O perfil dos produtores de arroz do Vale do Rio Pardo-RS e o processo de gestão rural

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2318179643000

Palavras-chave:

contabilidade rural, gestão rural, desenvolvimento regional, produtor de arroz.

Resumo

A dinâmica da globalização e a incorporação de novas tecnologias no meio rural obrigaram os produtores a se adequarem às novas exigências, entre elas, a inclusão de práticas contábeis e gerenciais, fundamentais para se conseguir eficiência nas propriedades rurais. Com base nessa premissa, pretendeu-se, caracterizar o perfil dos produtores de arroz do Vale do Rio Pardo-RS e verificar o uso de instrumentos contábeis para controle da atividade. Buscou-se, também, demonstrar a importância do cultivo do arroz, como uma alternativa de produção em uma região em que o foco está no tabaco, trazendo informações relevantes sobre a área cultivada, a produção e a produtividade das lavouras em níveis nacional, estadual e regional. Trata-se de uma pesquisa exploratória, com uma breve revisão bibliográfica, com utilização de dados secundários e com a aplicação de questionário, por telefone. Acessou-se 37 dos 63 orizicultores do município de Rio Pardo-RS, segundo maior produtor de arroz da região. Além de dados referentes ao perfil dos produtores, observou-se que apenas 43% dos entrevistados mantêm alguma forma de controle e apenas um deles foi capaz de responder sobre o custo de produção por hectare. Deve-se, portanto, levar em conta toda a diversidade existente, seja de idade, escolaridade, conhecimento técnico, infraestrutura existente, domínio da área, financiamento da lavoura, entre outros. Concluiu-se que é preciso considerar a diversidade, as diferentes capacidades e formas de ação, os vastos conhecimentos que eles trazem consigo. Além de compreender a percepção que eles têm sobre a necessidade de conhecimento técnicos e gerenciais para o sucesso do seu negócio.

Biografia do Autor

Ricardo Tatsch, Instituto Rio Grandense do Arroz (IRGA).

Graduação em Agronomia (UFSM). MBA em Administração em Agronegócios e Biotecnologia (UNINTER). Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade de Santa Cruz do Sul (PPGDR/UNISC). E-mail: ricardotatsch@gmail.com

Cidonea Machado Deponti, Universidade de Santa Cruz do Sul

Graduação em Ciências Econômicas (UFSM). Mestrado em Mestrado em Integração Latino-Americana (UFSM). Doutorado em Desenvolvimento Rural (UFRGS). Professora do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade de Santa Cruz do Sul (PPGDR/UNISC). E-mail: cidonea@unisc.br

Referências

BARATA, T. S. Caracterização do consumo de arroz no Brasil: um estudo na Região Metropolitana de Porto Alegre. Dissertação (Mestrado). Porto Alegre: UFRGS/Cepan. 2005.

BATALHA, M. O.; SCARPELLI, M. Gestão da cadeia agroindustrial. In: WORKSHOP: O AGRONEGÓCIO NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO, Anais... Brasília, DF: Programa Sociedade da Informação – MCT, Brasília 2002.

BESSEN, F. G. Políticas públicas para a agricultura familiar no município de Entre Rios do Oeste: uma análise a partir da teoria ator orientado. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural Sustentável do Centro de ciências Agrárias da Unioeste – Universidade do Oeste do Paraná), 124 p. Marechal Cândido Rondon, Paraná, 2016.

BORILLI, S. P. et al. O uso da contabilidade rural como uma ferramenta gerencial: um estudo de caso dos produtores rurais no município de Toledo. Rev. Ciências Empresariais da UNIPAR, Toledo, v.6, n.1 p. 77-95, jan./jun, 2005.

BRANDÃO, C. Estratégias hegemônicas e estruturas territoriais: o prisma analítico das escalas espaciais. Bahia Análise & Dados, Salvador, v. 21, n. 2, p. 303-313, abr./jun. 2011.

BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) Projeções do Agronegócio – Brasil 2015/16 a 2025/26. Brasília, 2016. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/assuntos/politica-agricola/todas-publicacoes-de-politica-agricola/projecoes-do-agronegocio/proj_agronegocio2016.pdf/@@download/file/Proj_Agronegocio2016.pdf. Acesso em: 12 dez. 2020.

CALLADO, A. L. C. Custos no processo de tomada de decisão em

empresas rurais. 2007. Disponível em: http://www.sebrae.gov.br/bibliotecaonline. Acesso em: 12 dez. 2017.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO, CONAB. A cultura do arroz. Brasil, 2015. Disponível em: http://www.conab.gov.br/OlalaCMS/uploads/arquivos/16_03_01_16_56_00_a_cultura_do_arroz_-_conab.pdf. Acesso em: 12 dez. 2020.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO, CONAB. Custo da Produção de Arroz. 2016. Disponível em: http://www.conab.gov.br/. Acesso em: 12 dez. 2020.

CREPALDI, S. A. Contabilidade rural: uma abordagem decisorial. São Paulo:Atlas, 1998.

CREPALDI, S. A. Contabilidade rural: uma abordagem decisorial. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

CREPALDI, S. A. Contabilidade Rural. São Paulo: Atlas, 2009.

DEPONTI, C. M. As agruras da gestão da propriedade rural pela Agricultura Familiar. Rev. Des. Regional, Santa Cruz do Sul, v. 19, ed. especial, p. 9-24, 2014.

DEPONTI, C. M.; ALMEIDA, J. P. Dinâmicas de interface social e intervenção pública: o caso da extensão rural do Rio Grande do Sul. Redes – Revista de desenvolvimento regional, Santa Cruz do Sul, RS, v. 17, n. 2, p. 195-214, maio/ago. 2012.

GIDDENS, A. A constituição da sociedade. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2009.

GOMES, R. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 67-80.

FEE - Fundação de Economia e Estatística. Perfil Sócio Econômico COREDE Vale do Rio Pardo. Porto Alegre, 2015. Disponível em: http://www.fee.rs.gov.br/perfil-socioeconomico/coredes/detalhe/?corede=Vale+do+Rio+Pardo. Acesso em: 12 dez. 2020.

FONTOURA, F. B. B.; WITTMANN, M. L. Organizações e Desenvolvimento: reflexões epistemológicas. Estudos do CEPE, v. 43, p. 30, 2016.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo: Atlas, 1999.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2017. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/economicas/agricultura-e-pecuaria/21814-2017-censo-agropecuario.html?=&t=resultados. Brasília, 2018. Acesso em: 21 out. 2020.

IRGA - Instituto Rio Grandense do Arroz. Censo da Lavoura de Arroz Irrigado do Rio Grande do Sul – Safra 2004/2005. Porto Alegre, 2006. Disponível em: http://www3.irga.rs.gov.br/uploads/anexos/1292592973censodg3.pdf. Acesso em: 12 dez. 2020.

IRGA – Instituto Rio Grandense do Arroz. Produção municipal. 2016. Disponível em: http://www.irga.rs.gov.br/conteudo/6911/safras. Acesso em abril/2021.

LONG, N.; PLOEG, J. D. Heterogeneidade, ator e estrutura: para a reconstituição do conceito de estrutura. In: SCHEIDER, S; GAZOLLA, M. (Orgs.). Os atores do desenvolvimento rural – perspectivas teóricas e práticas sociais. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2011. p. 21-48.

PEREIRA, J. A. Cultura do arroz no Brasil: subsídios para a sua história. Teresina: Embrapa Meio-Norte, 2002.

PELEGRINI, G.; GAZOLLA, M. A. Agroindústria familiar no Rio Grande do Sul: limites e potencialidades da sua reprodução social. Frederico Westphalen: Uri, 2008.

SOSBAI – Sociedade Sul Brasileira de Arroz Irrigado. Arroz irrigado: recomendações técnicas para o sul do Brasil. Cachoeirinha, 2018.

TATSCH, R.; DEPONTI, C. M. O perfil dos produtores de arroz do Vale do Rio Pardo. In: VIII SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE DESENVOLVIMENTO REGIONAL. 8., 2017, Santa Cruz do Sul. Anais... Santa Cruz do Sul, Unisc, 2017.

USDA – FAS. World Agricultural Production. USA, 2018. Disponível em:

https://apps.fas.usda.gov/psdonline/circulars/production.pdf. Acesso em: 10 mai. 2021.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

Tatsch, R., & Deponti, C. M. (2020). O perfil dos produtores de arroz do Vale do Rio Pardo-RS e o processo de gestão rural. Extensão Rural, 27(4), 86–108. https://doi.org/10.5902/2318179643000