Produção de arroz orgânico em assentamentos rurais no Rio Grande do Sul: práticas de organização coletiva e sua contribuição para a fixação do homem no campo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2236499464300

Palavras-chave:

assentamentos, arroz, produção orgânica

Resumo

Ao analisarmos temáticas referentes à reforma agrária, a luta e a permanência na terra representam temas de grandes inquietações. Isto porque ser assentado não garante as plenas condições de produção. Assim, a luta é constante e diversas vezes, torna-se necessário que se busquem alternativas a uma produção convencional. Nesse contexto, o artigo busca abordar a produção de arroz orgânico em assentamentos rurais no Rio Grande do Sul, desde sua organização inicial, até os mecanismos que fazem com que atualmente esta seja a maior experiência em produção de arroz orgânico da América Latina. O histórico do desenvolvimento da cadeia produtiva tem demonstrado que a experiencia tem grande importância para o desenvolvimento socioeconômico, trazendo inúmeros benefícios para as famílias de assentados envolvidos, o que só é possível através da organização coletiva

Biografia do Autor

Michele Lindner, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Geógrafa, Especialista em Geociências e Mestre em Extensão Rural pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Doutora em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Campus Rio Claro, com período sanduíche na Universidade de Lisboa. Pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora Adjunta do Departamento de Geografia/ Instituto de Geociências/ UFRGS . Pesquisadora nos Grupos de Pesquisa Núcleo de Estudos Agrários (NEAG/UFRGS), Mercados Não-Agrícolas Rurais-UFRGS e Rede DATALUTA-UNESP.

Rosa Maria Vieira Medeiros, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduada em Geografia e mestre em Sociologia Rural pela Universidade do Rio Grande do Sul. Doutora em Geografia pela Université de Poitiers (França). Pós-doutorado na Université Du Maine (França). Professora Associada do Departamento de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Diretora do Centrp do Patrimônio e Cultura do Vinho (CEPAVIN) e Coordenadora do Núcleo de Estudos Agrários (NEAG). Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Agrária, estudando principalmente, reterritorialização; alternativas de reprodução social, polótica e econômica em assentamentos de Reforma Agrária; Sustentabilidade na agricultura; Vitivinicultura, patrimônio, cultura e turismo.

Referências

ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. 3.ed. ver. Ampl. – São Paulo, Rio de Janeiro: Expressão Popular, AS-PTA, 2012.

CAMPOS, C. S. S.; MEDEIROS, R. M. V. Avanços e contradições da produção orgânica nos assentamentos – o caso do arroz na Região Metropolitana de Porto Alegre. In: MEDEIROS, R. M. V.; LINDNER, M. (Org.). Assentamentos rurais, território, produção: novas alternativas no Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS: NEAG/UFRGS, Evangraf. 2014. p. 41-58.

CANDIOTTO, L. Z. P.; CARRIJO, B. R.; OLIVEIRA, J. A. de. A agroecologia e as agroflorestas no contexto de uma agricultura sustentável. In: ALVES, A. F.; CARRIJO, B. R.; CANDIOTTO, L. Z. P. (Org.). Desenvolvimento territorial e agroecologia. São Paulo: Expressão Popular, 2008. p. 213-232.

COCEARGS. Manual de Trabalho do Sistema Interno de Controle. Porto Alegre, RS: Mimeo, 2015.

FERNANDES, B. M. A formação do MST no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

INCRA. História da Reforma Agrária. 2020-a. Acesso em Mar. 2020. Disponível em: <http://www.incra.gov.br/pt/reforma-agraria/62-reforma-agraria/221-historia-da-reforma-agraria.html>. Acesso em 10 de jan. de 2020.

____. Projetos de Reforma Agrária Conforme Fases de Implementação. 2020-b. Acesso em Mar. 2020. Disponível em: <http://www.incra.gov.br/sites/default/files/uploads/reforma-agraria/questao-agraria/reforma-agraria/projetos_criados-geral.pdf>. Acesso em 26 de mar. 2020.

MARTINS, A. F. G. A produção ecológica de arroz nos assentamentos da região metropolitana de Porto Alegre: apropriação do espaço geográfico como território de resistência ativa e emancipação. 2017. 296p. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

MEDEIROS, R. M. V. et al. Cadeia produtiva do arroz ecológico nos assentamento da Região Metropolitana de Porto Alegre/RS: Análise territorial e ambiental. 2013. 38p. Relatório (Pesquisa) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul – NEAG/UFRGS, Porto Alegre.

MENEGON, L. et al. Produção de arroz agroecológico em assentamentos de reforma agrária no entorno de Porto Alegre. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 4, n. 2, 2009.

SILVA, L. O. Terras devolutas e latifúndio: efeitos da Lei de Terras 1850. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1996.

Downloads

Publicado

2022-01-10 — Atualizado em 2022-01-12

Versões

Como Citar

Lindner, M., & Medeiros, R. M. V. (2022). Produção de arroz orgânico em assentamentos rurais no Rio Grande do Sul: práticas de organização coletiva e sua contribuição para a fixação do homem no campo. Geografia Ensino & Pesquisa, 25, e36. https://doi.org/10.5902/2236499464300 (Original work published 10º de janeiro de 2022)

Edição

Seção

Produção do Espaço e Dinâmica Regional