ESPÉCIES VEGETAIS POTENCIAIS PARA RECUPERAÇÃO DE ÁREAS SOB A INFLUÊNCIA DA MINERAÇÃO DE BAUXITA EM CAMPOS DE ALTITUDE NA REGIÃO DE POÇOS DE CALDAS - MG

Gleisson de Oliveira Nascimento, José Aldo Alves Pereira, Dalmo Arantes Barros, Pedro Lage Viana, Warley Augusto Caldas Carvalho, Paulo Oswaldo Garcia, Josimar Batista Ferreira

Resumo


O objetivo deste trabalho foi realizar um levantamento das principais espécies provenientes de propágulos na camada superficial do solo sobre minas de bauxita, em “Campos de Altitude de Mata Atlântica”, como forma de sugerir espécies potenciais para recuperação de áreas degradadas. Foram realizadas amostragens dos cinco primeiros centímetros de substratos contendo o material propagativo da área. As amostras foram acompanhadas em viveiro e realizou-se a contagem da emergência de plantas a cada 24 horas, sendo identificados os indivíduos no final do experimento. Foram calculados os índices de abundância e diversidade. Neste estudo, três das espécies de maior ocorrência foram comuns nos dois períodos (seco e chuvoso): Ageratum fastigiatum, Echinolaena inflexa e Borreria latifolia. O valor do Índice de Shannon (H’) encontrado para as espécies provenientes da camada superficial do solo em vegetação de “Campos de Altitude de Mata Atlântica” no período seco correspondeu a 2,79 nats.ind-1 e 2,23 nats.ind-1 no período chuvoso. Já a equabilidade de Pielou (J’) observada para o período seco foi igual a 0,72 e 0,63 para o período chuvoso. A similaridade entre os dois períodos foi de 0,36. Comparando a variável resposta, número de indivíduos entre os dois períodos, identificou-se diferença estatística com maior média para o período seco. De acordo com as condições que este trabalho foi realizado, é possível afirmar que existem espécies com potencial para recuperação de áreas mineradas em vegetação de Campos de Altitude. Portanto, sugere-se que sejam realizados estudos complementares de ecologia dessas espécies e de tecnologia de sementes como forma de fundamentar a aplicação desses conhecimentos em práticas de recuperação de áreas mineradas.


Palavras-chave


áreas degradadas; levantamento florístico; emergência de propágulos; regeneração natural.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, M. M. et al. Caracterização da chuva de sementes, banco de sementes do solo e banco de plântulas em Floresta Estacional Decidual ripária Cachoeira do Sul, Brasil. Scientia Florestalis, Piracicaba, n. 66, p. 128-141, dez. 2004.

BARROS, D. A. de. et al. Characterization of the bauxite mining of the Poços de Caldas alkaline massif and its socio-environmental impacts. Rem: Revista Escola de Minas, Ouro Preto, v. 65, p. 127-133, 2012.

BENTES-GAMA, M. M. et al. Espécies arbóreas nativas com potencial para recuperação de paisagens alteradas em Rondônia. Porto Velho: EMBRAPA, 2008. 29 p.

BRAGA, A. J. T. et al. Composição do banco de sementes de uma floresta semidecidual secundária considerando o seu potencial de uso para recuperação ambiental. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 32, n. 6, p. 1089-1098, nov./dez. 2008.

BRASIL. Resolução CONAMA no 423, de 12 de abril de 2010. Dispõe sobre parâmetros básicos para identificação e análise da vegetação primária e dos estágios sucessionais da vegetação secundária nos Campos de Altitude associados ou abrangidos pela Mata Atlântica. Brasília, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2012.

BUDKE, J. C. et al. Florística e fitossociologia do componente arbóreo de uma floresta ribeirinha, arroio Passo das Tropas, Santa Maria, RS, Brasil. Acta Botânica Brasílica, Porto Alegre, v. 18, n. 3, p. 581-589, set. 2004.

CABRAL, E.; SALAS, R. Borreria. In: Jardim Botânico (Rio de Janeiro, RJ). Lista de espécies da flora do Brasil. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2012.

CAIAFA, A. N.; SILVA, A. F. Composição florística de um campo de altitude no Parque Estadual da Serra do Brigadeiro, Minas Gerais, Brasil. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 56, n. 87, p. 163-173, 2005.

CHAMI, L. B. et al. Mecanismos de regeneração natural em diferentes ambientes de remanescente de Floresta Ombrófila Mista, São Francisco de Paula, RS. Ciência Rural, Santa Maria, v. 41, n. 2, p. 251-259, mar./abr. 2011.

DÍAZ-VILLA, M. et al. Soil seed bank and floristic diversity in a forest-grassland mosaic in southern Spain. Journal of Vegetation Science, Knivsta, v. 14, n. 5, p. 701-705, 2003.

ESMAILZADEH, O. et al. Persistent soil seed banks and floristic diversity in Fagus orientalis Forest communities in the Hyrcanian vegetation region of Iran. Flora, London, v. 206, n. 4, p. 365-372, apr. 2011.

ESPELAND, E. K.; PERKINS, L. B.; LEGER, E. A. Comparison of seed bank estimation techniques using six weed species in two soil types. Rangeland Ecology & Management, Littleton, v. 63, n. 2, p. 243-247, mar. 2010.

FAVRETO, R.; MEDEIROS, R. B. Banco de sementes do solo em área agrícola sob diferentes sistemas de manejo estabelecida sobre campo natural. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 28, n. 2, p. 34-44, 2006.

FILGUEIRAS, T. S. Echinolaena. In: Jardim Botânico (Rio de Janeiro, RJ). Lista de espécies da flora do Brasil. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2012.

GOLDENBERG, R. Miconia. In: Jardim Botânico (Rio de Janeiro, RJ). Lista de espécies da flora do Brasil. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2012.

GONÇALVES, A. R. et al. Bancos de sementes do sub-bosque de Pinus spp. e Eucalyptus spp. na flora de Brasília. Cerne, Lavras, v. 14, n. 1, p. 23-32, jan./mar. 2008.

GROSS, K. L. Comparison of methods for estimating seed numbers in the soil. Journal of Ecology, Oxford, v. 78, n. 4, p. 1079-1093, dec. 1990.

GUEVARA, S.; MORENO-CASASOLA, P.; SÁNCHEZ-RÍOS, G. Soil seed banks in the tropical agricultural fields of Los Tuxtlas, Mexico. Tropical Ecology, Varanasi, v. 46, n. 2, p. 219–227. 2005.

GUGLIERI, A.; RODRIGUES, R. S. Panicum. In: Jardim Botânico (Rio de Janeiro, RJ). Lista de espécies da flora do Brasil. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2012.

GUIMARÃES, J. C. C. Dinâmica do componente arbustivo-arbóreo de uma floresta de galeria aluvial no Planalto de Poços de Caldas, Minas Gerais, Brasil. 2007. 64 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2007.

HOWE, H. F.; SMALLWOOD, J. Ecology of seed dispersal. Annual Review of Ecology and Systematics, Palo Alto, v. 13, p. 201-228, 1982.

IKEDA, F. S. et al. Luz e KNO3 na germinação de sementes de Ageratum conyzoides L. sob temperaturas constantes e alternadas. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 30, n. 2, p. 193-199, 2008.

KINOSHITA, L. S. et al. Composição florística e síndromes de polinização e de dispersão da mata do Sítio São Francisco, Campinas, SP, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 313-327, 2006.

KOCH, J. M. Alcoa’s mining and restoration process in South Western Australia. Restoration Ecology, Malden, v. 15, n. 4, p. S11-S16, 2007.

LIEBSCH, D.; ACRA, L. A. Síndromes de dispersao de diáspotos de um fragmento de floresta Ombrófila mista em Tijucas do Sul, PR. Revista Acadêmica, Curitiba, v. 5, n. 2, p. 167-175, 2007.

MAGURRAN, A. Ecological diversity and its measurement. New Jersey: Princeton University, 1988. 175 p. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2011.

MARIMON, B. S.; FELFILI, J. M. Chuva de sementes em uma floresta monodominante de Brosimum rubescens Taub. e em uma floresta mista adjacente no Vale do Araguaia, MT, Brasil. Acta Botânica Brasilica, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 423-432, 2006.

MARTINELLI, G. Campos de altitude. Rio de Janeiro: Índex, 1996. 152 p.

MARTINS, S. V. et al. Banco de sementes como indicador de restauração de uma área degradada por mineração de caulim em Brás Pires, MG. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 32, n. 6, p. 1081-1088, nov./dez. 2008.

MOCOCHINSKI, A. Y.; SCHEER, M. B. Campos de altitude na serra do mar paranaense: aspectos florísticos. Floresta, Curitiba, v. 38, n. 4, p. 625-640, 2008.

MORAES, F. T.; JIMÉNEZ-RUEDA, J. R. Fisiografia da região do planalto de Poços de Caldas, MG/SP. Revista Brasileira de Geociências, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 196-208, 2008.

MÜELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: J. Wiley, 1974. 547 p.

MUNHOZ, C. B. R.; ARAÚJO, G. M. Métodos de Amostragem do Estrato Herbáceo-subarbustivo. In: FELFILI, J. M. et al. Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de caso. Viçosa, MG: Editora UFV, 2011. p. 213-230.

MYERS, N. et al. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, London, v. 403, p. 853-858, feb. 2000.

NAKAJIMA, J. Ageratum. In: Jardim Botânico (Rio de Janeiro, RJ). Lista de espécies da flora do Brasil. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2012.

OLIVEIRA-FILHO, A. T.; FONTES, M. A. L. Patterns of floristic differentiation among Atlantic Forests in Southeastern Brazil and the Influence of Climate. Biotropica, Washington, v. 32, n. 4b, p. 793-810, 2000.

PIO, R. et al. Enraizamento de estacas apicais de figueira em diferentes acondicionamentos e ambientes distintos. Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, v. 9, n. 4, p. 357-360, 2003. R Development Core Team. R: a language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing, 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2012.

SAFFORD, H. D. Brazilian Páramos I: an introduction to the physical environment and vegetation of the campos de altitude. Journal of Biogeography, Oxford, v. 26, n. 4, p. 693-712, jul. 1999.

SCHERER, C.; JARENKOW, J. A. Banco de sementes de espécies arbóreas em floresta estacional no Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 67-77, 2006.

SILVA-WEBER, A. J. C. et al. Composição florística e distribuição sazonal do banco de sementes em Floresta Ombrófila Mista Aluvial, Araucária, PR. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 32, n. 70, p. 193-207, 2012.

SOUZA, P. A. et al. Avaliação do banco de sementes contido na serapilheira de um fragmento florestal visando recuperação de áreas degradadas. Cerne, Lavras, v. 12, n. 1, p. 56-67, 2006.

VASCONCELOS, M. F. O que são campos rupestres e campos de altitude nos topos de montanha do Leste do Brasil? Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 241-246, 2011.

WILKANDER, T. Mecanismos de dispersion de diasporas de una selva en Venezuela. Biotropica, Lawrence, v. 16, p. 276-283, 1984.

ZHANG, Z. Q. et al. Soil seed bank as an input of seed source in revegetation of lead/zinc mine tailings. Restoration Ecology, Malden, v. 9, n. 4, p. 378-385, 2001.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509826449

Licença Creative Commons