Análise da configuração dos fragmentos de cobertura vegetal com base na definição de unidades de paisagem na área urbana de Santa Maria (RS)

Daniel Borini Alves, Adriano Severo Figueiró

Resumo


No presente artigo, objetiva-se analisar a configuração dos fragmentos de cobertura vegetal da paisagem urbana de Santa Maria (RS), com base em uma proposta de definição de unidades de paisagem para a área. Busca-se na interpretação da paisagem urbana a partir da perspectiva geossistêmica, bastante utilizada nas pesquisas em geoecologia, o suporte metodológico para alcançar os objetivos propostos, dialogando com saberes difundidos nas discussões que envolvem a ecologia urbana e a conservação da natureza nas cidades. Desta forma, baseado na nomenclatura de Bertrand (1972), considerou-se a área urbana de Santa Maria como um Geossistema urbano, onde foram identificadas seis diferentes Geofácies, distinguidas considerando a combinação da configuração da estrutura horizontal de cobertura vegetal arbórea, classificada de acordo com Jim (1989), com os diferentes padrões de urbanização associados à configuração de vegetação (em áreas densamente edificadas, às margens de canais de drenagem, em áreas de morros ou campos...). Para a obtenção das caraterísticas de configuração de cobertura vegetal arbórea e a interpretação dos diferentes tipos de padrões de urbanização, contou-se com a classificação da imagem GeoEye de 21/09/2011 junto ao software SIG Spring. Delineadas as Geofácies, passou-se a analisar a configuração da cobertura vegetal de cada uma das seis unidades, considerando a distribuição horizontal dos fragmentos de vegetação, gerando-se as porcentagens de cobertura vegetal arbórea, herbácea e arbustiva de cada área. Associando características de isolamento de fragmentos arbóreos a um padrão de urbanização de maior adensamento de edificações, destaca-se a Geofácie das áreas densamente edificadas, contendo cerca de 68% de espaços construídos, que representa aproximadamente 20% da área urbana do município. Dentre as Geofácies que apresentam uma boa configuração da vegetação arbórea, com fragmentos mais conectados e contínuos, que representam uma porcentagem de arborização de cerca de 76%, destaca-se a Geofácie de morros do rebordo, que ocupa cerca de 12% do Geossistema urbano. Apesar da porcentagem de arborização da área urbana de Santa Maria ser de cerca de 33%, a análise contextualizada pelas unidades de paisagem permite observar que a configuração dos fragmentos de cobertura vegetal apresenta condições de isolamento em muitas áreas da cidade, sendo essa porcentagem muito associada aos grandes fragmentos a norte e centro-leste da cidade.

 

Palavras-chave: Paisagem urbana, cobertura vegetal, conservação da natureza, Santa Maria.

 

DOI: 10.5902/2236499412523


Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTI, M. The effects of urban patterns on ecosystem function. International Regional Science Review. Sage Publications, v.28, n.2, 2005. p.168-192. Disponível em: . Acesso em 21 de jun. de 2011.

ALBERTI, M.; MARZLUFF, J. M. Ecological resilience in urban ecosystems: Linking urban patterns to human and ecological functions. Urban Ecossystems. Kluwer Academic Publishers, n. 7, 2004, p. 241-265. Disponível em: . Acesso em 21 de jun. de 2011.

ALVES, D. B. Cobertura vegetal e qualidade ambiental na paisagem urbana de Santa Maria (RS). Dissertação (Mestrado em Geografia). Programa de Pós Graduação em Geografia, Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, 2012.

BEROUTCHACHVILI, N.; MATHIEU, J.L. L'étologie des géosystèmes. L'Espace Géographique, Paris, v. VI, n. 2, p. 73-84, 1977.

BERRY, B.J.L; HORTON, F.E. Urban environmental management. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1974.

BERTRAND, G. Paisagem e geografia física global: esboço metodológico. In: Cadernos de ciências da terra. São Paulo, v. 13, p. 1-27, 1972.

CHRISTOFOLETTI, A. Modelagem de Sistemas Ambientais. Edgard Blücher Ltda: São Paulo, 1999.

DANSEREAU, P. As dimensões ecológicas do espaço urbano. In: VIEIRA, P. F.; RIBEIRO, M. A. Ecologia humana, ética e educação: A mensagem de Pierre Dansereau. Porto Alegre: Pallotti, 1999.

DIAS, G. F. Elementos de ecologia urbana e sua estrutura ecossistêmica. Brasília: IBAMA, 1997.

ESCOBEDO, F. J.; NOWAK, D. J.; WAGNER, J. E. MAZA, C. L. de la; RODRIGUEZ, M. CRANE, D. E.; HERNANDEZ, J. The socioeconomics and management of Santiago de Chile’s public urban forests. Urban Forestry & Urban Greening. Elsevier GmbH, v. 4, abril/2006, p.105-114. Disponível em: . Acesso em 21 jun. 2011.

FIGUEIRÓ, A. S. Tradição e mudança em Geografia Física: apontamentos para um diálogo interno. In: FIGUEIRÓ, A. S.; FOLETO, E. M. Diálogos na Geografia Física. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2011.

FORMAN, R. T. T. Land mosaics: the ecology of landscapes and regions. Cambridge: Cambridge Press, 1995.

GARCIA-ROMERO, A.; JIMÉNEZ, J. M. El paisaje en el ámbito de la Geografía. México: Ed. da UNAM, 2002.

GRIMM, N. B.; GROVE, J. M.; PICKETT, S. T. A.; REDMAN, C. L. Integrated approaches to long-term studies of urban ecological systems. BioScience. v. 50, n. 7, jul./2000. p.571-584. Disponível em: Acesso em 21 de junho de 2011.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico de 2010. Brasília, 2010.

JIM, C. Y. Tree-canopy characteristics and urban development in Hong Kong. Geographical Review, v. 79, n. 2, abr. 1989, p. 210-225.

LAURIE, I.C. (Ed.) Nature in cities. Chichester: Wiley, 1979.

MADUREIRA, H.; ANDRESEN, T.; MONTEIRO, A. Green estructure and planning evolution in Porto. Urban Forestry & Urban Greening. . Elsevier GmbH, v. 10, fev/2011, p.141-149. Disponível em: . Acesso em 21 jun. 2011.

MARCHIORI, J. N. A vegetação em Santa Maria. Ciência & Ambiente, Santa Maria, n. 38, p.93-112, jan./jun. 2009.

MASCARÓ, L. Vegetação Urbana. 2ª ed. Porto Alegre: Mais Quatro. 2005. 204p.

MONTEIRO, C. A. de F. Geossistemas: a história de uma procura. São Paulo, Contexto, 2000.

MURCIA, C. Edge effects in fragmented forests: implications for conservation. Tree, v. 10, n. 2, p. 58-62, 1995.

NASCIMENTO, D. B.; FOLETO, E. M. A Reserva da Biosfera da Mata Atlântica como referência na instituição e zoneamento da Área de Proteção Ambiental do Vacacaí-Mirim/RS. In: FIGUEIREDO, L. C.; FIGUEIRÓ, A. S. Geografia do Rio Grande do Sul: temas em debate. Santa Maria: Ed. da Universidade Federal de Santa Maria, 2010.

PICKETT, S. T. A.; CADENASSO, M. L.; GROVE, J. M.; NILON, C. H.; POUYAT, R. V.; ZIPPERER, W. C.; COSTANZA, R. Urban ecological systems: linking terrestrial ecological, physical, and socioeconomic components of metropolitan areas. Annual Review of Ecology and Systematics, vol. 32, 2001, p. 127-157.

RODRIGUES, C. A teoria geossistêmica e sua contribuição aos estudos geográficos e ambientais. Revista do Departamento de Geografia USP. São Paulo, n.14, p. 69-77, 2001.

RODRIGUES, J. M. M; SILVA, E. V. da; CAVALCANTI, A. P. B. C. Geoecologia das paisagens: uma visão geossistêmica da análise ambiental. 3ªed. Fortaleza: Editora da UFC, 2010.

ROSS, J. L. S. Geografia do Brasil. São Paulo: EDUSP, 2001.

ROUGERIE, G.; BEROUTCHACHVILI, N. Gèosystèmes et paysages: bilan et méthodes. Paris: Armand Colin, 1991.

TIAN, Y.; JIM, C.Y.; TAO, Y.; SHI, T. Landscape ecological assessment of green space fragmentation in Hong Kong. Urban Forestry & Urban Greening. Elsevier GmbH, v. 10, fev./2011, p.79-86. Disponível em: . Acesso em 21 jun. 2011.

TURNER, M.; O’NEILL, R.V.; GARDNER, R. H.; MILNE, B.T. Effects of changing spatial scale on the analysis of landscape pattern. Landscape Ecology, v. 3, n. 3/4, p. 153-162, 1989.

YOUNG, R. F. Managing municipal green space for ecosystem services. Urban Forestry & Urban Greening. Elsevier GmbH, v. 9, set.2010, p.313-321.Disponívelem: . Acesso em 21 jun. 2011.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236499412523

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexações e Bases Bibliográficas