ALTURA DE VOO DE ESCOLITÍNEOS (COLEOPTERA, SCOLYTINAE) EM POVOAMENTO DE Pinus taeda L. NO SUL DO BRASIL

Leonardo Mortari Machado, Ervandil Corrêa Costa

Resumo


Os escolitíneos (Curculionidae, Scolytinae) são besouros broqueadores, pertencentes à ordem Coleoptera que se desenvolvem no interior de árvores. Em países do hemisfério norte, estes insetos causam prejuízos significativos, principalmente quando ocorrem em surtos epidêmicos. No Brasil, em geral, os danos causados são menores quando comparados aos do hemisfério norte. Tendo em vista a importância da subfamília Scolytinae, este trabalho tem por objetivo proporcionar um melhor entendimento do comportamento destes, principalmente no que tange à altura de voo em povoamento de Pinus taeda L.. Para tanto, foram instaladas 72 armadilhas de interceptação de voo, em área pertencente à Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO), localizada em Santa Maria, Rio Grande do Sul. As armadilhas foram distribuídas em diferentes alturas (tratamentos) com três repetições distantes 30 metros entre si. Os tratamentos corresponderam às alturas de 0,5; 1,0; 1,5; 2,0; 2,5; 3,0; 3,5; 4,0; 4,5; 5,0; 5,5 e 6,0 metros. Foram capturados: Hypothenemus eruditus em maior abundância na faixa de 1,0 a 1,5 metros; Xyleborus ferrugineus, Xyleborinus gracilis e Xyleborus affinis a 0,5 metros; Xyleborinus saxeseni e Xylosandrus retusus não apresentaram preferência de altura de voo. Conclui-se que o intervalo situado entre 0,5 e 1,5 metros é ideal para analisar quantitativamente os escolitíneos associados ao Pinus taeda.


Palavras-chave


entomologia florestal; besouros-da-ambrosia; Pinaceae; distribuição vertical.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, R. L. S. et al. Avaliação de danos por insetos em toras estocadas em indústrias madeireiras de Manaus, Amazonas, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 26, p. 789-796, 2002.

ATKINSON, T. H.; FOLTZ, J. L.; CONNOR, M. D. Flight patterns of phloem and wood-boring Coleoptera (Scolytidae, Platypodidae, Curculionidae, Buprestidae, Cerambycidae) in north Florida slash pine plantation. Environmental Entomology, College Park, v. 17, n. 3, p. 259-265, 1988.

BERTIM, V. M. Flutuação populacional de degradadores da madeira em função da altura de coleta. 2013. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2013.

CARVALHO, A. G. et al. Variação sazonal de Scolytidae (Coleoptera) numa comunidade de floresta natural de Seropédica, RJ. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 3, p. 9-14, 1996.

FLECHTMANN, C. A. H. et al. Scolytidae em reflorestamentos com pinheiros tropicais. Piracicaba: IPEF, 1995. 201 p.

FLECHTMANN, C. A. H.; GASPARETO, C. L. Scolytidae em pátio de serraria da fábrica Paula Souza (Botucatu/SP) e fazenda Rio Claro (Lençóis Paulista/SP). Scientia Florestalis, Piracicaba, n. 51, p. 61-75, 1997.

FLECHTMANN, C. A. H.; OTTATI, A. L. T.; BERISFORD, C. W. Ambrosia and bark beetles (Scolytidae: Coleoptera) in pine and eucalypt stands in southern Brazil. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 142, n. 1/3, p. 183-191, 2001.

GRAY, B. Economic tropical forest entomology. Annual Review of Entomology, Palo Alto, v. 17, p. 313-354, 1972.

HINDS, T. E. Insect transmission of Ceratocystis species. Phytopathology, East Lansing, v. 62, n. 2, p. 221-225, 1971.

HOSKING, G. P.; KNIGHT, F. B. Flight habits of some Scolytidae in the spruce-fir type of Northern Maine. Annals of the Entomological Society of America, Washington, v. 68, n. 5, p. 917-921, 1975.

KELSEY, R. G; BEH, M. M.; SHAW, D. C. Ethanol attracts scolytids beetles to Phytophthora ramorum cankers on coast live oak. Journal of Chemical Ecology, New York, n. 39 v. 4, p. 494-506, 2013.

LOPES, E. B. et al. Etiologia e inseto vetor da morte-descendente-da-mangueira (Mangifera indica) no Estado da Paraíba. Tecnologia & Ciência Agropecuária, João Pessoa, v. 3, n. 1, p. 37-40, 2009.

LOPES, E. B. et al. Ocorrência de Xyleborus affinis atacando coqueiro anão verde na Paraíba. Tecnologia & Ciência Agropecuária, João Pessoa, v. 4, n. 1, p. 23-25, 2010.

MACHADO, L. M. et al. Escolitíneos associados a uma população de Acácia-negra (Acacia mearnsii De Wild). Biotemas, Florianópolis, v. 27, n. 3, p. 57-63, 2014.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura, 1961. 42 p.

MOURA, R. G. Coleobrocas (Insecta: Coleoptera) associadas à madeira de Tectona grandis Linn. (Lamiaceae). 2007. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, 2007.

MURARI, A. B. Levantamento populacional de Scolytidae (Coleoptera) em povoamento de Acácia-negra (Acacia mearnsii De Wild). 2005. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2005.

MURARI, A. B. et al. Modelo de armadilha etanólica de interceptação de voo para captura de escolitíneos (Curculionidae: Scolytinae). Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 32, n. 69, p. 115-117, 2012.

PERES, O. P. et al. Altura de voo de bostriquídeos (Coleoptera: Bostrichidae) coletados em Floresta Tropical Semidecídua, Mato Grosso. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 32, n. 69, p. 101-107, 2012.

SAMANIEGO, A.; GARA, R. I. Estudios sobre la actividad de vuelo y selección de huéspedes por Xyleborus spp. y Platypus spp. (Coleoptera: Scolytidae y Platypodidae). Turrialba, San José, v. 20, n. 4, p. 471-477, 1970.

SILVA, C. O. Ocorrência de Scolytinae no ambiente e na madeira de cinco espécies florestais em manguezal. 2012. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

SILVEIRA, M. B.; OLIVEIRA, M. Seringueira: guia rural. São Paulo: Abril,1988. p.182-183.

TURNBOW JUNIOR, R. H.; FRANKLIN, R. T. Flight activity by Scolytidae in the northeast Georgia Piedmont (Coleoptera). Journal of the Georgia Entomological Society, Athens, v. 15, n. 1, p. 26-37, 1980.

WOOD, S. L. The role of pheromones, kairomones, and allomones in the host selection and colonization behavior of bark beetles. Annual Review of Entomology, Palo Alto, v. 27, p. 411-446, 1982.

ZANUNCIO, J. C. et al. Plants of an Eucalyptus clone damaged by Scolytidae and Platypodidae (Coleoptera). Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 40, p. 513-515, 2005.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509827751

Licença Creative Commons