CRESCIMENTO INICIAL DE ITAÚBA E MACACAÚBA EM RECIPIENTES DE DIFERENTES TAMANHOS

Matheus da Silva Ferreira, José Zilton Lopes Santos, Carlos Alberto Franco Tucci, Lucifrancy Vilagelim Costa

Resumo


As dimensões do recipiente afetam tanto o custo de produção quanto a qualidade das mudas de espécies florestais, e o padrão de resposta destas é dependente da especificidade da espécie. Objetivou-se com o presente estudo avaliar o efeito do tamanho de recipientes no crescimento inicial das espécies florestais Mezilaurus itauba Taub. ex Mez e Platymiscium ulei Harms. Foram conduzidos dois experimentos concomitantemente, em condições de viveiro, utilizando-se o delineamento experimental inteiramente casualizado, com cinco repetições. Os tamanhos de recipientes testados equivaleram-se a 20 x 15 cm (T1); 20 x 20 cm (T2); 23 x 20 cm (T3); 25 x 20 cm (T4); 30 x 20 cm (T5) e 33 x 23 cm (T6). Aos 90 dias após o transplantio das plântulas, verificou-se que o tamanho de recipientes afeta, de maneira diferenciada, a qualidade das mudas tanto de macacaúba quanto de itaúba. Sendo o recipiente 25 x 20 cm mais indicado para o cultivo da espécie macacaúba, enquanto que para a itaúba recomenda-se o recipiente de dimensões 33 x 23 cm. Por outro lado, os recipientes 20 x 15 cm e 20 x 20 cm não devem ser utilizados para nenhuma das espécies avaliadas.

Palavras-chave


espécies florestais nativas; qualidade de mudas; propagação sexuada.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, D. D. et al. Checklist da flora arbórea de remanescentes florestais da região metropolitana de Belém e valor histórico dos fragmentos, Pará, Brasil. Boletim Museu Paraense Emilio Goeldi Ciências Naturais, Belém, v. 4, n. 3, dez. 2009.

ALLEN, S. E.; TERMAN, G. L.; CLEMENTS, L. B. Greenhouse techniques for soil-plant-fertilizer research. Muscle Shoals: National Fertilizer Development Center, 1976. 55 p.

AZEVEDO, I. M. G. et al. Estudo do crescimento e qualidade de mudas de marupá (Simarouba amara Aubl.) em viveiro. Acta Amazônica, Manaus, v. 40, n. 1, p. 157-164, mar. 2010.

BARROSO, D. G. et al. Qualidade de mudas de Eucalyptus camaldulensis e E. urophylla produzidas em tubetes e em blocos prensados, com diferentes substratos. Floresta e Ambiente, Seropédica. v. 7, n. 1, p.238-250, 2000.

BENOIT DE COIGNAC, M. G.; GRUEZ, J. Plants forestieres en conteneurs. Informations Techniques, Paris, n. 67, 1987.

BINOTTO A. F. Relação entre as variáveis de crescimento e o índice de qualidade de Dickson em mudas de Eucalyptus grandis W. Hill ex Maid e Pinus elliottii var. elliottii – Engelm. 2007. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007.

BRACHTVOGEL, E. L.; MALAVASI, U. C. Volume do recipiente, adubação e sua forma de mistura ao substrato no crescimento inicial de Peltophorum dubium (sprengel) taubert em viveiro. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 34, n. 2, abr. 2010.

BRANCALION, P. H. S. et al. Finding the Money for tropical forest restoration, Unasylva, Roma, v. 63, n. 239, p. 41-50, 2012.

CHAZDON, R. L. Beyond deforestation: restoring forests and ecosystem services on degraded lands. Science, Washington, v. 320, n. 5882, p. 1458-1460, 2008.

CORREIA, A. C. G. et al. Volume e substrato: influência no desempenho de 185 mudas clonais de eucalipto após replantio. Cerne, Lavras, v. 19, n. 2, p. 185-191, abr./jun. 2013.

CRUZ, C. A. F. et al. Efeito de diferentes níveis de saturação por bases no desenvolvimento e qualidade de mudas de ipê-roxo (Tebebuia impetiginosa (Mart.) Standley). Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 2, p. 100-107, 2004.

CUESTA, B. et al. Root growth dynamics of Aleppo pine (Pinus halepensis Mill.) seedlings in relation to shoot elongation, plants size and tissue nitrogen concentration. Trees, Madrid, v. 24, p. 899–908, 2010.

CUNHA, A. O. et al. Efeitos de substratos e das dimensões dos recipientes na qualidade das mudas de Tabebuia impetiginosa (Mart. Ex D.C.) Standl. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 29, n. 4, p. 507-516, 2005.

DAMETTE, O.; DELACOTE, P. Unsustainable timber harvesting, deforestation and the role of certification. Ecological Economics, Nancy, v. 70, n. 6, p. 1211–1219, 2011.

DANNER, M. A. et al. Formação de mudas de jabuticabeira (Plinia sp.) em diferentes substratos e tamanhos de recipientes. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 29, n. 1, p. 179-182, 2007.

DOMINGUEZ-LERENA, S. et al. Container characteristics influence Pinus pinea seedling development in the nursery and field. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 221, p. 63-71, 2006.

ENGEL, V. L.; PARROTTA, J. A. An evaluation of direct seeding for restoration of degraded lands in central São Paulo state, Brazil. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 152, p. 169-181, 2001.

FENNING, T. M.; GERSHENZON, J. Where will the wood come from? Plantation forests and the role of biotechnology. Trends in Biotechnology, Amsterdam, v. 20, n. 7, 2002.

FERRAZ, A. V.; ENGEL, V. L. Efeito do tamanho de tubetes na qualidade de mudas de jatobá (Hymenaea courbaril L. var. silbocarpa (Hayne) Lee at Lang), ipê-amarelo (tabebuia chrysotricha (Mart. Ex DC.) Sandl.) e guarucaia (Parapiptadenia rígida (Benth) Brenan). Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 35, n. 3, p. 413-423, 2011.

FONSECA, E. P. Padrão de qualidade de mudas de Trema micrantha (L.) Blume.,Cedrela fissilis Vell. E Aspidosperma polyneuron Muil Arg. produzidas sob diferentes períodos de sombreamento. 2000. Tese (Doutorado em Agronomia) - Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 2000.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. State of the world forests. Technical report. Rome: FAO, 2009.

GARCIA, F. M. et al. Rendimento no desdobro de toras de Itaúba (Mezilaurus itauba) e Tauari (Couratari guianensis) segundo a classificação da qualidade da tora. Floresta Ambiente, Seropédica, v. 19, n. 4, p. 468-474, dez. 2012.

GOMES, J. M. et al. Crescimento de mudas de Eucalyptus grandis em diferentes tamanhos de tubetes e fertilização N-P-K. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 27, n. 2, p. 113-127, 2003.

GOMES, J. M. et al. Influência do tamanho da embalagem plástica na produção de mudas de Ipê (Tabebuia serratifolia) de Copaíba (Copaifera langsdorffii) e de Angico Vermelho (Piptadenia peregrina). Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 14, n. 1, p. 26-34, 1990.

GOMES, J. M. et al. Parâmetros morfológicos na avaliação de qualidade de mudas de Eucalyptus grandis. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 26, n. 6, p. 655-664, 2002.

GOMES, J. M. Parâmetros morfológicos na avaliação da qualidade de mudas de Eucalyptus grandis, produzidas em diferentes tamanhos de tubete e de dosagens de N-P-K. 2001. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2001.

KOSTOPOULOU, P. et al. Enhancing planting stock quality of Italiancy press (Cupressus sempervirens L.) by pre-cultivation in mini-plugs. Ecological engineering, Amsterdam, v. 36, p. 912–919, 2010.

LACLAU, J.P. et al. Spatial distribution of Eucapyptus roots in a deep sandy soil in the Congo: relationships with the ability of the stand to take up water and nutrients. Tree Physiology, Oxford, v. 21, p. 129-136, 2001.

LUIS, V. C. et al. Nursery fertilization enhances survival and physiological status in Canary Island pine (Pinus canariensis) seedlings planted in a semiarid environment. European Journal of Forest Research, Switzerland, v. 128, p. 221–229, 2009.

MALAVASI, U. C.; MALAVASI, M. M. Efeito do volume do tubete no crescimento inicial de plântulas de Cordia trichotoma (Vell.) Arrab. Ex Steud E Jacaranda micranta Cham. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 16, n. 1, p. 11-16. 2006.

MALAVOLTA, E. Elementos de nutrição mineral de plantas. São Paulo: Ceres, 1980.

MCDOWELL, N. et al. Mechanisms of plant survival and mortality during drought: why do some plants survive while others succumb to drought? New Phytologist, Lancaster, v. 178, p. 719-739, 2008.

MELO, R. R. et al. Crescimento inicial de mudas de Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong. sob diferentes níveis de Luminosidade. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v. 3, p. 138-144, 2008.

NOVAES, A. B. et al. Avaliação do potencial de regeneração de raízes de mudas de Pinus taeda L., produzidas em diferentes tipos de recipientes, e o seu desempenho no campo. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 26, n. 6, p. 675-681, 2002.

OLIVEIRA-JÚNIOR, P. R. et al. Desenvolvimento inicial de quatro espécies florestais nativas em diferentes recipientes. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal, Garça, v. 20, n. 1, 2012.

PALACIOS, G. et al. Site preparation, stock quality and planting date effect of nearly establishment of Holmoak (Quercusilex L.) seedlings. Ecological engineering, Amsterdam, v. 35, p. 38-46. 2009.

PEREIRA, P. C. et al. Tamanho de recipientes e tipos de substrato na qualidade de mudas de tamarindeiro. Revista Verde, Mossoró, v. 5, n. 3, p. 136-142, 2010.

QUEIROZ, F. L. C. et al. Influência do lodo de caleiro na qualidade de mudas de pinho-cuiabano. Multitemas, Campo Grande, v. 42. p. 101-113, 2012.

SANTOS, C. B. et al. Efeito do volume de tubetes e tipos de substratos na qualidade de mudas de Cryptomeria japonica (L.F.) D. Don. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 10, n. 2, p. 1-15, 2000.

SERRANO, L. A. L. Sistema de blocos prensados e doses de adubo de liberação lenta na formação de porta-enxerto cítrico. Ciência Rural, Santa Maria, v. 36, n. 2, p. 441-447, 2006.

SCHWENGBER, J. E. et al. Utilização de diferentes recipientes na propagação da ameixeira através de estacas. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 24, n. 1, p. 285-288, 2002.

SOUTH, D. B. et al. Effect of container type and seedling size on survival and early height growth of Pinus palustris seedlings in Alabama, U.S.A. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 204, p. 385-398, 2005.

SOUZA, L. A. G. et al. Germinação das sementes e inoculação de mudas de macacaúba, Platymiscium duckei Huber (LEG. PAP.) com rizóbios, em latossolo amarelo (Oxisol). Acta Amazonica, Manaus, v. 31, n. 4, p. 547-556, 2001.

VARGAS, F. S. et al. Efeitos da mudança de recipiente em viveiro na qualidade de mudas de Cassia leptophylla Vogel, Eugenia involucrata DC. e de Cedrela fissilis Vell. Revista Acadêmica: Ciências Agrárias e Ambientais, Curitiba, v. 9, n. 2, p. 169-177, 2011.

VIANA, J. S. et al. Crescimento de mudas de Bauhinia forficata Link. Em diferentes tamanhos de recipientes. Floresta, Curitiba, v. 38. p. 663-671, 2008.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509827731

Licença Creative Commons