Avaliação da perda da biodiversidade na Mata Atlântica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1980509853310

Palavras-chave:

Relação espécie-área, Modelo matemático, Estimativa, Coeficiente

Resumo

A biodiversidade da Mata Atlântica é considerada de extrema importância biológica, mas essa riqueza de fauna e flora está ameaçada pelo desmatamento. O objetivo deste estudo consiste em apresentar um modelo de avaliação da perda da biodiversidade, adotando como cenário o município de Viçosa do Ceará, situado no Nordeste brasileiro. O método adotado baseia-se na proposição de um indicador em que se busca calcular a estimativa da perda da biodiversidade a partir do decréscimo da riqueza de aves, mamíferos e répteis escamados que fazem parte desse habitat, tendo como referência o modelo da relação espécie-área. Como resultados tem-se: (1) a perda da biodiversidade na área de estudo está em nível “extremo”; (2) as taxas de variação média e de velocidade têm movimento acelerado, logo, quanto maior for o aumento da área desmatada, mais rápida se torna a velocidade e aceleração da perda da biodiversidade; (3) a curvatura da função indicou que o ponto crítico da perda da biodiversidade acontece quando o desmatamento atinge 93% da área do ecossistema. Conclui-se que o modelo de estimativa da perda de aves, mamíferos e répteis escamados apresentou-se de forma eficiente para a avaliação da perda da biodiversidade no ecossistema de Mata Atlântica.

Biografia do Autor

Antonia Francivan Veira Castelo Branco, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE

Graduada em Ciências – Hab. Matemática, Ma., Doutoranda em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal do Ceará, Campus do Pici, Centro de Ciências/ PRODEMA, Bloco 902, CEP 60455970, Fortaleza (CE), Brasil.

Patrícia Verônica Pinheiro Sales Lima Lima, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE

Engenheira Agrônoma, Dra., Universidade Federal do Ceará, Campus do Pici, Centro de Ciências Agrárias, Departamento de Economia Agrícola, Bloco 826, CEP 60020181, Fortaleza (CE), Brasil.

Esdras Soares de Medeiros Filho, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE

Possui graduação em Computação pela Universidade Federal do Ceará (2000), mestrado em Matemática pela Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (2003), doutorado em Matemática pela Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (2009) e pós-doutorado pela NYU-Poly (2012-2013). Atualmente é professor Associado I da Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Computação Gráfica, atuando principalmente nos seguintes temas: processamento geométrico, digitalização 3D, topologia computacional e geometria computacional

Benedita Marta Gomes Costa, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, CE

possui graduação em Ciências - Matemática (1995), mestrado em Gestão Educacional (2002) e doutorado em Biotecnologia. Atualmente é Professora (Administração Geral com ênfase em Metodos Quantitativos) e Gestão Ambiental da Universidade Estadual Vale do Acarau. Tem experiência na área de Métodos Quantitativos, atuando principalmente nos seguintes temas: Empreendedorismo, Gestão Ambiental, Sistema Regional de Inovação e bionegócios

Tarcisio Praciano Pereira, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, CE

possui graduação em Matematica pela Universidade Federal do Ceará (1969) e doutorado - Uppsala Universitet (1980). Atualmente é professor titular da Universidade Estadual Vale do Acaraú. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Análise Funcional, atuando principalmente nos seguintes temas: matematica aplicada e computacional, b-splines, calculo numerico, best constants, littlewood-hardy inequality, equações diferenciais ordinárias. Tem experência em Computação sendo programador nas linguagens LISP, C, C++, Python com programas voltados para análise numérica. Neste momento está trabalhando com uma versão polinômial de elementos finitos com objetivo de modelar dados multivariados, por exemplo soluções de equações diferenciais parciais e trabalhando num projeto de aplicação de equações diferenciais ordinárias para modelar fenômenos do meio ambiente

Referências

ARROYO-RODRIGUES, V. et al. Multiple successional pathways in human-modified tropical landscapes: new insights from forest succession, forest fragmentation and landscape ecology research. Biological Reviews, Cambridge, v. 92, n. 1, p. 326-340, feb. 2017.

BARROS, L. T. História de Viçosa do Ceará. Fortaleza: Secretaria de Cultura e Desporto, 1980.

CARDINALE, B. J. Biodiversity loss and its impact on humanity. Nature,[s. l.],v. 486, p. 56-57, 2012.

CAVALCANTE, A. Jardins suspensos no sertão. Scientific American Brasil, São Paulo, v. 32, p. 60-67, jan. 2005.

CEARÁ. Superintendência Estadual do Meio Ambiente. Diagnóstico e macrozoneamento ambiental do Estado do Ceará. Fortaleza, 1998. v. 4.

CHAUDHARY, A.; MOOERS, A. O. Terrestrial Vertebrate Biodiversity Loss under Future Global Land Use Change Scenarios. Sustainability, [s. l.], v. 10, p. 1-20, aug. 2018.

CHISHOLM. R. A. et al. Species–area relationships and biodiversity loss in fragmented landscapes. Ecology Letters, Oxford, v. 21, p. 804-813, jun. 2018.

FERREIRA, I. J. M. et al. Landscape Landscape pattern changes over 25 years across a hotspot zone in southern Brazil, Southern Forests, [s. l.], v. 81, n. 2, p. 175-184, apr. 2019.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA; INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (Brasil). Atlas dos Municípios da Mata Atlântica – ano base 2014. [S. l.], 2015.Disponível em: https://www.sosma.org.br/wp-content/uploads/2015/11/tabela-municipios-SOSMA_INPE_Atlas-Municipios_2014_rema.pdf. Acesso em: 22 dez. 2020.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA; INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (Brasil). Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica - período 2005-2008.São Paulo, 2009. 156 p.

HADDAD, N. M. et al. Habitat fragmentation and its lasting impact on Earth’s ecosystems. Science Advances, [s. l.], v. 1, n. 2, e1500052, mar. 2015.

HOPPER, S. D.; SILVEIRA, F. A. O.; FIEDLER, P. L. Biodiversity hotspots and Ocbil theory. Plant and Soil, The Hague, v. 403, n. 1/2, p. 167-216, jun. 2016.

IBAMA. Plano de gestão e diagnóstico geoambiental e sócio-econômico da APA da Serra da Ibiapaba. Fortaleza: IESP; UECE, 1998. 100 p.

INTERNATIONAL UNION FOR CONSERVATION OF NATURE AND NATURAL RESOURCES. The IUCN Red List of Threatened Species. Version 2020-3. Cambridge, 2020. Disponível em: https://www.iucnredlist.org. Acesso em: 22 dez. 2020.

JURAS, I. A. G. M. Biodiversidade perdida: o desmatamento. In.: GANEM, R. S. Conservação da biodiversidade: Legislação e políticas públicas. Brasília: Edições Câmara, 2010. p. 415-432.

LÉVÊQUE, C. A biodiversidade. Bauru: EDUSC, 1999. 245 p.

MACARTHUR, R. H.; WILSON, E. O. The theory of island biogeography.Pricenton: Princeton Landmarks in Biology, 2001. 203 p.

MACHADO, R. B. et al. Caracterização da fauna e flora do Cerrado. In: SIMPÓSIO NACIONAL SOBRE O CERRADO, 9.; SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE SAVANAS TROPICAIS, 2., 2008, Planaltina. Anais [...]. Planaltina: Embrapa Cerrados, 2008.

MYERS, N. et al. Biodiversity hostpots for conservation priorities. Nature, [s. l.], v. 403, p. 853-858, 2000.

PURVES, W. K. et al. Vida: a ciência da biologia. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005.

REZENDE, C. L. et al. From hotspot to hopespot: an opportunity for the Brazilian Atlantic Forest. Perspectives in Ecology and Conservation, [s. l.], v. 16, n. 4, p. 208-214, 2018.

ROCHA, F. C. Análise geoambiental do Município de Viçosa do Ceará. 2007. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2007.

SAFAR, N. V. H.; MAGNAGO, L. F. S.; SCHAEFER, C. E. G. R. Resilience of lowland Atlantic forests in a highly fragmented landscape: insights on the temporal scale of landscape restoration. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 470, 118183, aug. 2020.

SANTOS, A. J. Estimativas de riqueza em espécies. In: JUNIOR, L. C.; RUDRAN, R.; VALLADARES-PADUA, C. (org.). Métodos de estudo em biologia da conservação e manejo da vida silvestre. Curitiba: UFPR; Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, 2003. p. 19-41.

SANTOS, M. F. A. V. et al. Diversidade e densidade de espécies vegetais da Caatinga com diferentes graus de degradação no município de Floresta, Pernambuco, Brasil. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 60, n. 2, p. 389-402, 2009.

SCARANO, F. R.; CEOTTO, P. Brazilian Atlantic forest: impact, vulnerability, and adaptation to climate change. Biodiversity and Conservation, London, v. 24, p. 2319-2331, 2015.

SECRETARIADO DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA. Panorama da biodiversidade global 3. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Biodiversidade e Florestas, 2010. 94 p.

TABARELLI, M.; PINTO, S. R.; LEAL, I. R. Floresta atlântica nordestina: fragmentação, degeneração e perda da biodiversidade. Ciência Hoje, São Paulo, v. 44, n. 263, p. 36-41, 2009.

UEZU, A. Composição e estrutura da comunidade de aves na paisagem fragmentada do Pontal do Paranapanema. 2006. Tese (Doutorado em Ciências) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

VEIGA, J. E.; EHLERS, E. Diversidade biológica e dinamismo econômico no meio rural. In: MAY, P. H.; LUSTOSA, M. C.; VINHA, V. (org.). Economia do meio ambiente: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003. p. 289-308.

Downloads

Publicado

17-11-2021

Como Citar

Branco, A. F. V. C., Lima, P. V. P. S. L., Medeiros Filho, E. S. de, Costa, B. M. G., & Pereira, T. P. (2021). Avaliação da perda da biodiversidade na Mata Atlântica. Ciência Florestal, 31(4), 1885–1909. https://doi.org/10.5902/1980509853310

Edição

Seção

Artigos