COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS BIOTÉCNICAS DE Sebastiania schottiana (Müll. Arg.) Müll. Arg., Phyllanthus sellowianus (Klotzscg) Müll. Arg., Salix humboldtiana Willd., E Salix x rubens Shrank

Leonardo Mortari Machado, Iris Cristiane Magistrali, Dane Block Araldi

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo fazer um estudo comparativo entre as características biotécnicas de Sebastiania schottiana (Müll. Arg.) Müll. Arg., Phyllanthus sellowianus (Klotzscg) Müll. Arg., Salix humboldtiana Willd., e Salix x rubens Shrank. Essas espécies apresentaram-se promissoras para estabilização de taludes fluviais e recuperação de cursos de água em estudos anteriores. O experimento foi instalado às margens de um arroio, em 2008 no município de São João do Polêsine, Rio Grande do Sul. As variáveis analisadas foram: taxa de sobrevivência no campo (%); número, diâmetro, comprimento, somatório dos brotos primários e comprimento do maior broto primário; número, comprimento dos brotos secundários e somatório do comprimento dos brotos secundários. Dentre as espécies analisadas, Phyllanthus sellowianus apresentou os melhores resultados para cinco características avaliadas, tornando-se assim, dentre as características avaliadas, a espécie mais indicada para a estabilização e recuperação de cursos de água na região estudada. 


Palavras-chave


bioengenharia; estabilização; recuperação; cursos de água.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, G. H. S.; ALMEIDA, J. R.; GUERRA, A. J. T. Gestão ambiental de áreas degradadas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005. 320 p.

ASCHBACHER, M.; MÜLLER, B. Optimierung des Steckholzwachastums am Beispiel von Salix humboldtiana und Phyllanthussellowianus in Südbrasilien. 2009. 171 f. UniversitätfürBodenkultur, Wien, 2009.

DENARDI, L. Anatomia e flexibilidade do caule de quatro espécies lenhosas para o manejo biotécnico de cursos de água. 2007. 112 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007.

DURLO, M. A. Biotécnicas no manejo de cursos de água. Ciência & Ambiente, Santa Maria, v. 21, n. 2, p. 81-90, 2000.

DURLO, M. A.; SUTILI, F. J. Bioengenharia: manejo de cursos de água. Porto Alegre: EST, 2005. 189 p.

DURLO, M. A.; SUTILI, F. J. Uso da bioengenharia na estabilização de um talude fluvial. In: SIMPÓSIO LATINO-AMERICANO SOBRE MANEJO FLORESTAL, 3., 2004, Santa Maria. Anais... Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, 2004. p. 312-323.

MONTEIRO, J. S. Influência do ângulo de plantio na propagação vegetativa de espécies utilizadas em engenharia natural. 2009. 111 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2009.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961.

SCHIECHTL, H. M.; STERN, R. HandbuchfürnaturnahenErdbau: EineEinleitungfüringenieurbiologischeBauweisen. Wien: ÖsterreichischerAgrarverlag, DruckundVerlagsgesellschaftm.b.H., 1992.

SUTILI, F. J. Bioengenharia de solos no âmbito fluvial do sul do Brasil: espécies aptas, suas propriedades vegetativo-mecânicas e emprego na prática. 2007. 95 f. Tese de Doutorado (Instituto de Bioengenharia de Solos e Planejamento da Paisagem) - Universidade Rural de Viena, Viena, Áustria, 2007.

SUTILI, F. J.; DURLO, M. A.; BRESSAN, D. A. Potencial biotécnico do sarandi-branco (PhyllanthussellowianusMüll. Arg.) e vime (SalixviminalisL.) para revegetação de margens de curso de água. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 1, p. 13-20, 2004.

VARGAS, C. O. Características biotécnicas de PhyllanthussellowianusMüll. Arg., Salixx rubensSchanck e Sebastianiaschottiana(Müll. Arg) Müll. Arg. 2007. 84 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509827748

Licença Creative Commons