Currículo, desenho animado e diversidade

Maria Heloisa de Melo Cardoso, Verônica dos Reis Mariano Souza, José Adelmo Menezes de Oliveira

Resumo


Este estudo tem como principal objetivo caracterizar o gênero textual Desenho Animado como ferramenta pedagógica a ser utilizadana Educação Básicapara tratar do tema diversidade, adotando-se a noção de currículo como um fenômeno em permanente processo de (re)elaboração, marcado por múltiplas e diferentes concepções teórico-epistemológicas, mas sempre como tempo/lugar para a formação de sujeitos críticos, criativos e intelectualmente independentes. A partir do tema central, elegeu-se o desenho Como treinar o seu dragão com o intuito de analisar seus personagens na relação com a diversidade e o comportamento inclusivo. Teve-se, ainda, a intenção de ressaltar a escola como instância legítima para desenvolver um trabalho curricular com um sentido e significados educativos que expressem diferentes visões de mundo e de valores que estimulem a convivência harmoniosa entre as pessoas. Com este artigo, além de se sugerir o desenvolvimento de uma metodologia para trabalhar a diversidade, pretende-se contribuir para reflexões e discussões sobre o processo de ensino e aprendizagem, que são recorrentes, atuais e necessárias para o fazer pedagógico.

Palavras-chave


Diversidade. Desenho animado. Recurso pedagógico

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, L.A. Diferenças, estigma e preconceito: o desafio da inclusão. In: OLIVEIRA, M. K.de; REGO, T. C.; SOUZA, D. Tr. R. (orgs.). Psicologia, educação e as temáticas da vida contemporânea. São Paulo: Moderna, 2002, p. 233- 248.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Análises descritivas sobre preconceito e discriminação nas escolas públicas. Brasília: FIPE, 2009, p. 335.

BRASIL. Resolução n. 4, de 13 de julho de 2010. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 09 jul. 2010.

CANDAU, V. M. Somos todos/as iguais? Escola, discriminação e educação em direitos humanos. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2012, 136 p.

CARVALHO, R. ÉEscola inclusiva: a reorganização do trabalho pedagógico. Porto Alegre: Mediação, 2008, 152 p.

COMO TREINAR MEU DRAGÃO. Produção de Peter Hastings. Estados Unidos: Paramount Pictures, 2010. CD (98 min.).

DANTAS JÚNIOR, H. S. Esporte e cinema: possibilidades pedagógicas para a educação física escolar. Cadernos de Formação RBCE, p. 67-78, set. 2012.

FERREIRA, M. E. C. O enigma da inclusão: das intenções às práticas pedagógicas. Educação e Pesquisa, v. 3, n. 2, p. 67-78, set./dez. 2007.

FÉRRES, J. Televisão e educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001, 180 p.

FREIRE, P. Cartas à Guiné Bissau. Registro de uma experiência em processo. São Paulo: Paz e Terra, 2014. 272 p.

FREITAS, S. N. (2008). Prefácio. In: ______ (Org.). Tendências contemporâneas de inclusão. Santa Maria: Editora UFSM, 2008, p. 15-18.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. 5. ed. São Paulo: UNESP. 180 p.

GOFFMAN, E. Estigma. Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução de Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012. 158 p.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Humberto Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 10. ed. São Paulo: DP& A, 2005, 102 p.

HARVEY, D.; SOBRAL, A. U. Espaços de esperança. São Paulo: Edições Loyola, 2000. 382 p.

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. 9. ed. São Paulo: Perspectivas, 2006. 220 p.

LEITE, L. S. (Coord.). Tecnologia educacional. Descubra suas possibilidades em sala de aula. Petrópolis: Vozes, 2003, 119 p.

LOURO, G. L. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. 176 p.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer?São Paulo: Moderna, 2003. 93 p.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodológica científica. 6. ed. São Paulo: Atlas. 314 p.

MARCUSCHI, L. A.Gêneros textuais: constituição e práticas sociodiscursivas. São Paulo: Cortez, 2010.

MARQUES, C. A.; MARQUES, L. P. A Educação Especial e as mudanças de paradigmas. In: JESUS, D. M.de; BAPTISTA, C. R.; VICTOR, S. L. (Orgs.) Pesquisa e educação especial: mapeando produções. Vitória, ES: Edufes, 2006, p. 245-267.

MUNANGA, K. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In: Seminário Nacional Relações Raciais e Educação, 3º, Rio de Janeiro, 5 nov. 2003. Anais... Rio de Janeiro: PENESB, 2003.

NONATA, A. F. Paradigmas do conhecimento: do moderno ao ecológico. Diálogo Educacional, v. 7, n. 22, p. 259-275, set./dez. 2007.

POPPER, K.Objective knowledge: an evolutionary approach. Oxford: University Press, 1972. 441 p.

ROUSSEAU, J. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. São Paulo: Edipro, 2015. 175 p.

SILVA, M. O.E. Da exclusão à inclusão: concepções e práticas.Revista Lusófona de Educação, n.13, p. 135-153, 2009. Disponível em: . Acesso em: 18 jun., 2017.

VIANNA, C. P.; RIDENTI, S. G. U. Relações de gênero e escola: das diferenças ao preconceito. In: AQUINO, J. G. (coord.). Diferenças e preconceitos na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1998, p. 93-106.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X28624

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação Especial agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

__________________________________________________