A práxis no trabalho de campo: uma experiência em biogeografia

Luisa Renata Tacca Anghinoni, Pedro Murara, Alana Rigo Deon

Resumo


O texto objetiva refletir sobre como o trabalho de campo pode servir como recurso metodológico para a práxis do profissional da Geografia. Para isso, apresentamos um roteiro metodológico de trabalho de campo desenvolvido em âmbito da disciplina de Biogeografia na cidade de Florianópolis, que se pautou em três fases: gabinete (discussão da ementa da disciplina e levantamento de materiais bibliográficos e cartográficos acerca da área de estudo), trabalho de campo in loco (observação, descrição e interpretação dos dados) e o laboratório (análise, compreensão e representação refletidas através do relatório de campo). Por fim, as reflexões tidas a partir do trabalho de campo mostram que o território está em constante transformação em seus vários aspectos sociais, culturais, e econômico, por isso, entender como essas transformações se materializam nos lugares ainda continua sendo esse essencial para a formação de profissionais críticos e reflexivos acerca do seu campo de estudo, na perspectiva da práxis.


Palavras-chave


Biogeografia; Ensino de Geografia; Práxis; Trabalho de Campo

Texto completo:

HTML PDF

Referências


BERTRAND, G. Paisagem e Geografia física global. Esboço metodológico. Curitiba, ed. UFPR, nº8, p.141-152, 2004.

CALLAI, H. C.; MORAES, M.M. Educação Geográfica, cidadania e cidade. ACTA Geográfica, Boa Vista, Edição Especial 2017. pp.82-100.

CALLAI, H. C. A formação do profissional em geografia: o professor. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 2013.

CARUSO, M.M.L. O desmatamento da Ilha de Santa Catarina de 1500 aos dias atuais. Florianópolis: Ed. UFSC, 1990.

FERRETTI, O. E. Os espaços de natureza protegida na Ilha de Santa Catarina, Brasil. 2013. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

FURLAN, S. A. Técnicas de Biogeografia. In: VENTURI, L. A. B. Praticando Geografia: Técnicas de campo e laboratório. São Paulo: Oficina de Textos, 2005.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

AUTOR. Caminhos da Biogeografia. Caminhos da Geografia. Uberlândia. V.17, n.58, p. 168-179. Junho. 2016.

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática?. 5.ed. São Paulo: Cortez, 2009.

SILVA, J.L.; FERREIRA, F.A. Um recorte sobre a caracterização física e potencial geoecológico. Revista Geonorte. Edição Especial, V.3, N.4, p. 1306-1319, 2012.

SILVA, J.L. Os desdobramentos e conflitos da criação do Parque sob a ótica do modelo GTP (Geossistema-Território-Paisagem). 2014. 192f. Dissertação (Mestrado em Geografia) Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2014.

SCHEIBE, L.F. & TEIXEIRA, V.H. Mapa Geológico da Ilha de Santa Catarina, 1970.

VENTURI, L. A. B. A Técnica e a Observação na Pesquisa. In: VENTURI, L. A. B. (Org.) Práticas de Campos, Laboratório e Sala de Aula. São Paulo: Editora Sarandi, 2011.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236499437218

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexações e Bases Bibliográficas