CONCEITOS GEOGRÁFICOS APLICADOS À ANÁLISE ECONÔMICA AMBIENTAL

Thiago Avelar Chaves, Osmar Abílio de Carvalho Júnior, Roberto Arnaldo Trancoso Gomes, Jorge Enoch Furquim Werneck Lima, Renato Fontes Guimarães

Resumo


O presente trabalho visa demonstrar a aplicação dos conceitos geográficos de espaço e paisagem na economia ambiental, do ponto de vista teórico e prático por meio de revisão bibliográfica. O trabalho se divide em três partes: (a) discussão dos conceitos de espaço geográfico e paisagem; (b) diferenciação entre as duas principais vertentes da economia ambiental; e (c) análise dos conceitos geográficos aplicados para a economia ambiental. A estimativa do valor econômico de um recurso natural é mais eficiente quando a sua dimensão espacial e temporal é considerada, evitando, assim, uma análise restrita ao benefício econômico e considerando sua integração ao espaço geográfico e paisagem. Assim, esta abordagem salienta a importância da incorporação de novas variáveis aos modelos econômicos existentes.


Texto completo:

PDF

Referências


AB’SÁBER, A. “Zoneamento Ecológico e Econômico da Amazônia: Questões de Escala e Método”. Estudo Avançados, São Paulo, 3, 1989,pp. 4-20.

ACSELRAD, H. “Zoneamento Ecológico-econômico- entre a ordem visual e o mercado-mundo”. In: XII Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 2000, Caxambu-MG. XII Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 2000, pp. 1-28. Disponível em: . Acessado em: 09/08/2015.

ANDRADE, D.C.; ROMEIRO, A.R. “Valoração de serviços ecossistêmicos: por que e como avançar?”. Sustentabilidade em Debate, Brasília, v. 4, nº 1, 2013, p. 43-58.

Arnold, B. C. “Pareto Distribution”. Wiley StatsRef: Statistics Reference Online, 2015, p. 1–10. Disponível em: . Acessado em: 20/10/2016.

ARNOLD, J.G.; HARMEL, D.; JOHNSON, M.V.V.; BINGNER, R.; STRICKLAND, T.C.; WALBRIDGE, M.; CHINNASAMY, S.; DILUZIO, M.; WANG, X. “Impacts of the Agricultural Service Research Service Watershed Assessment studies on the conservation effects assessment Project Cropland National Assessment”. Journal of Soil and Water Conservation, 69 (5), 2014, 137A-144A.

BARBIER, E.B. “Valuing Environmental Functions: Tropical Wetlands. In: Land Economics”. Vol. 70, nº 2., 1994, pp. 155-173. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/3146319 . Acessado em: 24/09/2012

______ “The Economics of Soil Erosion: Theory, Methodology and Examples”. In: BARBIER, E.B. The Economics of Environment and Development: Selected Essays, Edward Elgar, Cheltenham, UK, 1998, pp. 281-307.

BENDER, O.; BOEHMER, H.J.; JENS, D.; SCHUMACHER, K.P. “Using GIS to analyse long-term cultural landscape change in Southern Germany”. In: Landscape and Urban Planning, Elsevier, nº 70, 2005, p. 111-125.

BENNET, H.H.. “Some Aspects of Soil Erosion as a National Problem”. Soil Science Society of American Journal, v. B10, n. 1-2, 1929, p. 55-74.

BOLLINGER, J. “Simulating complex landscapes with a generic model: Sensitivity to qualitative and quantitative classifications”. Ecological Complexity, nº 2, 2005,p. 131-149.

CARLOS, A.F.A. A condição espacial. São Paulo. Contexto, 2011, 157p.

CHAVES, T.A. Análise do Custo Econômico da Erosão em uma Bacia Hidrográfica Ocupada por Agricultura – Um Estudo de Caso na Bacia do Rio Jardim-DF. 2011, Dissertação de Mestrado em Geografia. Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Geografia, 86p.

COSTANZA, R.; D’ARGE, R.; DE GROOT, R.; FARBER, S.; GRASSO, M. HANNON, B.; LIMBURG, K. NAEEM, S.; O’NEILL, R.V.; PARUELO, J.; RASKIN, R.G.; SUTTON, P. VAN DEN BELT, M. “The value of the world’s ecosystem services and natural capital”. In: Nature, vol. 387, nº1, 1997, p. 253 – 260.

CHRISTOFOLETTI, A. L. H. “Sistemas Dinâmicos: As abordagens da Teoria do Caos e da Geometria Fractal em Geografia”. In: VITTE, A.C. & GUERRA, A.J.T. Reflexões sobre a geografia física no Brasil. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2004, p. 89-110.

CREPANI, E.; MEDEIROS, J.S.; HERNANDEZ FILHO, P.; FLORENZANO, T. G.; DUARTE, V. BARBOSA, C.C.F. “Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento Aplicados ao Zoneamento Ecológico-Econômico e ao Ordenamento Territorial”. São José dos Campos, INPE, Ministério da Ciência e Tecnologia, junho de 2001, 103.p.. Disponível em: . Acessado em: 09/08/2015.

DRAKE, L. “The Swedish agricultural landscape – economic characteristics, valuations and policy options”. In: International Journal of Social Economics, vol. 26, nº7-9, 1999, pp. 1042-1062.

DE GROOT, R.S.; ALKEMADE, R.; BRAAT, L.; HEIN, L.; WILLEMEN, L. “Challenges in integrating the concept of ecosystem services and values in landscape planning, management and decision making”. In: Ecological Complexity, nº 7, 2010, p. 260-272.

FAISSOL, S. “Problemas Geográficos brasileiros: análises quantitativas”. IBGE, 1973, 271p..

FAN, M.; SHIBATA, H.; WANG, Q. “Optimal conservation planning of multiple hydrological ecosystem services under land use and climate chances in Teshio river watershed, northernmost of Japan” In: Ecological Indicators, vol. 62, 2016, p. 1-13.

FISHER, B.; TURNER, R.K.; MORLING, P. “Defining and classifying ecosystem services for decision making”. In: Ecological Economics, nº 68, 2009, p. 643-653.

FORTES, M.Z.; BARBOSA, M.V.; NASCIMENTO, R.C.; CARVALHO, J.T.; ALBUQUERQUE, C.J. “Análise de Viabilidade Técnico-Econômica para Erradicação de Árvores sob Linhas de Distribuição”. In: Revista Brasileira de Energia, vol. 16, nº1, 2010, pp. 93-106.

GEOGHEGAN, J.; WAINGER, L.A.; BOCKSTAEL, N.E. “Spatial landscape in a hedonic framework: an ecological economics analysis using GIS”. In: Ecological Economics, nº 23, p.251-264, 1997.

GÓMEZ-BAGGETHUN, E; DE GROOT, R.; LOMAS, P. L.; MONTES, C. “The history of ecosystem services in economic theory and practice: From early notions to markets and payment schemes”. In: Econolical Economics, nº 69. 2010, p. 1209-1218.

HARTSHORNE, R. “Perspective on the Nature of Geography”. Association of American Geographers, Monograph Series, No. 1. Chicago: Rand McNally, 1959, 201p.

HARVEY, D. O enigma do capital e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011, 240p.

HEIDE, C.M. van der; BLAEIJ, A.T.; HEIJMAN, W.J.M. “Economic aspects in landscape decision making: a participatory planning tool based on a representative approach”. In: 12th Congress of the European Association Economists – EAAE, 2008, p. 1-10.

HOLZER, W. “Paisagem, imaginário, identidade: alternativas para o estudo geográfico”. In: ROSENDAHL, Zeny; CORRÊA, Roberto Lobato (Org.) Manifestações da cultura no espaço. Rio de Janeiro: Ed. UERJ. 1999, pp. 149-168.

LA BLACHE, V. “Os Gêneros de Vida na Geografia Humana. Nossos Clássicos: Geografia Geral”. GEOgraphia, Ano 7, n 13, 2005, pp. 113-130.

MARTINELLI, M. e PEDROTTI, F. “A Cartografia das Unidades de Paisagem: Questões Metodológicas”. Revista Do Departamento de Geografia, USP, 14, 2001, p. 39-46.

MARTINS, E.S.; REATTO, A.; CARVALHO JR., O.A.; GUIMARÃES, R.F. “Ecologia da Paisagem: Conceitos e Aplicações Potenciais no Brasil”. Documentos Embrapa, nº 121, 2004, 35p.

MAXIMIANO, L. A. “Considerações sobre o conceito de paisagem”. Revista RA’e GA, Curitiba, Editora UFPR, nº 8, 2004, p. 83-91,

MAY, P.H.; LUSTOSA, M.C.; VINHA, V. Economia do Meio Ambiente: Teoria e prática. Rio de janeiro: Elsevier, 5ª impressão, 318 p

MITSCH, W.J.; GOSSELINK, J.G. “The value of wetlands: importance of scale and landscape setting”. In: Ecological Economics, nº 35, 2000, p. 25-33.

MUELLER, C. C. Os economistas e as relações entre o sistema econômico e o meio ambiente. Brasília: Editora Universidade de Brasília, Finatec, 2007, 562p.

NELSON, E.; MENDONZA, G.; REGETZ, J.; POLASKY, S.; TALLIS, H.; CAMERON, D.R.; CHAN, K.M.; DAILY, G. C.; GOLDSTEIN, J.; KEREIVA, P.M.; LOSDORF, E.; NAIDOO, R.; RICKETS, T.H.; SHAW, M. R. “Modelling multiple ecosystem services, biodiversity conservation, commodity production, and tradeoffs at landscape scales”. In: Front Ecol Environ, v. 7, nº 1, 2009, p. 4-11.

NETO, R. O.; PETTER, C.O. “A abordagem econômica no contexto da mineração”. REM: E. Esc. Minas, Ouro Preto, vol. 58, nº 1, 2005, p. 71-75.

ORTIZ, R.A. “Valoração Econômica Ambiental”. In: MAY, P.H.; LUSTOSA, M.C.; VINHA, V. (orgs). Economia do Meio Ambiente: Teoria e prática. Rio de janeiro: Elsevier, 5ª impressão, 2003, 318 p.

ROCHA, S. A. “Geografia Humanista: História, conceitos e o Uso da paisagem percebida como Perspectiva de Estudo”. In: Revista RA´EGA, Curitiba, n. 13, Editora UFPR, 2007, pp. 19-27.

ROMEIRO, A.R. “Economia ou Economia Política da Sustentabilidade”. In: MAY, P.H.; LUSTOSA, M.C.; VINHA, V. (ORGS). Economia do Meio Ambiente: Teoria e prática. Rio de janeiro: Elsevier, 5ª impressão, 2003, 318 p.

SANTOS, M. “A natureza do Espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção”. São Paulo: HUCITEC, 4ª edição, 1996, 384p.

STEINBERGER, M. “Território, Ambiente e Políticas Públicas Espaciais”. Brasília, Paralelo 15 e LGE Editora, 2006,406p.

STIGLIANO, B. V.; RIBEIRO, H.; CESAR, P. A. B. “Paisagem Cultural e Sustentabilidade: Possíveis Conexões e Subsídios para Políticas Públicas e Planejamento do Turismo”. Revista Turismo em Análise, vol. 22, nº 3, 2011, p. 632-650.

SU, S.; XIAO, R.; JIANG, Z.; ZHANG, Y. “Characterizing landscape pattern and ecosystem service value changes for urbanization impacts at an eco-regional scale”. In: Applied Geography, Volume 34, 2012, p. 295–305,

TAPPEINER, U.; TASSER, E.; TAPPEINER, G. “Modelling vegetation patterns using natural and anthropogenic influence factors: preliminary experience with a GIS based model applied to an Alpine area”. In: Ecological Modelling, nº 113, 1998, pp. 225-237.

VASCONCELOS, V. V.; HADAD, R. M.; MARTINS JÚNIOR, P.P. “Zoneamento Ecológico-Econômico – Objetivos e Estratégias da Política Ambiental”. In: Gaia Scientia, 7(1), 2013, p. 119-132.

VEIGA, J.E.; EHLERS, E. “Diversidade Biológica e Dinamismo Econômico no Meio Rural”. IN: MAY, P.H.; LUSTOSA. M.C.; VINHA, V. (ORGS). Economia do Meio Ambiente: Teoria e prática. Rio de janeiro: Elsevier, 5ª impressão, 2003, 318 p

WATHERN, P.; YOUNG, S.N.; BROWN, I.W.; ROBERTS, D.A. “Ecological Evaluation Techniques”. In: Landscape Planning, nº 12, 1986, pp. 403-420.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236499423416

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexações e Bases Bibliográficas