Saber geográfico e educação para cidadania: experiências de uma oficina sobre a questão indígena

Amanda Christinne Nascimento Marques, Vivianne de Sousa

Resumo


O artigo objetiva discutir a questão indígena por intermédio de uma oficina realizada para estudantes da disciplina Prática de Ensino I e II do curso de licenciatura em Geografia da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, assim como indicar textos de autores que podem subsidiar o professor em sua prática docente. Partimos para uma reflexão pautada em questionamentos: por que as sociedades não têm os mesmos traços culturais? Não veem o mundo da mesma maneira? Por que é tão difícil descolar a imagem do índio daquela anunciada no período de contato? Por intermédio da concepção de cultura demonstramos que ela é transmitida por gerações, mas também é ressignificada através do espaço-tempo. Discutir a questão indígena na sala de aula se coloca como desafio para o professor, tendo em vista que estamos lidando com um conteúdo envolto de muitos juízos de valor. Geralmente, eles são reproduzidos via livros didáticos e no próprio imaginário social que se construiu acerca do indígena ao longo do tempo. Nesta perspectiva, território e cultura passam a ser os temas fundamentais para o entendimento da questão indígena no Brasil.


Palavras-chave


Cidadania; Cultura; Questão Indígena; Território

Texto completo:

HTML PDF

Referências


AMORIM, P. M. de. Índios camponeses: os Potiguara de Baía da Traição. (Dissertação de Mestrado em Antropologia Social) Rio de Janeiro: UFRJ/Museu Nacional, 1970.

ARRUTI, J. M. A morte e vida do nordeste indígena: a emergência étnica e o fenômeno regional. In: REVISTA ESTUDOS HISTÓRICOS. Rio de Janeiro: FGV, 1993. V. 15. Disponível em: www.cpdoc.fgv.br/revista/arq/165.pdf. Acesso em: 13 nov. 2005.

ARRUTI, J. M. Agenciamentos Políticos da “mistura”: Identificação étnica e segmentação Negro-Indígena entre os Pankararú e os Xocó. Estudos Afro-asiat, v. 23, n. 2. Rio de Janeiro: 2001. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em: nov. 2005.

ARRUTI, J. M. Emergência dos “remanescentes”: Nota para o diálogo entre indígenas e quilombolas. Mana Vol.3; Rio de Janeiro, 1997. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em: nov. 2005.

BARBOSA JUNIOR, F. de S. Os caboblos de Monte-Mór: identidade e resistência Potiguara. João Pessoa (Especialização em Direitos Humanos), UFPB, 2002.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1989.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2017. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/inicio>. Acesso em: dez. 2017.

BRASIL. Lei n. 11.645/2008, de 10 de março de 2008. Altera a lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática. Disponivel em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2008/lei-11645-10-marco-2008-572787-publicacaooriginal-96087-pl.html. Acesso em: dez. 2017.

CLAVAL, P. O Papel da Nova Geografia Cultural na Compreensão da Ação Humana. In: ROSENDHAL, Z; CORRÊA, R. L. Matrizes da Geografia Cultural. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001.

CALLAI, H. C. A Geografia e a escola: muda a Geografia? Muda o ensino? Terra Livre, São Paulo, n. 16, p. 133-152, 2001.

CUNHA, Manuela C. da. Política Indigenista no Século XIX. In: CUNHA, Manuela C. da (Org.). História dos Índios no Brasil. Ed. Companhia das Letras; 2. ed. São Paulo, 1992.

CHAUÍ, M. Brasil: Mito Fundador e Sociedade Autoritária. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 1989; 5. Reimpressão. (Série: História do Povo Brasileiro).

SCHNEIDER, A. Luiz. Charles Boxer (contra Gilberto Freyre): raça e racismo no Império Português ou a erudição histórica contra o regime salazarista. Estud. hist. (Rio J.) [online]. 2013, vol.26, n.52, pp. 253-273. ISSN 0103-2186.

CLAVAL, P. A geografia Cultural. Tradução de Luiz Fugazzola Pimenta e Margareth de Castro Afeche Pimenta. 2. ed., Florianópolis: Editora da UFSC, 2001.

FREYRE, G. (1900-1987). Casa-grande & Sensala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global, 2003.

OLIVEIRA, João Pacheco de. “A viajem de Volta” - reelaboração cultural e horizonte político dos povos indígenas no nordeste. Atlas das Terras indígenas no Nordeste. PETI/ Museu Nacional/ UFRJ, Rio de Janeiro, 2004.

FAUSTO, C. Os Índios antes do Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar; 2000. (Série: Descobrindo o Brasil).

FERNANDES, J. A. De Cunhã a Mameluca: A mulher Tupinambá e o Nascimento do Brasil. João Pessoa: Ed. Universitária/UFPB, 2003.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010: Manual do Recenseador. CD 1.09. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

MARQUES, A. C. N. “Imagens do Território Potiguara: Conflitos e Resistência na Aldeia Três Rios, Marcação – PB”. 2006. 120f. Monografia (Monografia de Graduação em Geografia) UFPB/DGEOC, João Pessoa, 2006.

MARQUES, A. C. N. Território de Memória e Territorialidades da Vitória dos Potiguara da aldeia Três Rios/ Amanda Marques – João Pessoa, 2009.

MARQUES, A. C. N. Fronteira étnica: Tabajara e comunidades negras no processo de territorialização do Litoral Sul paraibano. Tese de Doutorado em Geografia. Aracajú: Universidade Federal de Sergipe, 2015.

MARTINS, J. S. A Chegada do estranho. São Paulo: Ed. HUCITEC, 1993.

MENDONÇA, W. M. de. Memória de nós: o discurso possível e o silêncio tupinambá nos relatos de viagem do século XVI. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Pernambuco. UFPE. Recife. 2002.

MOONEN, F. ; MAIA, L. M. Etnohistória dos índios Potiguara: ensaios, relatórios, documentos. João Pessoa, PR/PB, SEC/PB, 1992.

MURA, F; PALITOT, E; MARQUES, A. Relatório Tabajara: um estudo sobre a ocupação indígena no litoral sul da paraiba. João Pessoa: UFPB, 2015.

OLIVEIRA, J. P. de. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. In: OLIVEIRA, J. P. de (Org). A viagem de volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste Indígena. Rio de Janeiro: Editora Contra Capa/LACED, 2004.

PALITOT, E. M. Os Potiguara da Baía da Traição e Monte-Mór: história, etnicidade e cultura. João Pessoa: UFPB (Mestrado em Sociologia), 2005.

PERES, S. A identificação da T.I. Potiguara de Monte-Mor e as conseqüências (im)previstas do Decreto 1775/96. Revista GERI; Brasília, 2000. Disponível em: http://www.unb.br/ics/dan/geri/Textos/Sidnei.htm. Acesso em: 12 dez. 2005.

RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do poder. São Paulo: Ed. Ática, 1993. (Série Temas).

RAMINELLI, R. Imagens da colonização: a representação do índio de Caminha a Vieira. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro. São Paulo: Ed. Companhia das Letras, 1995.

STADEN, H. Duas Viagens ao Brasil. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1974.

TODOROV, T. A Conquista da América: a questão do outro. Tradução: Beatriz Perrone – Moisés. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

VESPÚCIO, A. In: BUENO, E. Novo Mundo: As Cartas que Batizaram a América (1451 – 1512). São Paulo: Ed. Planeta do Brasil, 2003.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236499433581

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexações e Bases Bibliográficas