Dinâmicas de comercialização ecológica e desenvolvimento territorial sustentável no Vale do Ribeira – Paraná

Cristiane Coradin, Valdir Frigo Denardin

Resumo


O Vale do Ribeira se apresenta historicamente como um imaginário de um território que ficou alheio aos principais ciclos de acumulação de capital do Estado do Paraná. No entanto, transformações socioprodutivas estão em curso, mobilizando processos de transição agroecológica e de desenvolvimento territorial sustentável. O presente estudo tem como objetivo contribuir com a qualificação de interpretações possíveis para entendimento dos processos de desenvolvimento do Vale do Ribeira, com ênfase nas dinâmicas de comercialização ecológica, fenômenos significativos observados a partir dos anos 1990.


Palavras-chave


agroecologia; comercialização ecológica; desenvolvimento territorial sustentável.

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, H. O que é justiça ambiental. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

BARBOUR, R. Grupos focais. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BIANCHINI, V. O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – PRONAF e a sustentabilidade da agricultura no Vale do Ribeira – Paraná. 2010. 413f. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

BRANDENBURG, A.; FERREIRA, A.D.D. Agricultores ecológicos e o meio ambiente rural: visões interdisciplinares. São Paulo: Annablume, 2012.

BRANDÃO, C.R. Acumulação primitiva permanente e desenvolvimento capitalista no Brasil Contemporâneo. In: ALMEIDA, A.W.B. et. al. Capitalismo globalizado e recursos territoriais: fronteiras da acumulação no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Lamparina, 2010. p.39-69.

CARRIL, L.F. Terras de negros no Vale do Ribeira. 1995. 220f. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade do Estado de São Paulo,1995.

CHAYANOV, A.V. La organización de la unidad económica campesina. Buenos Aires: Ediciones Nueva Vision, 1974.

CORADIN, C. Racionalidades tecnoburocráticas e quilombolas: integração da comunidade córrego das moças ao PAA. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural) – Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural, Universidade Federal de Santa Maria.

CORADIN, C. Dinâmicas de gestão territorial e suas interfaces com o Apoio a Projetos de Infraestrutura e Serviços em Territórios Rurais (Proinf) no Vale do Ribeira Paraná. ENCONTRO DA REDE DE ESTUDOS RURAIS, 7., 2016, Natal, RN. Anais... Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2016.

DALLABRIDA, R.V., BECKER, F.D. Governança Territorial um primeiro passo na construção de uma proposta teórico-metodológica. Desenvolvimento em Questão, Ijuí, v.1, n. 2, jul./dez. 2003.

DELGADO, N.G.; BONNAL, P.; LEITE, S.P. Desenvolvimento territorial: articulação de políticas públicas e atores sociais. Convênio IICA – OPPA/CPDA/UFRRJ. Rio de Janeiro, 2007.

DESER. Validação de tecnologias e processos alternativos de gestão da sustentabilidade do desenvolvimento em ambiente temático multicomplexo: pobreza, meio ambiente, povos e comunidades tradicionais. Curitiba: DESER, 2008.

DUARTE, M.Y.M. Estudo de caso. In: DUARTE, J.; BARROS, A. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2009. p.215-35.

ESCOBAR, A. Sentipensar con la tierra: nuevas lecturas sobre desarrollo, territorio y diferencia. Medellín: Ediciones UNAULA, 2014.

FIDELIS, L.M. Quilombos, agricultura tradicional, agroecologia. Cadernos CERU, São Paulo, v.22, n.1, p. 57-72, jun. 2011.

GATTI, B.A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro, 2005.

GLIESSMAN, S.R. Agroecologia. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2000.

GTCM. Relatório do grupo de trabalho Clovis Moura: 2005-2010. Curitiba, 2010.

IBARGÜES, R. Neorrurales: Dificultades durante el proceso de asentamiento en el medio rural Aragonés. Una visión a través de sus experiencias. Informes 2004-3. 2004. p.1-56.

LEFF, E. La apuesta por la vida: imaginación sociológica e imaginarios sociales en los territorios del sur. São Paulo: Vozes, 2014.

LUGONES, M. Colonialidad y Género. Revista Tabula Rasa. Bogotá/Colômbia, n.9, p.73-101, jul./dez. 2008.

MALUF, R.S. Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil: agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais. Ensaios FEE, Porto Alegre, v.25, n.1, p.299-322, 2004.

NEVES, D.P. Agricultura familiar: quantos ancoradouros! In: FERNANDES, B.M., MARQUES, M.I.M., SUZUKI, J.C. (Org.). Geografia agrária teoria e poder. São Paulo: Expressão Popular, 2007. p.211-270.

PADILHA, D.; BRANDENBURG, A. Mercados, atores e a construção da racionalidade ambiental em Rio Branco do Sul, PR. In: Agricultores ecológicos e o meio ambiente rural: visões interdisciplinares. São Paulo: Annablume, 2012.

PECQUER, B. O desenvolvimento territorial: uma nova abordagem dos processos de desenvolvimento para as economias do Sul. Revista Raízes, Campina Grande, v.24, n.1-2, p.10-22, jan./dez. 2005.

PLOEG, J.D.V. Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

PORTO, M.F.; PACHECO, T.; LEROY, J.P. (Org.). Injustiça ambiental e saúde no Brasil: o mapa de conflitos. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2013.

POUPART, J. et. al. A pesquisa qualitativa. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

QUIJANO. A. ¿Bien vivir? Entre el «desarrollo» y la descolonialidad del poder. In: QUIJANO. A. Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. Buenos Aires: CLACSO, 2014.

PUTNAM, R.D. Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. 2.ed. Rio de Janeiro: FGV, 2000.

RODRIGUES, A.S. Reciprocidade, solidariedade e reconstrução da identidade camponesa: estratégias de reprodução social dos agricultores familiares da cooperafloresta. 2013. Tese (Doutorado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Paraná.

SABORIN, E. Camponeses do Brasil: entre a troca mercantil e a reciprocidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

STUMPF, I.R.C. Pesquisa bibliográfica. In: DUARTE, J.; BARROS, A. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2009. p.51-83.

YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento de métodos. 4.ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

WANDERLEY, M.N.B. Agricultura Familiar e campesinato: rupturas e continuidades. Revista Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, v.11, n.2, p.42-61, out. 2003.

WALSH, C. Interculturalidade Crítica e Pedagogia Decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In: CANDAU, V.M. (Org.). Educação Intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 12-43.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2318179630904

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores - Indexers

INTERNACIONAL: 1- AGRIS 2- Latindex-Directorio 3- Diretório Luso-Brasileiro 4- REDIB 5- Journals for Free 6- EZB Nutzeranfragen 7- OAJI 8 - ROAD

NACIONAL: 9- AGROBASE 10- Portal livRe! 11- Sumários.org 12- Diadorim 13- Portal SEER 14- Portal de Periódicos CAPES 15- Rede Cariniana 16- Google Scholar 17 - Sabiia

Visite nosso perfil no Facebook

Visite nossa página no Facebook

 

Revista Extensão Rural

ISSN impresso: 1415-7802

ISSN on-line: 2318-1796

Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/23181796

 

Licença Creative Commons
Revista Extensão Rural está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.


Baseado no trabalho disponível em https://periodicos.ufsm.br/extensaorural.


Acessos a partir de 20/10/2014