organização de Controle Social do Grupo Bem-Estar, Ladário-MS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2236499464359

Palavras-chave:

Agroecologia, Agricultura Familiar, Produção orgânica.

Resumo

Este trabalho foi desenvolvido junto aos agricultores familiares membros do Grupo Bem-Estar de Ladário-MS, na fronteira Brasil-Bolívia, que estão em processo de transição agroecológica. O objetivo principal deste artigo é relatar as percepções dos participantes do Grupo Bem-Estar na implementação da certificação orgânica em sua propriedade e discutir as dificuldades para sua efetivação. Foram entrevistadas seis famílias e participou-se de duas reuniões para formalização da Organização de Controle Social (OCS). O grupo estudado considera a certificação importante, mas mantém a resistência quanto as anotações das informações.

Biografia do Autor

Edgar Aparecido da Costa, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Geógrafo, mestre e doutor em Geografia, professor do curso de Geografia e do Mestrado em Estudos Fronteiriços da UFMS, câmpus do Pantanal.

Bárbara Marcela de Castro Martins, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduanda em Geografia da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). Campus do Pantanal

Elisângela de Souza Cunha, Escola Estadual Dom Bosco, Corumbá/MS

Licenciada em Geografia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Campus do Pantanal. Professora da Escola Estadual Dom Bosco, Corumbá/MS

Referências

BARANSKI, M. et al. Higher antioxidant and lower cadmium concentrations and lower incidence of pesticide residues in organically grown crops: a systematic literature review and meta-analyses. British Journal of Nutrition, v. 112, p. 794-811, jul. 2014. Disponível em https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24968103. Acesso em 24 fev. 2020. doi: 10.1017/S0007114514001366.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos. Brasília: Mapa, 2019. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/sustentabilidade/organicos/cadastro-nacional-produtores-organicos. Acesso em 04 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n. 46. Estabelece o Regulamento Técnico para os Sistemas Orgânicos de Produção Animal e Vegetal. Brasília: Mapa, 2011. Disponível em https://www.jusbrasil.com.br/diarios/DOU/2011/10/07. Acesso em 04 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Controle social na venda direta ao consumidor de produtos orgânicos sem certificação. Brasília: Mapa/ACS, 2009.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Decreto Nº 6.323, de 27 de dezembro de 2007. Brasília: Diário Oficial da União, 2007. Seção 1, Páginas 2 a 8. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Decreto/D6323.htm. Acesso em 04 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Lei Nº 10831, de 23 de dezembro de 2003. Brasília: Diário Oficial da União, 2003, Seção 1, Página 8. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.831.htm. Acesso em 04 abr. 2020.

CAPORAL, F. R. Agroecologia: uma nova ciência para apoiar a transição a agriculturas mais sustentáveis. Brasília: MDA/SAF, v. 1, 2009.

CASSOL, A.; SCHNEIDER, S. Produção e consumo de alimentos: novas redes e atores. Lua Nova, São Paulo, n. 95, p. 143-177, 2015. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/ln/n95/0102-6445-ln-95-00143.pdf. Acesso em 02 fev. 2020.

COSTA, E. A.; ZARATE, S. S.; MACEDO, H. A. Principiar do desenvolvimento territorial no assentamento rural 72, em Ladário-MS, Brasil. In: SAQUET, M. A. et al. Geografia da e para a cooperação ao desenvolvimento territorial: experiências brasileiras e italianas. São Paulo: Editora Outras Expressões, 2012, p. 125-145.

CRINNION, W.J. Organic foods contain higher levels of certain nutrients, lower levels of pesticides, and may provide health benefits for the consumer. Alternative Medicine Review, v. 15, n. 1, p. 4-12, 2010. Disponível em http://www.altmedrev.com/archive/publications/15/1/4.pdf. Acesso em 03 mar. 2020.

DI FÁBIO, E.; COSTA, E. A.; FEIDEN, A. Comercialização de produtos em transição agroecológica dos camponeses do grupo bem-estar de Ladário-MS. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL, 1; JORNADA QUESTÃO AGRÁRIA E DESENVOLVIMENTO, 4. 2017. Marechal Cândido Rondon, PR. Interdisciplinaridade e desenvolvimento rural sustentável. Anais... Marechal Cândido Rondon, PR: UNIOESTE, 2017. Disponível em http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/172812/1/COMERCIALIZACAO-Edison.pdf. Acesso em 20 nov. 2019.

FAVERET FILHO, P. et al. Agricultura Orgânica: Quando o passado é futuro. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 15, p. 3-34, mar. 2002. Disponível em http://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/2479. Acesso em 15 mar. 2019.

FAVERO, E., & SARRIERA, J. C. Extensão rural e intervenção: velhas questões e novos desafios para os profissionais. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 12, n. 1, p. 1-16, 2009. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v12i1p1-16.

FONSECA, M. F. A. C. A institucionalização dos mercados de orgânicos no mundo e no Brasil: uma interpretação. 2005. 476 f. Tese (doutorado em Sociologia) - Seropédica: UFRuralRJ, ICHS, CPDA, 2005. Disponível em https://www.ciorganicos.com.br/wp-content/uploads/2013/09/Mercado-organicos-MFFonseca.pdf. Acesso em 15 mar. 2019.

FRISON, E.; ROVER, O. J. Entraves para a certificação orgânica do leite numa central cooperativa de agricultores familiares do oeste catarinense. Rev. Bras. de Agroecologia, v. 9, n. 2, p. 70-83, 2014. Disponível em http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/15377. Acesso em 15 mar. 2019.

GALHARDO, L. R.; SILVA, L. F. S.; LIMA, A. S. F. Produtores orgânicos no Brasil e seus organismos certificadores. Revista Ciência, Tecnologia & Ambiente, v. 8, n. 1, p. 37-45, 2018. Disponível em http://www.revistacta.ufscar.br/index.php/revistacta/article/view/129. Acesso em 02 fev. 2020. http://dx.doi.org/10.4322/2359-6643.08105.

HAAS, J. M.; RAMBO, A. G.; BOLTER, J. A. G. Os Núcleos de Estudo em Agroecologia e Produção Orgânica (NEA) enquanto mecanismos de desenvolvimento regional: algumas considerações. Colóquio, Revista do Desenvolvimento Regional, Taquara/RS, Edição Especial II SNDR, p. 185-205, jan. 2019. Disponível em https://seer.faccat.br/index.php/coloquio/article/view/1222. Acesso em 02 fev. 2020. https://doi.org/10.26767/coloquio.v16i2.1222.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo agropecuário 2017. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/agricultura-e-pecuaria/21814-2017-censo-agropecuario.html. Acesso em 07 mai. 2020.

KUKIEL, E. D. G.; CUYATE, R.; COSTA, E. A. O efeito fronteira em Corumbá e Ladário, MS, Brasil: breve olhar sobre a construção civil e produção de hortaliças. Revista GeoPantanal, v. 7, n.13, p. 113-126, 2012.

LIN, L., ZHOU, D.; MA, C. Green food industry in China: Development, problems and policies. Renewable Agriculture and Food Systems, v. 25, n. 1, p. 69-80, 2010. Acesso em 10 mai. 2020. DOI: https://doi.org/10.1017/S174217050999024X.

LUIZZI, D., FERREIRA, J. D., SCHNEIDER, M. B. O comércio internacional de produtos orgânicos: atuação do Brasil e de países atuantes no setor. Caderno de Administração, v. 24, n. 2, p. 72-88, 2016. Disponível em http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CadAdm/article/view/32725. Acesso em 20 mai. 2020. https://doi.org/10.4025/cadadm.v24i2.32725

MAAS, L.; MALVESTITI, R.; GONTIJO, L. A.; VERGARA, L. G. L. Agricultura orgânica: uma tendência saudável para o produtor. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 35, n. 1, p. 75-92, jan./abr. 2018. Disponível em https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/184821/1/Agricultura-organica-uma-tendecnia.pdf. Acesso em 20 fev. 2020.

MARQUES, P. E. M.; GASPARI, L.; ALMEIDA, B. Organização de Controle Social (OCS) e engajamento agroecológico das famílias do assentamento Milton Santos no estado de São Paulo. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 25, n. 3, p. 545-560, 2017. Disponível em https://revistaesa.com/ojs/index.php/esa/article/view/ESA25-3_04_organizacao. Acesso em 03 mar. 2020. https://doi.org/10.36920/esa-v25n3-4.

MATOS, A. K. V. Revolução verde, biotecnologia e tecnologias alternativas. Cadernos da FUCAMP, v. 10, n. 12, p. 1-17, 2011. Disponível em http://www.fucamp.edu.br/editora/index.php/cadernos/article/view/134. Acesso em 03 mar. 2020.

MOREIRA, J. G.; BECKER, C. Implantação de um sistema participativo de certificação orgânica pelos assentados da reforma agrária: o caso do OCS Cerro dos Munhoz em Santana do Livramento (RS). ACTA Geográfica, Boa Vista, v.12, n. 28, p. 1-16, jan./abr. de 2018. Disponível em https://revista.ufrr.br/actageo/article/view/4155. Acesso em 05 mai. 2020. http://dx.doi.org/10.5654/acta.v12i28.4155.

MOREIRA, R. J. Críticas ambientalistas à revolução verde. Estudos sociedade e agricultura, v. 15, p. 39-52, out. 2000. Disponível em https://revistaesa.com/ojs/index.php/esa/article/view/176. Acesso em 07 abr. 2020.

NEVES, M. C. P. Cadeia de produtos orgânicos: aspectos relacionados com a qualidade e o mercado. Documentos. Rio de Janeiro: Embrapa Agrobiologia, 2004. Disponível em https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/627841/1/doc185.pdf. Acesso em 02 fev. 2020.

PADOVAN, D. S. S. Avanços e desafios no processo de certificação da produção orgânica no Estado de Mato Grosso do Sul. 2016. 133 f. Dissertação (Mestrado em Agronegócios) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2016. Disponível em http://repositorio.ufgd.edu.br/jspui/bitstream/prefix/1360/1/DeniseSoaresdaSilvaPadovan.pdf. Acesso em 02 jun. 2020.

PERON, V.; COSTA, E. A.; ARRUDA, J. C. C. Definição de preços de produtos agroecológicos: o caso do Grupo Bem-Estar no assentamento 72, em Ladário/MS. Cadernos de Agroecologia, v. 13, n. 2, dez. 2018. Disponível em http://cadernos.aba-agroecologia.org.br/index.php/cadernos/article/view/2255. Acesso em 05 mai. 2020.

PINHA, G. A.; ALMEIDA, R. A. As feiras agroecológicas da Reforma Agrária em Três Lagoas/MS: produção sustentável e consumo informado. Cadernos de agroecologia, v. 13, n. 2, p. 1-10, 2018. Disponível em http://cadernos.aba-agroecologia.org.br/index.php/cadernos/article/view/2209. Acesso em 10 jun. 2020.

PINHEIRO, K. H. Produtos orgânicos e certificação: o estudo desse processo em uma associação de produtores do município de Palmeira-PR. 2012. 116 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2012. Disponível em http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/582. Acesso em 05 jun. 2020.

PIZZAIA, L. G. E.; LEAL, L. S. G.; FERRAZ, J. M. G.; QUEDA, O. A Organização de Controle Social no mercado de orgânicos: um estudo de caso. In: SIMPÓSIO REFORMA AGRÁRIA E QUESTÕES RURAIS, 8. 2018. Anais... Araraquara, 2018. p. 1-16. Disponível em https://www.uniara.com.br/legado/nupedor/nupedor_2018/4B/7_Luiz_Pizzaia.pdf. Acesso em 05 jun. 2020.

POZZEBON, L.; RAMBO, A. G.; GAZOLLA, M. As cadeias curtas das feiras coloniais e agroecológicas: autoconsumo e segurança alimentar e nutricional. Desenvolvimento em questão, Editora Unijuí, ano 16, n. 42, p. 405-441, jan./mar. 2018. Disponível em https://www.redalyc.org/jatsRepo/752/75253741020/html/index.html. Acesso em 02 jun. 2020. https://doi.org/10.21527/2237-6453.2018.42.405-441.

SAMBUICHI, R. H. R.; MOURA, I. F.; MATTOS, L. M.; ÁVILA, M. L.; SPÍNOLA, P. A. C.; SILVA, A. P. M. Introdução. In. ______ (Org.). A política nacional de agroecologia e produção orgânica no Brasil: uma trajetória de luta pelo desenvolvimento rural sustentável. Brasília: IPEA, 2017. p. 11-22.

SANTOS, L.; BIDARRA, Z.; SCHMIDT, C.; STADUTO, J. Políticas públicas para o comercio de produtos orgânicos no Brasil. Rev. de Ciências Agrarias, Lisboa, v.40, n.2, p. 170-180, jun. 2017. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0871-018X2017000200017&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 20 mai. 2020. http://dx.doi.org/10.19084/RCA16131.

SILVA, E. S. C. O caminho da transição agroecológica para a produção orgânica do grupo bem-estar, do assentamento 72, Ladário-MS. 2019. 52 f. Monografia (Graduação em Geografia) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Corumbá, 2019. Disponível em https://ppgefcpan.ufms.br/repositorio-de-dissertacoes-2. Acesso em 20 fev. 2020.

SOUSA, A. A.; AZEVEDO, E.; LIMA, E. E.; SILVA, A. P. F. Alimentos orgânicos e saúde humana: estudo sobre as controvérsias. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 31, p. 513-517, 2012. Disponível em https://scielosp.org/pdf/rpsp/2012.v31n6/513-517/pt. Acesso em 27 out. 2019.

SOUZA, R. P.; BATISTA, A. P.; CÉSAR, A. S. As tendências da certificação de orgânicos no Brasil. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 27, n. 1, p. 95-117, 2019. Disponível em https://revistaesa.com/ojs/index.php/esa/article/view/ESA27-1_as_tendencias_da_certificacao. Acesso em 10 jun. 2020. https://doi.org/10.36920/esa-v27n1-5.

VRIESMAN, A. K.; OKUYAMA, K. K.; ROCHA, C. H., WEIRICH NETO, P. H. Assistência técnica e extensão rural para a certificação de produtos orgânicos da agricultura familiar. Revista Conexão UEPG, v. 8, n. 1, p. 138-149, 2012. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/279346534_ASSISTENCIA_TECNICA_E_EXTENSAO_RURAL_PARA_A_CERTIFICACAO_DE_PRODUTOS_ORGANICOS_DA_AGRICULTURA_FAMILIAR. Acesso em 30 out. 2019.

WEID, J. M. von der. Agroecologia e agricultura familiar para o aumento da segurança alimentar: uma visão geral. In. BOTELHO FILHO, F. B. (Org.). Agricultura familiar e desenvolvimento territorial: contribuições ao debate. Brasília: Universidade de Brasília, Núcleo de Estudos Avançados, v.5, n.17, 2005. p. 59-79.

Downloads

Publicado

2022-01-10 — Atualizado em 2022-01-12

Versões

Como Citar

Costa, E. A. da, Martins, B. M. de C., & Cunha, E. de S. (2022). Transição para a produção orgânica via Organização de Controle Social do Grupo Bem-Estar, Ladário-MS. Geografia Ensino & Pesquisa, 25, e37. https://doi.org/10.5902/2236499464359 (Original work published 10º de janeiro de 2022)

Edição

Seção

Produção do Espaço e Dinâmica Regional