As práticas agroecológicas e a caracterização produtiva do distrito de Pains, Santa Maria, RS.

João Silvano Zanon, Carmen Rejane Flores Wizniewsky, Lucineia Lourenzi, Kelly Perlin Cassol, Magali Rambo Anschau

Resumo


O trabalho busca compreender o processo produtivo da agricultura familiar agroecológica no Distrito Pains, Santa Maria, RS. Então, buscou-se a apreender a importância da agricultura familiar como forma de valorização da comunidade local nos aspectos sociais, econômicos e ambientais. Além disso, procurou-se conhecer as mudanças ocorridas nas práticas agrícolas do Distrito Pains, destacando as práticas agrícolas alternativas sustentáveis e seus benefícios para a comunidade local. O trabalho apresenta uma abordagem metodológica qualitativa onde foram utilizadas como instrumentos de pesquisa as entrevistas que foram aplicadas aos sujeitos sociais envolvidos.

Palavras-chave: agricultura familiar agroecológica; sustentabilidade.

 

DOI: 10.5902/2236499412489


Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, M. T. de; MENEZES, A. V. C. de. Ação do Estado na produção do espaço rural: Transformações territoriais. In: CAMPO-TERRITÓRIO: revista de geografia agrária, v.3, n.5, p.113-133, fev.2009. Disponível em: . Acessado em 24 de fev. de 2010.

ALMEIDA, J. A problemática do desenvolvimento sustentável. In: BECKER, D. F. (org.). Desenvolvimento sustentável: necessidade e/ou possibilidade? Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 1997. p. 17-26.

ALTIERI, M. Agroecologia: A dinâmica produtiva da agricultura sustentável. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1998, 110p. (Síntese Universitária, 54).

ALTIERI, M. Vertientes del pensamiento agroecológico: fundamentos y aplicaciones.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia e desenvolvimento Rural Sustentável: perspectivas para uma Nova Extensão Rural. Porto Alegre, v.1, n1, jan./mar.2002.

CARNEIRO, M. J. Agricultores familiares e pluriatividade: tipologias e políticas. In: COSTA, L. F. de C.; MOREIRA, R. J.; BRUNO, R. (Org.). Mundo rural e tempo presente. Rio de Janeira/RG: Ed. Mauad, 1999. p. 325 – 344.

CORTEZ, F. P. Pluriatividade e o estado da arte da agricultura familiar no município de Morro Redondo, RS. 2006. 131f. Tese (Doutorado em Ciências) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2006.

DAMASCENO, M. N. Educação e Escola no Campo.Campinas.SP. Papirus,1993.

DAVID, C. de. Agricultura familiar em assentamentos rurais: contribuições à dinâmica regional do sul do estado do Rio Grande do Sul. In: MARAFON, G. J.; PESSÔA, V. L. S. (Org.). Agricultura, desenvolvimento e transformações socioespaciais: reflexões interinstitucionais e constituição de grupos de pesquisa no rural e no urbano. Uberlândia/MG: Assis Editora, 2008. p. 15 – 38.

DELGADO, G. da. C. Capital financeiro e agricultura no Brasil. Campinas: Unicamp, 1985.

GARCIA RAMON. M. D. et al. Geografia rural. Madrid, Editorial Sintesis, 1995.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: Editora da Universidade – UFRGS, 2000.

GONÇALVES NETO, W. Estado e agricultura no Brasil: política agrícola e modernização econômica brasileira 1960-1980. São Paulo: HUCITEC, 1997.

GRAZIANO DA SILVA. J. Progresso técnico e relações de trabalho na agricultura. São Paulo: HUCITEC, 1981. 210 p. (Economia & Planejamento. Série “Teses e Pesquisas”).

GUZMÁN, E. S. Origen, evolución y perspectivas del desarollo rural sostenible. In Tecnología y desarrollo rural sostenible. 18 a 22 de septiembre de 1995. Porto Alegre: UFRGS. p. 1 – 11.

HILLING, C. A cidadania e a racionalidade técnica burocrática nas estratégias de apropriação do PRONAF pelos agricultores familiares. 2008. 170 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2008.

LEFF, E. Epistemologia Ambiental. São Paulo: editora Cortez, 2001.

_______. Agroecologia e Saber Ambiental. Trad. FRANCISCO ROBERTO CAPORAL. In: Revista Agroecologia e desenvolvimento rural sustentável. V. 3, n.1, Porto Alegre: Emater, jul/set. 2002.

MARAFON, G. J. O trabalho de campo como um instrumento de trabalho para o investigador em geografia agrária. In: RAMIRES, Julio César de L..; PÊSSOA, Vera Lúcia Salazar (orgs). Geografia e pesquisa qualitativa: nas trilhas da investigação. Uberlândia/MG: Ed. Assis, 2009. p. 379 - 394.

OLIVEIRA, A. U. de. Agricultura e indústria no Brasil. In: BOLETIM PAULISTA DE GEOGRAFIA. Nº 58, São Paulo: AGB, set./1981, p.5 – 64.

RUSCHEINSKY, A. Sustentabilidade: uma paixão em movimento. Porto Alegre: Sulina, 2004. 181p.

SEVILLA GUZMÁN, E. El marco teórico de la agroecología. Córdoba. ISEC/Universidad de Córdoba, 1995.

SILVA, E. S. O. da; MARAFON, G. J. Comercialização e subordinação da agricultura familiar no estado do Rio de Janeiro: o exemplo do circuito produtivo do tomate no município de São José de Ubá. In: MARAFON, Gláucio José; PESSÔA, Vera Lúcia Salazar (orgs). Agricultura, desenvolvimento e transformações socioespaciais: reflexões interinstitucionais e constituição de grupos de pesquisa no rural e no urbano. Uberlândia/MG: Assis Editora, 2008. p. 75 – 104.

TEDESCO, J. C. Terra, trabalho e família: racionalidade produtiva e ethos camponês/ João Carlos Tedesco. – Passo Fundo: EDIUPF, 1999. 331p.

TEIXEIRA, J. C.; NAGABE, F. Identidades locais, PRONAF e turismo no espaço rural: apontamentos sobre a realidade de Campo Mourão. In: CAMPO-TERRITÓRIO: revista de geografia agrária, v.5, n.9, p. 112-146, fev. 2010. Disponível em: . Acessado em 31 de maio de 2010

WANDERLEY, M. N. B. Raízes históricas do campesinato brasileiro. In TEDESCO, J. C. (orgs). Agricultura familiar: realidade e perspectivas. Passo Fundo, 1999. p. 21-56.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236499412489

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexações e Bases Bibliográficas